Literaturas de autoria negro-feminina na América Latina e Caribe

insurgências e ressignificações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v13n1.p45

Palavras-chave:

Literaturas de autoria negra, Escritoras, Interlocuções transatlânticas, América Latina, Caribe

Resumo

Este texto reflete acerca da produção literária de autoria negro-feminina na América Latina e Caribe. Para essa discussão, reúne vozes de escritoras contemporâneas de diferentes países, contribuindo para fortalecer, dessa forma, laços afetivos afrodiaspóricos e possibilitar aproximações entre mulheres negras. Nesse sentido, a par de suas especificidades históricas e geográficas, o trabalho destaca como essas autoras realizam um movimento de insurgência aos modos de pensar/agir instituídos pelos cânones literário e historiográfico. Ao mesmo tempo, ressalta como a criatividade epistemológica opera a constituição de novas imagens e motiva outras maneiras de narrar episódios da escravização nas Américas. De tal modo, em diferentes gradações, trazendo à tona falas e corpos ausentes dos relatos dominantes, elas promovem espaços/ tempos de resistência.

[Recebido em: 20 abr. 2023 – Aceito em: 10 jun. 2023]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUGUSTO, Geri. A língua não deve nos separar!: reflexões para uma práxis negra transnacional de tradução. In: CARRASCOSA, Denise. Traduzindo no Atlântico Negro. Salvador: Editora Ogum’s Toques Negros, 2017, p. 31-60.

ARROYO PIZARRO, Yolanda A. Hablar de las ancestras: hacia una nueva literatura insurgente de la afrodescendencia”. In: Tongas, palenques y quilombos: ensayos y columnas de afroresistencia. Latoya Hobbs, Porto Rico, 2013, 23-43.

ARROYO PIZARRO, Yolanda A. las Negras. Carolina: Boreales, 2012.

CARNEIRO, Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como Fundamento do Ser. 2005. 339f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

EVARISTO, Conceição. África: âncora dos navios de nossa memória. Via Atlântica, São Paulo, N. 22, 159-166, DEZ/2012.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Editora Vozes Limitada, 2019.

GROSSFOGUEL; Ramón. “A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI”. Revista Sociedade e Estado Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril, 2016.

HARTMAN, Saidiya. Vênus em dois atos. Revista ECO-Pós, v. 23, n. 3, p. 12 33, 24 dez. 2020. Tradução: Fernanda Sousa; Marcelo R. S. Ribeiro. Disponível em: https://bityli.com/Ke6zB. Acesso em: 22 abr. 2022.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80 | 2008, 71-114.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e Decolonialidade. Revista Sociedade e Estado Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril, 2016.

MARTINS, Leda. Performances da Oralitura: Corpo, Lugar da Memória. Letras, n. 26, p. 63-81, 2003. doi: https://doi.org/10.5902/2176148511881.

PRATES, Lubi. Um corpo negro. 2. ed. São Paulo: Nosotros, 2019, p. 27.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; Meneses, Maria Paula (Orgs.). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2009, p. 84-130.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, 2005a, pp. 118-142.

SALES, Cristian Souza de. Assentamentos de resistência: intelectuais negras do Brasil e Caribe em insurgências epistêmicas. Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Literatura e Cultura. Salvador: UFBA, 2020.

SANTIAGO, A. R. Insurgências literárias de autoria negro-feminina. Interdisciplinar – Revista de Estudos em Língua e Literatura, v. 34, n. 1, p. 13-30, 28 out. 2020.

SANTIAGO, A. R. Águas: moradas de memória. Cruz das Almas: Editora da UFRB, 2020.

SANTIAGO, A. R. Literatura de autoria feminina negra: (des)silenciamentos e ressignificações. Vertentes & Interfaces I: Estudos Literários e Comparados. Vitória da Conquista v. 2, n. 1 p. 20-37 jan./jun. 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para Além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENEZES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Cortez Editora, 2010, p. 31- 83.

SANTOS, S. Boaventura. Pela Mão de Alice. São Paulo: Cortez Editora, 1995.

SANTOS-FEBRES, Mayra. (2010). Raza en la cultura puertorriqueña. In: Sobre Piel y papel: ensayos. 2ª edición. Ediciones Callejón, 2010, p. 132-156.

SANTOS-FEBRES, Mayra. Fe en disfraz. Guaynabo: Alfaguara, 2009.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Mauad Editora Ltda, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – Episódios de racismo cotidiano. Tradução: Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

Publicado

2023-08-13

Como Citar

SALES, C. Literaturas de autoria negro-feminina na América Latina e Caribe: insurgências e ressignificações. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 13, n. 1, p. 45–74, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v13n1.p45. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/v13n1p45. Acesso em: 21 fev. 2024.