Minha narrativa de vida atravessada pela pandemia

Palavras-chave: Histórias de vida, Experiência, Formação, Pandemia, Morte

Resumo

O presente artigo traz uma análise da influência da atual situação de pandemia na elaboração de minha dissertação de mestrado. Realizado pelo método biográfico, aquele relato parte de minhas lembranças e de registos pessoais, demonstrando como tempo, ambiente e culturas atuam no desenvolvimento do ser humano. Assumindo duplo olhar de espectadora e especialista, a partir da análise dos conteúdos da narrativa, vistos, agora, sob a presença revelada da morte, voltei à questão formulada inicialmente, ao pensar de que modo é possível encontrar, no passado, um sentido vivificador para um futuro possível, em Educação. Percebi, ao final, o fio condutor que, interligando fatos, sentimentos e conhecimentos acumulados, aponta para um processo infinito de trocas experienciais, herança comum a todos os seres humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Inez do Espírito Santo

Mestra em Educação e Formação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa na área de especialidade de Desenvolvimento Social e Cultural. Educadora, psicanalista e escritora, dedica-se à linha de pesquisa Investigação-ação-formação experiencial.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. (2000). Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.
ARENDT, Hanna. (2001). A Condição Humana. Trad. Raposo, R. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
BONVALOT, Guy. (1989). L’entreprise, espace de formation expérientielle. Education Permanente. 100/101, p.151-159.
CANÁRIO, Rui. (2006a). Aprender sem ser ensinado. A importância estratégica da Educação não formal. Em A Educação em Portugal (1986-2006). Alguns contributos de investigação. (p.195-247). SPCE. Lisboa: Conselho Nacional de Educação.
CANÁRIO, Rui. (2006b). Formação e adquiridos experienciais: entre a pessoa e o indivíduo – Em G. Figari & al. (org.). Avaliação de competências e Aprendizagens Experienciais - Saberes, modelos e métodos. (p.35-46). Lisboa: Educa.
CANÁRIO, Rui. (2012). Poderá o “decrescimento” ser uma boa notícia? Em Máscaras Prisões Liberdades e Cifrões. Brochura. Coletânea de intervenções em maratona. 2012, setembro 29. p.36-37. Lisboa: Casa da Achada.
CAVACO, Carmen. (2002). Aprender fora da escola: percursos de formação experiencial. Lisboa:Educa.
CAVACO, Carmen. (2018). A investigação biográfica em educação no contexto português. Revista brasileira de pesquisa (auto)biográfica, 03, n.09, p.814-828.
DOMINICÉ, Pierre. (1985). O processo de formação e alguns dos seus componentes relacionais. Psychologie et Éducation, IX, n.4, p.7-17.
DOMINICÉ, Pierre. (2006). A formação de adultos confrontada pelo imperativo biográfico. Revista Educação e Pesquisa, 32, n.2, p.345-357.
ESPÍRITO SANTO, Maria. (2010). Vasos Sagrados: mitos indígenas brasileiros e o encontro com o feminino. Rio de Janeiro: Rocco.
ESPÍRITO SANTO, Maria. (2012). Com gosto de terra natal. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
FERRAROTI, Franco. (1988). Sobre a autonomia do método biográfico. Em Nóvoa, A. & Finger, M. (orgs.) O método (auto)biográfico e a formação. (p.19-34). Lisboa: Ministério da Saúde.
FOUCAULT, Michel. (1997 [1970]). A ordem do discurso. Lisboa: Relógio d’Água.
FREIRE, Paulo. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educadora. São Paulo: Paz e Terra.
GADOTTI, Moacir. (2005). A questão da Educação Formal/Não Formal. Em Droit à l’education: solution à tous les problèmes ou probléme sans solution?. (p.1-11). Seminaire. Institut International des droits de l’enfant. 18-22 outubro 2005. [Acesso 05 agosto 2020] Disponível em Educacao Formal Nao Formal 2005 Gadotti - DOCUMENT.ONL
HAN, Byung-Chul. (2017). Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes.
JOSSO, Christine. (1991). L’éxperience formatrice: un concept en construction. Em Courtois, B & Pineau, G. La formation expérientielle des adultes. (p.191-200). Paris: La Documentation Française.
JOSSO, Christine. (2002). Experiências de vida e formação. Lisboa: Educa.
JULLIEN, François. (2018). As transformações silenciosas. trad. Silva, M. Londrina: Eduel. [livro eletrônico].
LANDRY, Francine. (1989). La formation expériencielle: origines, définitions et tendances. Education Permanente,100/101, p.13-22.
MARQUES, Luiz. (2020). A pandemia incide no ano mais importante da história da humanidade. Serão as próximas zooneses gestadas no Brasil? Ciência, Saúde e Sociedade: Covid 19. Revista eletrônica. 05 maio 2020. Unicamp. [Acesso em 20 maio 2020]. Disponível em unicamp.br/unicamp/noticias/2020/05/05/pandemia-incide-no-ano-mais-importante-da-historia-da-humanidade-serao-proximas
MORIN, Edgar & Kern, Anne. (1995). Terra Pátria – Porto Alegre: Sulina.
PINEAU, Gaston. (1989). La formation expérientielle en auto-, éco- et co-formation. Education Permanente, 100-101. p.23-30.
PINEAU, Gaston. (2014). A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. Em A.Nóvoa & M. Finger (orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. (p.91-109). Natal: EDUFRN.
RAMOS do Ó, Jorge. (2019). Fazer a mão. Lisboa: Saguão.
ROELENS, N. (1991). Le métabolisme de l’experience en réalité et en identité. Em B.Courtois & G.Pineau. La formation expérientielle des adultes. (p.219-241). Paris: La Documentation Française.
RUGIU, Antonio. (1998). Nostalgia do mestre artesão. São Paulo: Autores Associados.
SANTOS, Boaventura. (2003). Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento.
SANTOS, Boaventura. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Porto: Almedina.
SARAMAGO, José. (2019). O conto da ilha desconhecida. Porto: Porto.
SILVA E MELO, Antonio. (2012). Existe um direito ao desenvolvimento? Em Passagens Revoltas, p.424-435. Lisboa: In Loco.
VIEIRA, Willian.(2020). Ninguém aguenta mais barulho. Em Nexo jornal online. 28 julho 2020. [Acesso em 04 agosto 2020). Disponível em https://gamarevista.com.br/sociedade/ninguem-aguenta-mais-barulho/
Publicado
2020-12-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 671
  • pdf downloads: 347
Como Citar
ESPÍRITO SANTO , M. I. DO. Minha narrativa de vida atravessada pela pandemia. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 16, p. 1700-1713, 29 dez. 2020.