Tradição Oral das Rezas Populares e a Simbologia de Elementos Linguísticos e Performáticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59360/ouricuri.vol13.i2.a18203

Palavras-chave:

Práticas culturais; rezadeiras; oralidade.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a função de mecanismos da oralidade nas práticas socioculturais de rezadeiras, haja vista a prevalência de tal modalidade da língua na realização, preservação e difusão dos rituais de cura. O corpus é constituído do vídeo intitulado “Benzedeiras”, de Sílvia Batista Godinho, exibido no programa Sala de Notícias do Canal Futura. O aporte teórico em que as análises se fundamentam origina-se de Calvet (2011); Câmara (2020); Câmara e Fialho (2021); Câmara et al (2016); Gomes (2017); Cunha (2018); Nascimento (2002); Nascimento (2010); Vanoye (2018); Vasconcelos (1975). Quanto à metodologia, este trabalho se caracteriza pela utilização do enfoque qualitativo, sendo empregadas a pesquisa bibliográfica e a documental como procedimentos para a coleta de dados. Os resultados revelam que, embora se reconheça a existência de uma oralidade secundária, as rezas analisadas expõem a prevalência de recursos próprios da modalidade oral, a exemplo dos enunciados curtos, em linguagem informal, das repetições de palavras e, principalmente, do interlocutor presente na situação discursiva e da definição de fatores como tempo e lugar, sendo que esses elementos citados foram manejados tendo em vista a salvaguarda da memória e das identidades das classes populares. Conclui-se que elementos linguísticos e performáticos, utilizados nas preces das curandeiras, materializam a força resistente da tradição oral, que ultrapassa culturas e gerações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Romana de Fátima Macedo Gomes, IF Sertão Pernambucano - Campus Petrolina

Doutora em Letras, na linha de pesquisa Discurso, Memória e Identidade (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte); Mestra em Educação e Cultura (Universidade do Estado da Bahia); Especialista em Programação do Ensino de Língua Portuguesa (Universidade de Pernambuco); Graduada em Letras (UPE); é docente do Instituto Federal do Sertão Pernambucano e da Autarquia Educacional Vale do São Francisco.

Roviane Oliveira Santana, Instituto Federal do Sertão Pernambucano

Mestra em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos pela Universidade do Estado da Bahia (2017).Graduada em Letras-Português pela Universidade de Pernambuco (2010) e em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia (2004). Atualmente, é Pedagoga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IFSertãoPE - Campus de Santa Maria da Boa Vista, tendo atuado, dentre outras experiências profissionais, como Analista Universitário do Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais, Campus III, da Universidade do Estado da Bahia (2009 a 2020). 



Referências

Canal Futura. Benzedeiras. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7fSJ6yp8bHU. Acesso em: 08 out. 2015.

Calvet, L. J. Tradição oral e tradição escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

Gomes, R. de F. M. Vozes no silêncio: um estudo sobre identidade e memória de Quilombo na perspectiva do letramento (Sítio Boa Vista – Afrânio/PE), Bahia, Brasil. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos) – Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro. 2017.

Câmara, Y. R. Das bruxas, saludadoras, santeiras, cuspideiras e meigas europeias às atuais rezadeiras tradicionais brasileiras. Caminhos, Goiânia, v. 18, n. 2, 502-514, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.18224/cam.v18i2.8074. Acesso em: 20 jul.2023.

Câmara, Y. R.; Sanz-Mingo, C.; Câmara, Y. M. R. Das bruxas medievais às benzedeiras atuais: a oralidade como manutenção da memória na arte de curar – uma pesquisa exploratória. Boitatá, Londrina, v. 11, n. 22, p. 221-236, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.5433/boitata.2016v11.e31288. Acesso em: 20 jul.2023.

Câmara, Y. R.; Fialho, L. M. O papel sanitário das rezadeiras brasileiras outrora e agora: ressignificações e continuidades. ECCOS Revista Científica, São Paulo, n. 59, p. 1-19, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.5585/eccos.n59.14185. Acesso em: 20 jul.2023.

Cunha, C. G. A prática da benzedeira: memória e tradição oral em terras mineiras. 169 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana. 2018.

Nascimento, A. do. O Quilombismo. 2. Ed. Brasília/Rio de Janeiro: Fundação Palmares/OR Editor Produtor, 2002.

Nascimento, D. G. Tradições discursivas orais: mudanças e permanências nas rezas de cura e benzeduras populares da região de Itabaiana. 157 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Ensino) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. 2010.

Vanoye, F. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. 14. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2018.

Vasconcelos, J. L. de. Cancioneiro popular português, 1975

Downloads

Publicado

2023-10-06

Como Citar

MACEDO GOMES, R. de F.; OLIVEIRA SANTANA, R. Tradição Oral das Rezas Populares e a Simbologia de Elementos Linguísticos e Performáticos. Revista Ouricuri, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 03–19, 2023. DOI: 10.59360/ouricuri.vol13.i2.a18203. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/ouricuri/article/view/18203. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS