Insetos (Insecta Linnaeus, 1758) presentes em grafites da cidade de Salvador, Bahia, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59360/ouricuri.vol13.i2.a18795

Palavras-chave:

arte urbana, etnoentomologia, etnobiologia, zoologia cultural

Resumo

Os insetos são organismos presentes nos mais variados ambientes e dominam praticamente todos os habitats do planeta. Até mesmo nas artes urbanas podemos encontrá-los através de representações artísticas, entre elas, o grafite. No presente trabalho, foram inventariados desenhos ilustrando diversos grupos de insetos existentes espalhados pela cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Além da busca ativa por painéis de grafite nos bairros de Salvador, utilizamos a rede social Instagram para coletar esses dados. Entre os resultados obtidos, os seguintes grandes grupos taxonômicos foram observados: Coleoptera, Lepidoptera, Diptera, Hymenoptera, Hemiptera e Odonata. Podemos concluir que os insetos estão muito representados, sendo a ordem Lepidoptera a mais numericamente destacada. O estudo em questão demonstra a importância zoocultural que a classe Insecta representa para a sociedade, cultura e arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caique Dantas, Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Laboratório de Sistemática de Insetos, Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Eraldo Medeiros Costa Neto, Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Laboratório de Etnobiologia, Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Elidiomar Ribeiro Da-Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Laboratório de Entomologia Urbana e Cultural, Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Referências

Blauth, L.; Possa, A. C. K. Arte, grafite e o espaço urbano. Palíndromo, Florianópolis, v. 4, n. 8, p. 1-18, jan/jun, 2012.

Brasil, L. S.; Vilela, D. S. Peculiaridades regionais na percepção de brasileiros sobre libélulas: nomenclatura popular e conservação. Hetaerina Boletín de la Sociedad de Odonatología Latinoamericana, v.1, n.1, p.15-20, 2019.

Brito, L. G. et al. Manual de identificação, importância e manutenção de colônias estoque de dípteras de interesse veterinário em laboratório. Porto Velho, RO: Embrapa Rondônia, 2008. 25 p.

Costa Neto, E. M. A ertnocategoria “inseto” e a hipótese da ambivalência entomoprojetiva. Acta Biológica Leopoldensia 21 (1): 7-14, 1999.

Costa Neto, E. M. Etnoentomologia no povoado de Pedra Branca, município de Santa Terezinha, Bahia. Um estudo de caso das interações seres humanos/insetos. Tese de Doutorado. Universidade Federal de São Carlos, São Paulo. 2003.

Costa Neto, E. M. The use of insects in folk medicine in the state of Bahia, Northeastern Brazil, with notes on insects reported elsewhere in Brazilian folk medicine. Human Ecology, 30(2): 245-263. 2002.

Cruz, D. M; Costa, M.T. “Grafite e pichação – Que comunicação é esta? ” LINHAS, Florianópolis, v. 9, n. 2, 2008, p. 95 – 112.

Da-Silva, E. R.; Silva, T. B. N. R. Urbanidades zoológicas: o Beco do Batman. A Bruxa 3(2): 21-34, 2019.

Falcón B.; Garcia C. Graffiti Salvador. 1. Ed. – Salvador, Bahia: Pinaúna, 2014.

Ferreira-JR, N et al. Ordem Coleoptera. En: Hamada, N., J. L. Nessimian y R. B. Querino, editores. Insetos aquáticos na Amazônia brasileira: taxonomia, biologia e ecologia. Manaus, Brazil: Editora do INPA. p. 349-376. 2014.

Gitahy, C. O que é graffiti. São Paulo: Brasiliense. 1999.

Gullan, P. J.; Cranston, P.S. Insetos: Fundamentos da Entomologia. 5. ed. São Paulo: Roca, p. 460. 2017.

Hogue, C. L. Commentaries in cultural entomology. 1. Definition of cultural entomology. Entomological News. 91(2):33–36, 1980.

Hogue, C. L. Cultural Entomology. Annu. Rev. Entomol. 32:181–99, 1987.

Hossie, T. J; Sherratt, T. N. Does defensive posture increase mimetic fidelity of caterpillars with eyespots to their putative snake models? Current Zoology. 60 (1): 76–89, 2014.

Klein, B. A.; Brosius T. R. In press. Insects in art during an age of environmental turmoil. In A Cultural History of Insects in the Modern Age. London: Bloomsbury Publ. 2007.

Klein, B. A. Wax, Wings, and Swarms: Insects and their Products as Art Media. Annu. Rev. Entom. DOI: 10.1146/annurev-ento-020821-060803. 2021.

Lenko, K.; Papavero, N. Insetos no folclore. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1996.

Marques J. G. W. Pescando pescadores. Ciência e etnociência em uma perspectiva ecológica. São Paulo: NUPAUB, 258 p. 2001.

Monserrat, V. J.; AGUILAR J. Sobre los artrópodos en el Grafiti Ibérico, Boletín de la Sociedad Entomológica Aragonesa, 41: 497 – 509, 2007.

Monné M. L.; Costa C. Coleoptera in Catálogo Taxonômico da Fauna do Brasil. PNUD. Available in: . Access at: 14 April. 2022. 2022.

Ruppert, E.; Barnes, R. D. Zoologia dos Invertebrados. 6ª ed. Roca Ed. São Paulo. 1029 p. 1996.

Salgado-Neto, G. Lepidópteros do Brasil (agenda de campo): 1-83. Rede de Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária, Viçosa. 2010.

Santos-Fita et al. “Constitution of ethnozoological semantic domains: meaning and inclusiveness of the lexeme "insect" for the inhabitants of the county of Pedra Branca, Bahia State, Brazil. ” Anais da Academia Brasileira de Ciencias 83 2 (2011): 589-98.

Scarabs. In: Redford, Donald B (Org.). The Oxford Encyclopaedia of Ancient Egypt. v. 3. Oxford: Oxford University Press, 2001b.

Silva, T.F.P.; Costa-Neto, E. M. Percepção de insetos por moradores da comunidade de Olhos d'Água, município de Cabaceiras do Paraguaçu, Bahia, Brasil. Boletim da Sociedade Entomológica Aragoneza, 35, 261-268, 2004.

Silva-e-Silva, W. da. Graffitis em múltiplas facetas: definições e leituras iconográficas. São Paulo: Annablume, 2011

Silva-e-Silva, W. da. A história do desenvolvimento do grafite urbano contemporâneo nos Estados Unidos de 1965 a 1979. (Syn) Thesis (Rio de Janeiro), v. 7, p. 217-229, 2015.

Triplehorn, C. A.; Johnson, N. F. Estudo dos insetos: tradução da 7ª edição de Borror and Delong’s introduction to the study of insects. São Paulo, Cengage Learning, 809p. 2011.

Trueman, J. W. H. A brief history of the classification and nomenclature of Odonata. Zootaxa, p.381-394, 2007.

Uehara-Prado, M.; et al. Species richness, composition and abundance of fruit-feeding butterflies in the Brazilian Atlantic Forest: comparison between a fragmented and continuous landscape. Global Ecology and Biogeography, 16: 43-54. 2007.

Valoto, A. D.; Rondo, M. C. Apicultura. 2-3 p. 2007.

Zhang, Z. Q. et al. Animal biodiversity: An outline of higher-level classification and survey of taxonomic richness. ZOOTAXA, Auckland, New Zealand, n. 3148. Magnolia Press, p. 101. 2011.

Downloads

Publicado

2023-10-12

Como Citar

DANTAS, C.; MEDEIROS COSTA NETO, E.; RIBEIRO DA-SILVA, E. Insetos (Insecta Linnaeus, 1758) presentes em grafites da cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Revista Ouricuri, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 03–24, 2023. DOI: 10.59360/ouricuri.vol13.i2.a18795. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/ouricuri/article/view/18795. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS