A produção científica e a maternidade sob a ótica epistemológica da objetividade forte

Palavras-chave: Produção científica, Maternidade, Academia, Gênero, Objetividade Forte

Resumo

O artigo analisa reflexivamente os impactos da maternidade sobre a produção científica das mulheres pesquisadoras e a necessidade objetiva de se manter a luta pela equiparação entre homens e mulheres na ciência que levou à inclusão da possibilidade de indicar o período de afastamento da pesquisadora em razão da licença maternidade, mas que carece da existência de políticas públicas e espaços acolhedores para essas mães pesquisadoras nas estruturas físicas, bem como outras consequências que lhes são prejudiciais. Busca lastro teórico nas contribuições relativas à concepção de objetividade forte, delineados por Harding, a partir do estudo de caso do movimento iniciado pelo Parent in Science, como forma de política de superação das desigualdades de gênero na Academia, a fim de contribuir para o avanço da educação profissional e produção científica das mulheres mães. O estudo inclui reflexão crítica sobre o recorte de raça dentro do escopo das desigualdades de gênero levantadas. O método de pesquisa utilizado é o exploratório, com recursos bibliográficos e viés dialético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Almeida, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda em Estados Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo pela Universidade Federal da Bahia. Mestre em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Advogada. Mãe da Elis. Licença-maternidade em 2019.

Mônica Müller, Agência de Fomento do Estado do Rio de Janeiro S.A

Mestre em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2016-2018), na linha de pesquisa Estado, Constituição e Políticas Públicas. Promotora Legal Popular pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2018). Especialista em Direito Processual e Gestão Jurídica pelo IBMEC (Pós- Graduação Iato sensu 2015) e em Direito Constitucional pela Universidade Anhanguera-Uniderp (2011). Advogada (2009). Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2009). Mãe da Rosa e do Caio, licença-maternidade em 2016 e 2018.

Edna Hogemann, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora Associada do Curso de Direito da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Decana da Escola de Ciências Jurídicas da ECJ-UNIRIO. Coordenadora do GPDHTS vinculado ao PPGD/UNIRIO e do Projeto de Extensão Liga de Direito e Literatura (LADIL) vinculado à ECJ-UniRio. Membro da Comissão de Bioética da OAB/RJ e da GGINNS.

Referências

AYMORE, Débora. Resenha do livro de Sandra Harding: “Objetividade forte como alternativa à ciência livre de valores”. Scientle Studis, São Paulo, v. 15, nº. 01, p. 175-86, 2017. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ss/article/view/133650/129622 . Acesso em: 03 de jan. 2022.

ARAÚJO, Lígia Mara Boin Menossi de. MANZANO, Luciana Carmona Garcia. Identidades e (não)lugares da maternidade na ciência: discursos e contra-discursos nas mídias contemporâneas. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), v. 49, n. 3, p. 1185-1199, dez. 2020. Disponível: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/2644/1884. Acesso em: 5 nov. 2021.

ÁVILA, Maria Betânia. Modernidade e cidadania reprodutiva. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019, p. 163-176.

BARRETO, P; RIOS, F; NEVES, P.; SANTOS, D. A produção das ciências sociais sobre as relações raciais no Brasil entre 2012 e 2019. BIB, São Paulo, n. 94, 2020, pp. 1-35. Disponível em: http://anpocs.com/images/BIB/n94/Bib94_Paula1.pdf . Acesso em: 14 maio 2021.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

BITENCOURT, Silvana Maria. Candidatas à ciência: a compreensão da maternidade na fase do doutorado. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, p. 340. 2011. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/95888/290511.pdf?sequence=1&isAllowed=y . Acesso em: 08 jan. 2022.

BITENCOURT, Silvana Maria. Maternidade e carreira: reflexões de acadêmicas na fase de doutorado. Jundiaí: Paco, 2013.

BRASIL. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 10 de janeiro de 2003.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 30 de agosto de 2012.

BRASIL. Decreto Lei 13.536 de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre a prorrogação dos prazos de vigência das bolsas de estudo concedidas por agências de fomento à pesquisa nos casos de maternidade e de adoção. Brasília: Diário Oficial da União, 18 dez. 2017.

CHANTER, Tina. Gênero: conceitos-chave em filosofia. Trad. Vinicius Figueira; rev. tec: Edgar da Rosa Marques - Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 1, 2002.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 01, jan./abr. 2016, p. 99-127. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/MZ8tzzsGrvmFTKFqr6GLVMn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 04 jan. 2022.

HARDING, Sandra. “Strong objectivity and socially situated Knowledge”. In: HARDING, Sandra. Whose Science? Whose knowledge? New York: Cornell University Press, 1991.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos Feministas, nº. 01, 1993, p.7-32. Disponível em: http://www.legh.cfh.ufsc.br/files/2015/08/sandra-harding.pdf . Acesso em: 03 jan. 2022.

HARDING, Sandra. “Rethinking Standpoint Epistemology: What is Strong Objectivity?”. In: KELLER, Evelyn Fox & LONGINO, Helen E, (eds.), Feminism & Science, Oxford: Oxford University Press, 1996, pp. 235-248.

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Trad. Ana Luiza Libânio. 1 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

MAGALHÃES, Ana Maria da Silva. REAL, Giselle Cristina Martins. A evasão no contexto da expansão da pós-graduação stricto sensu: uma discussão necessária. Revista do Centro de Ciências da Educação, Florianópolis. v. 38, n. 2, p. 01-18. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2020.e62019/pdf . Acesso em: 08 jan. 2022.

MATOS, Marlise. Epistemologias crítico-feministas de gênero e raça: contribuições e desafios para as ciências e a pesquisa no Brasil. In: MIGUEL, Luis Felipe. BALLESTRIN, Luciana (org.). Teoria e política feminista: contribuições ao debate sobre gênero no Brasil. Porto Alegre: Zouk, 2020.

MÜLLER, Mônica Sirieiro Abreu. O impacto da maternidade na academia: Uma análise multidisciplinar nos campos do Direito e das Políticas Públicas sobre as mães em universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2018.

MÜLLER, Mônica Sirieiro Abreu; ALMEIDA, Eliane Vieira Lacerda. Mães formadas em direito no Estado do Rio de Janeiro: um estudo sobre o impacto da pandemia de Covid-19 e do uso das tecnologias de comunicação e informação nas rotinas profissional e familiar das mulheres. In: Simpósio Brasileiro sobre Maternidade e Ciência, 3., 2022. Anais [...]. s.l., Parents in Science, 2022. Disponível em: https://eventos.congresse.me/iiisbmc-pis/edicoes/iii-simposio-brasileiro-sobre-maternidade-e-ciencia-3-edicao/anais. Acesso em: 29 mar. 2022.

PARENT IN SCIENCE. Produtividade acadêmica durante a pandemia: Efeitos de gênero, raça e parentalidade. 2020. Disponível em: https://327b604e-5cf4-492b-910b-e35e2bc67511.filesusr.com/ugd/0b341b_81cd8390d0f94bfd8fcd17ee6f29bc0e.pdf?index=true . Acesso em: 04 jan. 2022.

PARENT IN SCIENCE. Relatório de atividades 2016-2021. 2021. Disponível em: https://327b604e-5cf4-492b-910b-e35e2bc67511.filesusr.com/ugd/0b341b_be4c284828694041803db8f8aa86d259.pdf . Acesso em: 04 jan. 2022.

RIBEIRO, DJAMILA. Feminisno negro como perspectiva emancipatória. In: TELES, Maria Amélia de Almeida; SANTIAGO, Flávio; FARIA, Ana Lúcia Goulart de (Orgs.). Porque a creche é uma luta das mulheres? Inquietações femininas já demonstram que as crianças pequenas são de responsabilidade de toda a sociedade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018, 65-90.

SILVA, Juliana Marcia Santos. Mães negras na pós-graduação: uma abordagem interseccional. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo). Universidade Federal da Bahia. Salvador, p. 150. 2020. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/32119/1/Juliana%20Marcia%20Santos%20Silva.pdf . Acesso em: 07 jan. 2022.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Creche em tempos de perdas de direitos! In: TELES, Maria Amélia de Almeida; SANTIAGO, Flávio; FARIA, Ana Lúcia Goulart de (Orgs.). Porque a creche é uma luta das mulheres? Inquietações femininas já demonstram que as crianças pequenas são de responsabilidade de toda a sociedade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018, 163-179.

VIEIRA, Andréa Lopes da Costa. Ações afirmativas: construção, implementação e institucionalização. uma análise das propostas de ação afirmativa nos programas nacionais de direitos humanos (1996-2002). In: Encontro Anual da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Ciências Sociais, 30., 2006, Caxambu, MG. Anais [...]. São Paulo: ANPOCS, 2006. Disponível em: http://anpocs.org/index.php/encontros/papers/30-encontro-anual-da-anpocs/gt-26/gt20-22/3422-avieira-acoes-afirmativas/file . Acesso em: 14 maio 2021.

ZANELLO, Valeska. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. 1 ed. Curitiba: Appris, 2018.

Publicado
2022-11-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 52
  • PDF downloads: 33
Como Citar
Almeida, E., Müller, M., & Hogemann, E. (2022). A produção científica e a maternidade sob a ótica epistemológica da objetividade forte . Plurais - Revista Multidisciplinar, 7, 1-19. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.13908
Seção
Dossiê Temático: Mulheres na Educação Profissional e Tecnológica