“Fé”, de Murata Sayaka

leituras paranoicas da paranoia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v13n1.p185

Palavras-chave:

Ficção japonesa contemporânea, Murata Sayaka, Fé, Comunidade, Paranoia, Violência

Resumo

.O artigo busca discutir as formações identitárias das personagens no conto “Fé”, de Murata Sayaka, de modo a se demonstrar uma emulação do funcionamento da paranoia tanto no complexo processo identitário, quanto na estrutura do conto em si e, metonimicamente, nos próprios mecanismos de análise possíveis, quando da aceitação da explicação como desvelamento da realidade. De forma paralela, busca-se demonstrar como as formações de novas comunidades dentro do conto podem ser indícios de leitura de outras elaborações de versões críticas das teses de excepcionalidade do que é ser japonês, a partir do momento no qual se depara, na narrativa, com uma forma de violência a surgir, sem movimentação prévia dos sujeitos ali presentes, como um acontecimento demarcando uma separação linguística, cindindo a própria equalização da natividade, a partir da localização espaço-temporal e linguística dos sujeitos envolvidos.

[Recebido em: 02 mar. 2023 – Aceito em: 10 jun. 2023]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BHABHA, Homi. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana L. de Lima Reis e Gláucia R. Gonçalves. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

CRITCHLEY, Simon. Faith of the faithless: experiments in political theology. Londres: Verso, 2012. Edição Kindle.

DERRIDA, Jacques. Uma certa possibilidade impossível de dizer o acontecimento. Tradução de Piero Eyben. Cerrados, v. 21, n. 33, p. 229-251, 2012.

DERRIDA, Jacques. A literatura no segredo: uma filiação impossível. Dar a Morte. Tradução de Fernanda Bernardo. Coimbra: Palimage, 2013a.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução de: Miriam Schnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2013b.

DERRIDA, Jacques. A besta e o soberano – seminário. Tradução de Marco Casanova. Rio de Janeiro: Via Verita, v. 1, 2018.

FELSKI, Rita. The Limits of Critique. Chicago: The University of Chicago Press, 2015.

GABRAKOVA, Dennitza. The Unnamable Archipelago: Wounds of the Postcolonial in Postwar Japanese Literature and Thought. Leiden: Brill, 2018.

IWABUCHI, Koichi. Complicit exoticism: Japan and its other. Continuum: Journal of Media & Cultural Studies, v. 8, n. 2, p. 49-82, 1994.

KATO, Shuichi. Tempo e espaço na cultura japonesa. Tradução de Neide Hissae Nagae e Fernando Chamas. São Paulo: Estação Liberdade, 2012.

KAWAI, Yuko. Deracialised race, obscure racism: Japaneseness, Western and Japan’s concepts of race, and modalities of racism. Japanese Studies, v. 35, n. 1, p. 1-25, 2015.

MURATA, Sayaka. Fé (信仰). Fé (信仰 Faith). Tóquio: Bungēshunjū, p. 6-57, 2022.

ODA, Ernani. O contexto global no nacionalismo japonês contemporâneo. Estudos Japoneses, n. 29, p. 45-60, 2009.

ODA, Ernani. Condições estruturais do nacionalismo japonês recente. Lua Nova, n. 103, p. 11-38, 2018.

ODA, Ernani. A idealização da “pessoa comum” e o discurso nacionalista no Japão. Civitas, n. 20, v. 3, p. 464-475, 2020.

OKAKURA, Kakuzo. O livro do chá. Tradução de Leiko Gotoda. São Paulo: Estação Liberdade, 2008.

SEDGWICK, Eve K. Leitura paranoica e leitura reparadora, ou, você é tão paranoico que provavelmente pensa que este ensaio é sobre você. Tradução de Mariana P. Ruggieri, Marcos P. Natali, Camila Nogueira, Fabio P. Saldanha, Luísa Romão e Roger Melo. Remate de Males, v. 40, n. 1, p. 389 421, 2020.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra R. G. Almeida, Marcos P. Feitosa e André P. Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014.

Publicado

2023-08-13

Como Citar

SALDANHA, F. P. “Fé”, de Murata Sayaka: leituras paranoicas da paranoia. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 13, n. 1, p. 185–204, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v13n1.p185. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/v13n1p185. Acesso em: 21 fev. 2024.