Diálogos sobre a socioeducação em tempos de pandemia

Palavras-chave: Jovens em restrição e privação de liberdade, Socioeducação, Diálogos

Resumo

Nosso objetivo com este texto é convidar a uma reflexão crítica que visa auxiliar no processo de compreensão quanto às práticas socioeducativas, em especial, no atual contexto decorrente da pandemia causada pelo coronavírus (covid-19), momento em que os jovens em regime de privação de liberdade se viram desprovidos de qualquer forma de acesso à educação. Para tanto, os estudos foram realizados sob a ótica dos diálogos estabelecidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE) e da discussão sobre as possibilidades metodológicas de manutenção do processo educativo para esses jovens. Com o intuito de garantir sua sustentação, buscou-se aporte teórico em estudiosos como Antônio Costa, para debater sobre as concepções de socioeducação, Paulo Freire e seus ensinamentos sobre dialogicidade, educação cidadã, libertadora e/ou emancipatória e Elenice Onofre, dentro do viés da educação como inclusão social, utilizando ferramentas da pesquisa bibliográfica, em que se procurou correlacionar as teorias defendidas pelos respectivos autores e as práticas vivenciadas, tomando por base o Centro de Atendimento Socioeducativo de Cuiabá–MT (CASE/MT). A partir das análises reflexivas, os resultados apontam a necessidade premente de aprimorar o entrelaçamento entre as concepções teóricas apresentadas, as normatizações vigentes e as práticas sociopedagógicas, pois só assim será possível garantir um efetivo processo para a reinserção do jovem na sociedade, balizada numa prática que busca evitar reincidências, uma vez que as ferramentas socioeducativas ainda se mostram como o melhor instrumento para auxiliar na emancipação dos jovens em privação de liberdade e, por conseguinte, atuar na transformação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Aparecida da Silva Nunes Miranda, Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Doutorado em Educação (UFSCar). Núcleo de Estudos e Pesquisa Emancipatória em Linguagem (Nepel/UFMT) e integrante do Núcleo de Investigação e Práticas em educação nos espaços de restrição e privação de liberdade (EduCárceres/UFSCar). E-mail: katia-nmiranda@hotmail.com

Clóris Violeta Alves Lopes, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar). Doutorado em Educação (UFSCar); Núcleo de
Investigação e Práticas em educação nos espaços de restrição e privação de liberdade (EduCárceres/UFSCar).
E-mail: cloris-carlos@uol.com.br

Referências

BRASIL. Lei nº 8.069/1990. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Brasília/DF, 1990.

BRASIL. Lei 12.594/2012. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). Brasília/DF: Casa Civil, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12594.htm. Acesso em: 30 dez. 2020.

BRASIL. CNJ. Conselho Nacional de Justiça. Orientação técnica para inspeção pelo Poder Judiciário dos espaços de privação de liberdade no contexto da pandemia. 2020. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2020/05/Orienta%C3%A7%C3%A3o-CNJ-Final.pdf. Acesso em: 30 dez. 2020.

BRASIL. CONANDA. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Recomendações do CONANDA para a proteção integral a crianças e adolescentes durante a pandemia do covid-19. 2020b. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/legis/covid19/recomendacoes_conanda_covid19_25032020.pdf. Acesso em: 30 dez. 2020.

BRASIL. CNE/CP. PARECER Nº 5/2020, de 28 de abril de 2020 sobre reorganização dos calendários escolares e realização de atividades pedagógicas não presenciais durante o período de pandemia da COVID-19. Disponível em: https://undime.org.br/noticia/30-04-2020-19-39-cne-divulga-parecer-comorientacoes-sobre-a-reorganizacao-do-calendario escola atividades pedagogicas-nao-presenciais-em-razao-da-pandemia-da-covid-19. Acesso em: 6 nov. 2020.

COSTA, A. C. G. da. Pedagogia da Presença: da Solidão ao Encontro. Belo Horizonte, MG: Modus Faciendi, 2001.

COSTA, A. C. G. Os regimes de atendimento no estatuto da criança e do adolescente: perspectivas e desafios. Secretaria Especial de Direitos Humanos. 2004.

CHIARA, I. D. et al. Normas de documentação aplicadas à área de Saúde. Rio de Janeiro: Editora E-papers, 2008.

DICK, Bob. Como conduzir e relatar a pesquisa-ação. In: Richardson, R. J. Pesquisa-ação Princípios e Métodos, João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano; JULIAO, Elionaldo Fernandes. A educação na prisão como política pública: entre desafios e tarefas. Educ. Real. [online]. vol.38, n.1, p. 51- 69, 2013.

ONOFRE, E. M. C. Educação Escolar para Jovens e Adultos em Situação de Privação de Liberdade. Cad. Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 239-255, maio-ago, 2015.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação (SEDUC). Aprendizagem Conectada. Disponível em: http://www.aprendizagemconectada.mt.gov.br/ensino-fundamental. Acesso em: 06 nov. 2020.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2011.

Publicado
2021-05-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 146
  • Html downloads: 4
Como Citar
Miranda, K. A. da S. N., & Lopes, C. V. A. (2021). Diálogos sobre a socioeducação em tempos de pandemia . Plurais Revista Multidisciplinar, 6(1), 208-219. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.10606