Graça Graúna: a poesia como estratégia de sobrevivência

Autores

  • Rita Olivieri-Godet

DOI:

https://doi.org/10.30620/p.i..v8i1.5195

Palavras-chave:

Literatura indígena, Graça Graúna, Entre-lugar

Resumo

No seio dos debates sobre o transculturalismo, na literatura, analisamos as construções poéticas das paisagens urbanas, relacionando-as às imagens da memória do território indígena e aos referentes culturais associados em Tear da Palavra (2007) de Graça Graúna. Trata-se de explorar as relações do sujeito poético com o espaço urbano e com os territórios autóctones, levando em consideração a complexidade das figurações que se referem tanto ao processo de interação entre a dimensão espacial e o ser humano, quanto às práticas do espaço e das paisagens. Observamos igualmente as mudanças da paisagem operadas pelas mobilidades forçadas, presentificadas pelos sujeitos poéticos, conforme essas paisagens remetam ao espaço urbano ou a territórios culturais tradicionais. Abordaremos a forma como a autora percebe e representa, em sua obra, a experiência individual e coletiva desses espaços. Os textos de Graúna ultrapassam a dimensão nacional e espelham as problemáticas referentes à ocupação dos territórios dos povos autóctones, inscrevendo-se em um patamar de identidade mais continental, com a reconstrução das identidades emancipadoras na contemporaneidade pluricultural das Américas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

OLIVIERI-GODET, R. Graça Graúna: a poesia como estratégia de sobrevivência. Pontos de Interrogação – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Laboratório de Edição Fábrica de Letras - UNEB, v. 8, n. 1, p. 33–49, 2018. DOI: 10.30620/p.i.v8i1.5195. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/5195. Acesso em: 26 maio. 2024.