Palavras que sangram

o feminicídio em Mulheres Empilhadas, de Patrícia Melo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/pdi.v13n1.p13

Palavras-chave:

Literatura, Violência, Feminicídio, Mulheres empilhadas, Patrícia Melo

Resumo

Este artigo pretende discutir alguns dos desdobramentos e respostas da literatura brasileira contemporânea diante da realidade feminicida brasileira. Neste sentido, a partir do romance Mulheres empilhadas (2019), de Patrícia Melo, é discutido de que maneira a misoginia e o machismo podem se traduzir em violência contra a mulher. Para isso, parte-se da noção de homo violens (DANDOUN, 1998) e de um protótipo do termo violência (MICHAUD, 1989) como tentativa de explicar alguns dos desencadeamentos dessa categoria. A partir de Pierre Bourdieu (2019), aponta-se a assimetria da relação entre homens e mulheres como um dos elementos fundamentais à produção de violências contra a mulher e como a violência simbólica não deve ser compreendida em oposição à violência concreta. Analisa-se, então, alguns elementos da estrutura sociopolítica e histórica patriarcal brasileira responsáveis pelas diversas manifestações de violência contra a mulher que perpassam os espaços público e privado. Consequentemente, discute-se de que forma essa estrutura de silenciamento e de opressão do corpo e da voz feminina se dá nessa narrativa literária. O objetivo deste artigo é, assim, abordar algumas das possibilidades de leitura a respeito dessa temática e apontar a literatura contemporânea como uma abertura para compreender esse quadro de violência sistêmica contra a mulher.

[Recebido em: 18 abr. 2023 – Aceito em: 10 jun. 2023]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elen Cristina Geraldes, Universidade de Brasília

Doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília, Brasil(2000). Professora Adjunta da Universidade de Brasília.

Referências

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. 15ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 19ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.

CHAUI, Marilena. Sobre a violência. 1. ed. reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

DADOUN, Roger. A violência: ensaio sobre o “Homo violens”. Tradução de Ana Gomes Soares. Portugal: Publicações Europa-América, LDA., 1998.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 12ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

MELO, Patrícia. Mulheres empilhadas. São Paulo: LeYa, 2019.

MICHAUD, Yves. A violência. Tradução de L. Garcia. São Paulo: Editora Ática, 1989.

MICHAUD, Yves. Violence et politique. Col. “Les Essais”. Paris: Gallimard, 1978.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. Tradução de Miguel Serras Pereira. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2014.

Publicado

2023-08-13

Como Citar

SILVA, C. W. S.; GERALDES, E. C. Palavras que sangram: o feminicídio em Mulheres Empilhadas, de Patrícia Melo. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 13, n. 1, p. 13–43, 2023. DOI: 10.30620/pdi.v13n1.p13. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/v13n1p13. Acesso em: 21 fev. 2024.