As Joanas das Marias

corpos atravessados pela dor em A ama, de Maria Benedita Bormann e A escrava, de Maria Firmina dos Reis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v13n1.p75

Palavras-chave:

Maternidade negra, Estudos literários, Maria Firmina dos Reis, Maria Benedita Bormann

Resumo

A maternidade negra nunca foi legitimada pelos senhores de escravos. Acreditava-se no desprezo por parte destas mães, impondo-lhes uma maternidade vivida no abandono ou na distância. Inúmeras obras literárias por muito tempo foram ávidas em estigmatizar as pessoas negras, não se preocupando em corporificar as dores das mulheres, sobretudo àquelas que tinham filhos. Ao eleger a maternidade negra como mote central de seus textos, as autoras Maria Benedita Bormann e Maria Firmina dos Reis visibilizam corpos que sempre sofreram com as projeções coloniais e com o sistema escravagista, atribuindo a estes corpos maternais humanidade e significado. Neste âmbito, mulheres negras são apresentadas em escritas que corroboram com a perspectiva de denúncia e rompimento, refletindo transformações sociais necessárias em seu tempo e ecoando na atualidade. A ama, de 1884 e A escrava, de 1887 apontam para reflexões que ainda atingem mães que pertencem a camadas sociais menos favorecidas. Mulheres de muitos nomes e contextos, mas ainda, vítimas de sistemas que oprimem, separam, mutilam e matam.

[Recebido em: 30 mar. 2023 – Aceito em: 10 jun. 2023]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Santiago Figueiredo, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Doutoranda em Letras pelo PPGL da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), com ênfase em Estudos Literários. Mestra em Letras - Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Licenciada em Letras - Lingua Portuguesa e Literaturas (UNEB). Estudou Teoria Musical e Canto Lírico em escola conveniada ao Conservatório Brasileiro de Música - RJ. Atualmente é professora efetiva da Secretaria de Educação do Estado da Bahia e integrante do Núcleo de Estudos Literários e Musicológicos da UFES (NELM). Interessa-se pelos seguintes temas: relação entre literatura e música; história da literatura e da música brasileira dos séculos XIX e XX; literatura e música feitas por mulheres.

Referências

ABREU, Márcia. Os censores lêem romances. In: Anais do XXV Congresso Brasileiro de ciências da Comunicação. XXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Salvador, 2002. Disponível em: http://www.caminhosdoromance.iel.unicamp. br/estudos/ensaios/censores.pdf. Acesso em: 02 fev. 2022.

ALVES, Lizir Arcanjo. Mulheres escritoras na Bahia: as poetisas 1822 1918. Salvador: Étera projetos editoriais. 1999.

COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

DÉLIA. A ama. Gazeta da Tarde. Edição 0025, 1884. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=226688&pagfis=3343. Acesso em: 20 març. 2023.

DUARTE, Constância Lima. Memoricídio: o apagamento da história das mulheres na literatura e na imprensa. (Mesa redonda no XVIII Seminário Internacional Mulher e Literatura). Aracaju, UFSE, 2019.

DUARTE, Eduardo de Assis. Maria Firmina dos Reis e os primórdios da ficção afro-brasileira. Posfácio. In: REIS, Maria Firmina dos Reis. Úrsula. Florianópolis: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC-Minas, 2004, p. 265-281.

FANTINI, Marli. Machado de Assis. In: DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura e afrodescendência no Brasil: Antologia crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011, pp. 143-171.

FERNANDES, Floristan. Mário de Andrade e o folclore brasileiro. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, vol, 36, 1994, pp. 141-159. Disponível em: http://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i36. Acesso em: 12 abr. 2022.

GOMES, Agenor. Maria Firmina dos Reis: e o cotidiano da escravidão no Brasil. São Luís: Editora AML, 2022.

LOBO, Luíza. Auto-retrato de uma pioneira abolicionista. In: LOBO, Luíza. Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. Maria Firmina dos Reis: escrita íntima na construção do si mesmo. Revista Estudos Avançados, vol.33, nº 96, 2019, pp. 91-108. Disponível em: https://www.revistas.usp. br/eav/article/view/161282. Acesso em: 20 maio 2021.

MORAIS FILHO, José Nascimento. Maria Firmina dos Reis, fragmentos de uma vida. São Luís: Governo do Estado do Maranhão, 1975.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula: romance; A escrava: conto. Belo Horizonte: editora Puc Minas, 2017.

RIBEIRO, Cristina Betioli. Literatura, Cultura e Nacionalismo Brasileiros na segunda metade do século XIX: o caso de Juvenal Galeno (1836-1931). Revista da ANPOLL, v. 01, pp. 64-74, 2016. Disponível em: https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/935. Acesso em: 20 set. 2021.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Cânone, valor e a história da literatura: pensando a autoria feminina como sítio de resistência e intervenção. El Hilo De La Fabula, 2012, pp. 59-72. Disponível em: https://doi.org/10.14409/hf.v0i12.4695. Disponível em: 30 set. 2021.

TELLES, Norma. Um palacete todo seu. Cadernos Pagu, vol. 12, 1999, pp. 379-399. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp. br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634937/2825. Acesso em: 03 fev. 2022.

TELLES, Lorena Féres da Silva. Amas de leite. In: SCHWARCZ, Lília M; GOMES, Flávio (org). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ZIN, Rafael Balseiro. A dissonante representação imagética de Maria Firmina dos Reis: da simples denúncia às formas encontradas para se desfazer os equívocos. Estudos linguísticos e literários, salvador, n. 59, p. 237 261, 2018. Doi: 10.9771/ell.v0i59.28915. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/estudos/article/view/28915. Acesso em: 19 fev. 2022.

Publicado

2023-08-13

Como Citar

FIGUEIREDO, D. de L. S. As Joanas das Marias: corpos atravessados pela dor em A ama, de Maria Benedita Bormann e A escrava, de Maria Firmina dos Reis. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 13, n. 1, p. 75–96, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v13n1.p75. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/v13n1p75. Acesso em: 21 fev. 2024.