Evolução do ensino competencial

uma comparação entre os documentos europeu e brasileiro

Palavras-chave: Ensino Competencial, Competências-chave, Competências gerais, BNCC

Resumo

Neste trabalho, é apresentada uma análise da evolução do ensino competencial, desde os primeiros estudos sobre o conceito de competência até as definições atuais, considerando especificamente os cenários - europeu e brasileiro. No contexto europeu, são abordados os estudos realizados em projetos da OCDE e da UNESCO, que se iniciaram na década de 1990, em particular o DeSeCo e o Relatório Delors. No Brasil, são analisados os documentos oficiais do governo federal, começando pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1996, e culminando na Base Nacional Comum Curricular. Os quatro pilares básicos propostos no Relatório Delors são identificados nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental Maior. Tomando como base os documentos oficiais do Parlamento Europeu que instituíram as competências chave para a educação na comunidade europeia, e as competências gerais apresentadas na Base Nacional Comum Curricular, são discutidas as semelhanças entre as definições presentes nos dois documentos, sendo encontrada uma relação direta entre as competências digitais e culturais e cívicas nos dois documentos, uma relação indireta entre as competências linguística, matemática, científica e tecnológica, e pontos em comum em outras competências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iramaia Jorge Cabra de Paulo, Universidade Federal do Mato Grosso

Pós-Doutora em Física (Université Libre de Bruxelles). Professora Associada e coordenadora do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (UFMT). Editora da Revista Experiências em Ensino de Ciências. E-mail: ira@if.ufmt.br

Silvana Perez, Universidade Federal do Pará

Doutora em Física (USP). Pós-Doutora em Didática das Ciências (Universidad de Burgos). Professora Titular e vice-coordenadora do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (UFPA). Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Ensino de Física (UFPA). E-mail: silperez_1972@hotmail.com

Clara Elena S. Tabosa, Universidade Federal do Pará

Mestranda em Educação (UFPA). Membro do Grupo de Pesquisa em Ensino de Fisica (UFPA). E-mail: clara.taboza@gmail.com

Referências

ADADA, F. Estudo sobre a percepção do discente sobre as metodologias ativas na educação superior. 2017. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Comunicação e Artes, UNIOESTE, Cascavel.

ANDRADE, M. do C. F. A formação de professores para o Ensino Profissional e Tecnológico mediado pela metodologia por competências - a partir dos anos 70. 2015. 268f. Dissertação (Mestrado em Ensino Tecnológico) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, IF-AM, Manaus.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília, 1996. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf> Acesso em: 16 jun 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais. Brasília, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/resolucao_ceb_0298.pdf> Acesso em: 16 jun 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC/SEMTEC, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. PCN+ Ensino Médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf> Acesso em: 20 jun 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base> Acesso em: 16 jun 2021.

CANÃL, P. Saber ciencias no equivale a tener competencia profesional para enseñar ciencias. In: PEDRINACI, E. (Coord.). El desarrollo de la competencia científica. Barcelona: Graó, 2012. p. 217-239.

DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 1998.

FRAIHA, S. et al. Atividades investigativas e o desenvolvimento de habilidades e competências: um relato de experiencia no curso de Física da Universidade Federal do Pará. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 40, n. 4, 2018.

FREIRE, P. A propósito de uma administração. Recife: Ed. Imprensa universitária, 1961.

GASPAR, A. Cinqüenta anos de ensino de física: muitos equívocos, alguns acertos e a necessidade do resgate do papel do professor. In: XV Encontro de Físicos do Norte e Nordeste, 1995, Natal-RN. Anais..., 1995. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2011.

LIMA, M.; MACEDO, M.; LEMOS, S. As diretrizes curriculares nacionais – 1998 e o Plano Nacional de Educação 2001 – 2010. Revista Multidisciplinar de Psicologia, v. 41, n. 12, p. 825-834, 2018.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Definition and Selection of Competences (DeSeCo Strategy Paper): theoretical and conceptual foundations, 2002. Disponível em: < https://www.deseco.ch/bfs/deseco/en/index/02.html> Acesso em: 16 jun 2021.

PARLAMENTO EUROPEU. Recomendación del Parlamento Europeo y del Consejo sobre las competencias para el aprendizaje permanente. Diario Oficial de La Unión Europea, 2006. Disponível em: <https://eurlex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2006:394:0010:0018:ES:PDF> Acesso em: 16 jun 2021.

MACHADO, L. A institucionalização da Lógica das Competências no Brasil. Revista Pro-Posições, v. 13, n. 1, p. 92-110, jan. 2002.

OLIVEIRA, A. F. Políticas públicas educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. In: OLIVEIRA, A. F.; PIZZIO, A.; FRANÇA, G. (Orgs.) Fronteiras da educação: desigualdades, tecnologias e políticas. Goiás: Editora da PUC Goiás, p. 93‐99, 2010.

ORTIZ-REVILLA, J.; GRECA, I. M.; ADÚRIZ-BRAVO, A. La educación STEAM y el desarrollo competencial em la educación primaria. In: GRECA, I. M.; MENESES-VILLAGRÁ, J. A. (Coords.). Proyectos STEAM para la educación primaria. Barcelona: Dextra Editorial, 2018.

RICARDO, E. C. Discussões acerca do ensino por competências: problemas e alternativas. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 140, p. 605-628, 2010.

SANTOS, S. L. O. As políticas educacionais e a reforma do estado no Brasil. 2010. 122p. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) ‐ Universidade Federal Fluminense, UFF, Niterói.

SAVIANI, D. Política educacional brasileira: limites e perspectivas. Revista de Educação PUC Campinas, n. 24, p. 07-16, jun. 2008.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política Educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SILVA, M. R.; ABREU, C. B. M. Reformas pra quê? As políticas educacionais nos anos de 1990, o “novo projeto de formação” e os resultados das avaliações nacionais. Revista Perspectiva, v. 26, n. 2, p. 523-550, jul. 2008.

ZABALA, A.; ARNAU, L. 11 Ideas Clave: cómo aprender y enseñar competencias. Barcelona: Ed. Graó, 2007.

Publicado
2021-07-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 187
  • HTML downloads: 3
Como Citar
Paulo, I. J. C. de, Perez, S., & Tabosa, C. E. S. (2021). Evolução do ensino competencial: uma comparação entre os documentos europeu e brasileiro. Plurais Revista Multidisciplinar, 6(2), 81-102. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.12205
Seção
Dossiê Temático