Dona Sol

o entrelugar e o fascínio pela transgressão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v13n1.p143

Palavras-chave:

Dona Sol, Dama Pé de Cabra, Transgressão, Hélia Correia

Resumo

A novela Fascinação, de Hélia Correia, questiona a permanência da opressão social e religiosa relativa ao comportamento feminino a partir do diálogo com as histórias sobre a Dama Pé de Cabra, personagem singular e fabulosa do relato linhagista medieval acerca de D. Diogo Lopes de Haro, registrado no Livro de Linhagens do Conde D. Pedro (1344), e também do conto homônimo de Alexandre Herculano, publicado na coletânea Lendas e Narrativas em 1851. A sensível história da filha da Dama e de D. Diogo, D. Sol, criatura híbrida fruto de um entrelugar produzido pelo sincretismo religioso, possibilita que a narradora coloque em debate questões instigantes sobre a condição feminina ainda presentes no contexto contemporâneo: a opressão exercida pelas expectativas sociais e interdições morais, o fascínio despertado pelo desejo e pela transgressão, assim como os desafios advindos da condição de diferente. Esta análise alia-se à perspectiva das relações dialógicas entre textos e contextos para delinear preocupações estéticas, simbólicas e socioculturais, apoiando-se em estudos de Praz (1996) sobre o fascínio despertado pela beleza nomeada meduseia em razão do perigo subversivo atribuído a estas figuras femininas, de Bourdieu (2007) acerca da opressão simbólica exercida pela sociedade sobre os indivíduos, de Hutcheon (1991) relativos à atribuição de voz aos excluídos em narrativas contemporâneas e de Reis (2019) a respeito da refiguração de personagens.

[Recebido em: 24 mar. 2023 – Aceito em: 10 jun. 2023]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Marcia Alves Siqueira, Universidade Federal do Ceará - UFC

Doutora em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e professora associada do Departamento de Literatura e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Ceará. Pesquisadora das áreas de Literatura Portuguesa e de Literatura Comparada (séculos XIX e XX), especialmente de estudos sobre a temática do mal na literatura, atualmente coordena o grupo de pesquisa “Vertentes do Mal na Literatura”, registrado no diretório de grupos do CNPq.

Referências

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. 11ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dictionnaire des symboles. Paris: Robert Laffont /Jupiter, 1995.

CORREIA, Hélia. Fascinação, seguido de A Dama Pé-de-Cabra de Alexandre Herculano. Lisboa: Relógio d’Agua, 2004.

CORREIA, Hélia. Lilias Fraser. Lisboa: Relógio d’Agua, 2001.

CORREIA, Hélia. O Rancor: Exercício sobre Helena. Lisboa: Relógio D’Água, 2000.

CORREIA, Hélia. Perdição – Exercício sobre Antígona. Lisboa: D. Quixote, 1991.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente: 1300-1800. 2ªed. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. O fogo de Prometeu e o espelho de Perseu: reflexões sobre mentalidade e imaginário. Signum. São Paulo, n. 5, p. 73-116, 2003.

HERCULANO, Alexandre. A Dama Pé de Cabra. In: ______. Lendas e narrativas. Lisboa: Editorial Comunicação, 1987, p. 113-145.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modemismo: história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia ensinamentos das formas de arte do século XX. Tradução Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

LE GOFF, Jacques & LADURIE, Le Roy. Melusine maternelle et défricheuse. Annales: Économie, Societé et Civilizations. v. 3-4, n. 26, p. 590-622, 1971.

LE GOFF, Jacques. O imaginário medieval. Trad. de Manuel Ruas. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.

LE GOFF, Jacques. Heróis e maravilhas da Idade Média. Trad. de Stephania Matousek. Petrópolis- RJ: Vozes, 2009.

MATTOSO, José; PIEL, José (Org.). Livro de Linhagens do Conde D. Pedro. Portugaliae monumenta histórica. Scriptores. Nova Série, Tomo II-III, Lisboa: Academia das Ciências, 1980.

MELLINKOFF, Ruth. Outcasts: signs of otherness in northern european art of the late Middle Ages, 2 vol., Berkeley/Los Angeles/Oxford, 1993.

MOREIRA, Nadilza M. de Barros. Da margem para o centro: a autoria feminina e o discurso feminista do século XIX. In: DUARTE, C. L.; ASSIS. E. de; BEZERRA, K. da C. (Org.). Coleção Mulher e Literatura. 8ª ed. Belo Horizonte: Editora Tavares, 2002, p. 143-147. v.1.

NOGUEIRA, Carlos Roberto F. O diabo no imaginário cristão. Bauru (SP): EDUSC, 2002.

PRAZ, Mário. A carne, a morte e o diabo na literatura romântica. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

PEREIRA, Paulo Alexandre. Contar contra as ruínas: Lillias Fraser, de Hélia Correia. In: FERREIRA, António Manuel; PEREIRA, Paulo Alexandre (orgs.). Escrever a ruína. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2006, p. 61-75.

PINTASILGO, Maria de Lourdes. Os novos feminismos. Lisboa: Moraes, 1981.

REIS, Carlos. A lógica íntima das personagens: a ideia, a imagem e o nome. Revista Moara. Belém, n. 52, p. 133-148, 2019.

RIVIÈRE, Claude. Syncrétisme. In: BONTE, P. ; ISARD, M. (dir.). Dictionnaire de l’etmologie et de l’antropologie. Paris: PUF, 1991.

SARAMAGO, José. Memorial do convento. 14a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SIQUEIRA, Ana Marcia A. Relações de poder nos livros de linhagens portugueses. In: ZIERER, A.; FEITOSA, M. M. M. (Org.). Literatura e história antiga e medieval. São Luís: EDUFMA, 2011, v. 1, p. 89-104.

SIQUEIRA, Ana Marcia A. e DEZIDÉRIO, Felipe Hélio da S. A face negra de Alexandre Herculano: visões históricas do mal na construção do sobrenatural em A Dama Pé de Cabra. ABRIL NEPA, Vol. 4, n° 8, 2012, p. 67-84.

TELLES, L. F. Mulher, mulheres. In: PRIORE, M. D. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000. p. 669-672.

Publicado

2023-08-13

Como Citar

SIQUEIRA, A. M. A. Dona Sol: o entrelugar e o fascínio pela transgressão. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 13, n. 1, p. 143–168, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v13n1.p143. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/v13n1p143. Acesso em: 21 fev. 2024.