A matemática diante da possibilidade do ensino remoto: uma discussão curricular

Palavras-chave: Ensino de matemática, Currículo, Pandemia, Ensino Remoto.

Resumo

Este trabalho  tem  por  objetivo  colaborar  nas  discussões  curriculares  para  o  ensino  de matemática evocando as teorias críticas e pós-modernas como forma de questionamento das tradições de conteúdo e metodologias.  Considera-se  nesta  análise  a  atualidade  da  pandemia  mundial  da  COVID-19,  doença infecciosa provocada por vírus, e os poucos ou inexistentes debates para a construção da Base Nacional Comum  Curricular  e  a  Reforma  do  Ensino  Médio,  que  no  momento  colocam  em  xeque  o  êxito  das  propostas diante da fragilidade dos sistemas educacionais públicos, no que concerne às ferramentas e conhecimentos para aulas e ensino remoto. Para tanto, parte-se das problematizações de currículo que sempre existiram e neste momento tornam-se cada vez mais necessárias e importantes, chegam-se às discussões sobre o ensino de matemática como conteúdo cultural e como possível ferramenta para o desenvolvimento da capacidade de crítica social de quem a estuda e a ensina, ambos por meio de estudos já publicados. Assim, aludindo a discussões que hibridizam teorias críticas e pós-modernas, a matemática sai da esfera de conteúdo hegemônico, permitindo-se reconstrução para abordagem dos mais diferentes temas, sem que perca espaço para suas prescrições específicas da ciência de orientação. É a matemática posta no campo das incertezas, para permitir-lhe ampliar a compreensão das inúmeras situações em que tratamento de dados e modelagens possam estar à serviço de justiça ou injustiça social. Apresenta-se, na sequência, relato de experiência com um exemplo de metodologia de ensino de conteúdo de matemática por meios digitais, como forma de ilustrar possibilidades, avaliação de potencialidades e fornecimento de subsídios para a discussão. Por fim, são consideradas na experiência registrada, as potencialidades e as adversidades ligadas ao ensino de matemática de forma remota e corrobora-se a necessidade do debate em torno do currículo que inclua não só pesquisadores, mas principalmente professores e estudantes, num ensino de matemática que envolva sua natureza, fundamentos, significados e consequências no cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Eliane de Oliveira Basso, Instituto Federal do Paraná (IFPR)

Doutoranda em Educação, Universidade Estadual de Maringá - UEM. Mestre em Educação,  Universidade Estadual de Maringá  - UEM (2005). Especialista em História do Mundo Contemporâneo, Universidade Paranaense – UNIPAR (2003). Graduada em Pedagogia, Universidade Estadual de Maringá  - UEM (2013). Graduada em História, Universidade Paranaense  - UNIPAR (1993). Professora de História e História da Educação no IFPR, campus Umuarama/PR.

Netúlio Alarcon Fioratti, Instituto Federal do Paraná (IFPR)
Engenheiro Civil pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) (2005), Mestre pela mesma instituição (2008). Atualmente é Professor no Instituto Federal do Paraná (IFPR) no Campus de Umuarama-PR e Coordenador do curso Técnico em Edificações integrado ao ensino médio. Foi coordenador do curso de Engenharia Civil do Centro Universitário Toledo de Araçatuba-SP (UniToledo) em Araçatuba-SP. Além da experiência em docência no Ensino Técnico e Superior de disciplinas na área de Estruturas, Materiais de Construção Civil e Gerenciamento de Obras Civis, tem experiência na atuação direta da Engenharia Civil, com ênfase em Estruturas de Concreto, Fiscalização e Gerenciamento de Obras Públicas, Administração de Convênios e Contratos de Repasse, Construção Civil Direta e Elaboração de Projetos Estruturais.
Maria Luisa Furlan Costa, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Professora adjunta do Departamento de Fundamentos e Práticas da Educação (DFE) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Ocupa o cargo de Diretora do Núcleo de Educação a Distância da Universidade Estadual de Maringá e Coordenadora do Programa Universidade Aberta do Brasil no âmbito dessa instituição. Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da Universidade paulista Julio de Mesquita Filho (Unesp/Araraquara), Líder do Grupo de Pesquisa Educação a Distância e as Tecnologias Educacionais/CNPQ.

 

Referências

APPLE, Michael. Ideologia e Currículo. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BAMPI, Lisete. Currículo como tecnologia de governo de cidadãos e cidadãs. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., 2000, Caxambu. Textos completos dos trabalhos [...]. [S. l.: s. n.], 2000. Tema: GT 12 - Currículo, Disponível em: http://23reuniao.anped.org.br/textos/1207t.PDF. Acesso em: 26 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC – eta-pa ensino médio. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=85121-bncc-ensino-medio&category_slug=abril-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educa-ção nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 06 nov. 2017.

BRASIL. Medida Provisória nº 746. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília - DF, sexta-feira, 23 de setembro de 2016.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 14 de mar. 2017.

BRASIL. Resolução nº 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/51281622. Acesso em: 5 de mai. 2019.

D’AMBROSIO, Ubiratan. O que é etnomatemática. Laboratório de Estudos e Pesquisa Transdisciplinares - LEPTRANS - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.ufrrj.br/leptrans/textos.htm. Acesso em: 10 mai. 2020.

DOLL JR., W. E. Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

G1.GLOBO. Brasil cai em ranking mundial de educação em matemática e ciências e fica estagnado em leitura. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/12/03/brasil-cai-em-ranking-mundial-de-educacao-em-matematica-e-ciencias-e-fica-estagnado-em-leitura.ghtml. Acesso em: 20 jun. 2020.

IFPR. RESOLUÇÃO Nº 10, DE 11 DE MAIO DE 2020. Autoriza, em caráter excepcional, o desenvolvimento de atividades pedagógicas não presenciais nos cursos presenciais do IFPR durante o período de suspensão do calendário acadêmico como medida de prevenção e enfrentamento à disseminação da Covid-19. Disponível em: https://sei.ifpr.edu.br/sei/publicacoes/controlador_publicacoes.php?acao=publicacao_visualizar&id_documento=801329&id_orgao_publicacao=0. Acesso em: 12 mai. 2020.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez Edito-ra, 2011.

MACHADO, Nilson José e Ubiratan D’Ambrosio [entrevista out.2014]. Entrevista concedida ao Programa Educação Brasileira. univesp. nº 179. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-vRBZYw_wfw. Acesso em: 10 mai. 2020.

MILL, Daniel (org.) Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e de Educação a Distância. Campinas, SP: Papirus, 2018.

MOREIRA, José António; SCHLEMMER, Eliane. Por um novo conceito e paradigma de educação digital onlife. Revista uFG. V.20 (2020). Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revistaufg. Acesso em: 02 jun. 2020.

SAVIANI, Nereide. Currículo: um grande desafio para o professor. Revista de Educação. Nº 16. São Paulo, 2003 – pp. 35-38.

SILVA, Monica Ribeiro. O golpe no ensino médio em três atos que se completam. In: BELMIRO, Luiz; SLVA, Monica R. Democracia em Ruínas. Curitiba, CRV, 2019.

SILVA, Márcio Antônio da. Contribuições contemporâneas para as discussões curriculares em educação matemática: a teoria crítica pós-moderna.

ALEXANDRIA: revista de educação em ciência e tecnologia, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 205-233, abril 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37943. Acesso em: 26 jun. 2020.

SKOVSMOSE, O. Educação matemática crítica: a questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001.

Publicado
2020-08-18
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1199
  • HTML downloads: 49
Como Citar
Basso, S. E. de O., Fioratti, N. A., & Costa, M. L. F. (2020). A matemática diante da possibilidade do ensino remoto: uma discussão curricular. Plurais Revista Multidisciplinar, 5(2), 192-213. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2020.v5.n2.192-213
Seção
Estudos/Ensaios