Ocupação da terra e uso dos recursos naturais em comunidade de agricultores familiares da transamazônica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59360/ouricuri.vol13.i2.a17182

Palavras-chave:

etnobiodiversidade, práticas agrícolas, recursos naturais, produção sustentável, etnoecologia aplicada

Resumo

Considera-se que o modelo de desenvolvimento que predomina na Amazônia se caracteriza por uma profunda desigualdade social. Uma solução viável para a sustentabilidade da região é a agricultura familiar. Visando contribuir com a compreensão da importância dela para populações amazônicas, o presente trabalho analisa o histórico de ocupação de uma comunidade e do seu convívio com a floresta. A área de estudo é a comunidade Nossa Senhora Imaculada da Conceição, Altamira – PA. Ela foi estudada, entre 2019 e 2022, por observação participante, pesquisa documental e entrevistas com moradores. Sua fundação ocorreu na década de 1970, sob influência da inauguração da Rodovia Transamazônica. Moradores antigos relataram que, quando chegaram no território, havia a presença de povos indígenas, os quais se afastaram dali, durante a demarcação de lotes. Na década de 1990, o INCRA deu acesso às famílias assentadas a algumas políticas públicas. Mesmo assim, várias dificuldades causaram a desistência de muitas delas, dentre as quais, a precariedade das condições de acesso. Os moradores que persistiram cultivaram, inicialmente, arroz, feijão e milho. Atualmente é frequente plantar cacau, açaí, coco e bananeiras. O plantio de reposição de frutíferas é também comum. Plantas de interesse extrativista com origens das florestas citadas foram: açaí (Euterpe oleracea M.), bacaba (Oenocarpus bacaba M.), castanheira (Bertholletia excelsa Humboldt & Bonpland) e andiroba (Carapa guianensis Aublet). Dentre os mamíferos mencionados estão: tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla L.), guariba (Alouatta sp. Lacépède), onça-pintada (Panthera onca L.), queixada (Tayassu pecari Link) e paca (Cuniculus paca L.). Além do que, moradores apontaram a ocorrência de 36 etnoespécies de aves silvestres e 15 de peixes de igarapé. A comunidade abriga um mosaico de paisagens, incluindo corredores ecológicos entre as áreas florestadas, as quais são fragmentadas pelas pastagens. Portanto, a agricultura familiar promove o sustento de parcelas da sociedade e preserva amostras da etnobiodiversidade amazônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Adilane da Conceição Sousa, Universidade Federal do Pará

Licenciada em Etnodesenvolvimento pela Universidade Federal do Pará. Participa do Grupo de Etnoecologia Amazônica, tendo experiências com agroextrativismo na região da Transamazônica e do Xingu.

Valeria dos Santos Moraes-Ornellas, Universidade Federal do Pará

Professora adjunta da Universidade Federal do Pará. Licenciada em Ciências Biológicas (UFPR). Mestre em Ecologia (UNICAMP). Doutorada em Meio Ambiente e Desenvolvimento (UFPR). Pós-Doutorado em Ecologia e Educação Ambiental (UNICAMP) e em Ecologia Cultural e Etnoeducação (UFPA).

Fabíola Andressa Moreira Silva, Universidade Federal do Pará

Graduação em Engenharia Agronômica. Especialização em Educação, Diversidade e Sociedade. Mestrado em Biodiversidade e Conservação. Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal do Pará. Técnica de Desenvolvimento de Pesquisa Socioambiental, no Instituto Socioambiental (ISA/PA).

Renata Cristina de Lima-Gomes, Universidade Federal do Pará

Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará. Doutora pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/INPA, Ciências Biológicas com ênfase em Biologia de Água Doce e Pesca Interior (2017). Doutorado período sanduíche pelo Instituto Nacional del Limnología - INALI (Argentina) (2014). Mestrado em Ciências Biológicas com ênfase em Biologia de Água Doce e Pesca Interior pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/INPA (2013). Especialização em Biologia Marinha pela Universidade de Taubaté (2007). Graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura Plena) pela Universidade de Taubaté (2005). 

Referências

Alves, L. A.; Linhares, L. G.; Câmara, L. M. A.; Linhares, M. G.; Oliveira, J. C. G.; Lima, D. F. Características fitoquímicas e capacidade antioxidante de Tabebuia caraíba (Caraibeira). Diversitas Journal, 6(2), 2270-2284, 2021.

Buckup, P. A.; Menezes, N. A.; Ghazzi, M. S. Catálogo das espécies de peixes de água doce do Brasil. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 2007.

Calandino, D.; Wehrmann, M.; Koblitz, R. Contribuição dos assentamentos rurais no desmatamento da Amazônia: um olhar sobre o estado do Pará. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 26, 161-170, 2012.

Carvalho, D. A.; Xavier, K. A. S.; Souza, M. F.; Blamires, D. Conhecimento ecológico local de produtores rurais sobre biodiversidade e impactos ambientais nas vegetações ripárias em Diorama, estado de Goiás. Ethnoscientia, 4, 1-8, 2019.

Chaves, W. A.; Silva, F. P. C.; Constantino, P. A. L.; Brazil, M. V. S.; Drumond, P. M. A caça e a conservação da fauna silvestre no estado do Acre. Biodiversidade Brasileira, 8(2), 130-148, 2018.

Cordeiro, C. B.; Araújo, M. L. M.; Silva, P. M. M.; Silva, L. R. M.; Silva, M. M. Composição florística em áreas de pastagens no Projeto de Assentamento Assurini, em Altamira, Pará. Enciclopédia Biosfera, 17(34), 114-124, 2020.

Costa, E. M. M. Mamíferos de médio e grande porte no contexto de assentamentos rurais no norte de Mato Grosso. Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, [S. l.], 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rp3/article/view/34172. Acesso em: 6 mar 2023.

Costa, F. A. Capoeiras, inovações e tecnologias rurais concorrentes na Amazônia. In: Costa, F. A.; Hurtienne, T.; Kahwage, C. (Org.). Inovações e Difusão Tecnológica para Sustentabilidade da Agricultura Familiar na Amazônia. Belém: UFPA/NAEA, 2006. p. 21-58.

Figueiredo, R. A. A.; Barros, F. B. Sabedorias, cosmologias e estratégias de caçadores numa unidade de conservação da Amazônia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 36, 223-237, 2016.

Frare, J. C. V.; Oliveira, I. A.; Freitas, L. Potencial agroecológico da agricultura familiar de comunidades ribeirinhas agroextrativistas do Marajó, Amazônia oriental. Unimar Ciências, 26(1-2), 41-53, 2017.

Freitas, M. A.; Lima, D. M.; Gomes, F. B. R. Registro de abate de gaviões-reais Harpia harpyja (Accipitridae) para consumo humano no Maranhão, Brasil. Atualidades Ornitológicas, 178,12-15, 2014.

Hurtienne, T. Agricultura Familiar na Amazônia Ocidental: uma comparação da pesquisa socioeconômica sobre fronteiras agrárias sob condições históricas e agroecológicas diversas. Novos Cadernos NAEA, 2(1), 75-84, 1999.

IBGE. Censo Agro 2017. 2017. Disponível em: https://censoagro2017.ibge.gov.br/2012-agencia-de-noticias/noticias/25786-em-11-anos-agricultura-familiar-perde-9-5-dos-estabelecimentos-e-2-2-milhoes-de-postos-de-trabalho.html#:~:text=A%20agricultura%20familiar%20encolheu%20no,a%20perder%20m%C3%A3o%20de%20obra. Acesso em: 17 abr. 2023.

Ingold, T. Chega de etnografia! A educação da atenção como propósito da antropologia. Educação, 39(3), 404-411, 2016.

Keplinger, K.; Laus, G.; Wurm, M.; Dierich, M. P.; Teppner, H. Uncaria tomentosa (Willd.) DC. – Ethnomedicinal use and new pharmacological, toxicological and botanical results. Journal of Ethnopharmacology, 64, 23-34, 1999.

Leal, P. F. Colonização dirigida na Amazônia: os malabarismos do dirigismo estatal e os parceleiros em descompasso com a lei – o caso do Projeto de Assentamento Rio Juma (AM). In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE SOCIOLOGIA RURAL, 8., 2010, Porto de Galinhas - BA. Anais [...]. Recife: ALASRU, 2010.p. 20.

Marchini, S. Dimensões humanas dos conflitos humano-fauna: a onça-pintada na fronteira de ocupação da Amazônia. In: Marchand, G.; Vander-Velden, F. V. (Orgs.). Olhares cruzados sobre as relações entre seres humanos e animais silvestres na Amazônia (Brasil, Guiana Francesa). Manaus: EDUA, 2017. p. 121-138.

Marques, J. P. A. A “observação participante” na pesquisa de campo em Educação. Educação em Foco, 19(28), 263-284, 2016.

Moraes-Ornellas, V. S. Ecologia e conservação de porcos-do-mato no conhecimento tradicional indígena: uma abordagem da etnociência na educação. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 8(3), 164-175, 2020.

Moraes-Ornellas, V. S. Observações sobre abordagens da fauna silvestre na Educação Ambiental crítica e transformadora. Revista Eletrõnica do Mestrado em Educação Ambiental, 39(3), 268-287, 2022.

Noda, H.; Noda, S. N. Agricultura familiar tradicional e conservação da socio biodiversidade amazônica. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, 4(6), 55-66, 2003.

Nolasco, A. M.; Viana, V. M. Resíduos florestais e sustentabilidade: revendo o sistema de produção florestal através de um estudo de caso sobre a Caixeta (Tabebuia cassinoides Lam. DC.). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, 1., 2004, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Instituto de Ciência e Tecnologia em Resíduos e Desenvolvimento Sustentável; e Núcleo de Informações em Saúde Ambiental/USP, 2004. p. 2427-2436.

Oliveira, A. C. Direitos e/ ou povos e Comunidade Tradicionais noções em disputa. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 27, 71-85, 2013.

Oliveira, A. C.; Beltrão, J. F.; Ribeiro, P. H. Etnodesenvolvimento: prática pedagógica na formação universitária de povos e comunidades tradicionais. Revista Exitus, 3(2), 109-121, 2013.

Oliveira, A. T. M.; Carnicer, C.; Paiva, H. N.; Costa, R. P.; Machado-Neto, A. P.; Melo, F. R.; Canale, G. R. Mamíferos de médio e grande porte: indicadores de zonas de amortecimento em reflorestamentos. Scientific Eletronic Archives, 12(5), 79-85, 2019.

Penitente, M. Cromossomos B: ocorrência nos peixes neotropicais e sua distribuição em Prochilodus lineatus. 162 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas – Genética) – Universidade Estadual Paulista, Botucatu. 2018.

Piacentini, V. Q.; Aleixo, A.; Agne, C. E.; Maurício, G. N.; Pacheco, J. F.; Bravo, G. A.; Brito, G. R. R.; Naka, L. N.; Olmos, F.; Posso, S.; Silveira, L. F.; Betini, G. S.; Carrano, E.; Franz, I.; Lees, A. C.; Lima, L. M.; Pioli, D.; Schunck, F.; Amaral, F. R.; Bencke, G. A.; Cohn-Haft, M.; Figueiredo, L. F. A.; Straube F. C. & Cesari, E. Aves do Brasil. Táxeus – Listas de Espécies. 2015. Disponível em: https://www.taxeus.com.br/lista/7439. Acesso em: 3 mar. 2023.

Ramos, R. M. Caça de subsistência e conservação na Amazônia (Reserva Extrativista Rio Xingu, Terra do Meio, Pará): ecologia da caça e avaliação de impactos na fauna. 199 f. Tese (Doutorado em Ecologia) – Universidade de Brasília, Brasília. 2013.

Reis, N. R.; Peracchi, A. L.; Pedro, W. A.; Lima, I. P. (Eds.). Mamíferos do Brasil. Londrina: Nélio R. dos Reis, 2006.

Rocha, C. G. S. Reprodução social e práticas socioprodutivas de agricultores familiares na microrregião de Altamira, Pará, Brasil. 202 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

Rocha, C. G. S. Reprodução Social e Práticas Socioprodutivas de Agricultores Familiares do Pará. Jundiaí: Paco editorial, 2016.

Rocha, C. G. S.; Silva, J. O. C. Ribeirinhos reassentados e as mudanças nos modos de vida: danos da hidrelétrica de Belo Monte do Rio Xingú, Pará. Nova Revista Amazônica, 10(2), 143-154, 2022.

Rocha, C. G. S.; Sousa, M. A. C.; Oliveira, M. S. Mudanças nos sistemas produtivos de agricultores familiares na microrregião de Altamira, Pará. Ethnoscientia, 7(2), 101-117, 2022.

Rodrigues, S. R.; Santos, D. R. S.; Silva, M. M.; Araujo, A.; Rocha, C. G. S. Composição florística de fragmento de floresta secundária em áreas de proteção permanente o Igarapé Dispensa, no Projeto de Assentamento Assurini em Altamira – Pará. Revista Biotemas, 33(1), 1-11, 2020.

Rosas, G. K. C.; Drumond, P. M. Caracterização da caça de subsistência em dois seringais localizados no estado do Acre (Amazônia, Brasil). Rio Branco: Embrapa, 2007.

Sandoval, M.; Okuhama, N.N.; Zhang, X.-J.; Condezo, L.A.; Lao, J.; Angeles, F.M.; Musah, R.A.; Bobrowski, P.; Miller, M.J.S. Anti-inflammatory and antioxidant activities of cat's claw (Uncaria tomentosa and Uncaria guianensis) are independent of their alkaloid content. Phytomedicine, 9(4), 325-337, 2002.

Santos, B. L. F. Presença e importância do tatu-canastra, Priodontes maximus (Kerr, 1792), em um dos últimos refúgios para a espécie na Mata Atlântica: o Complexo Florestal Linhares-Sooretama. 87 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Animal) – Universidade Federal do Espírito Santo, 2020.

Santos, N. K. F.; Mello, A. H.; Silva, J. S.; Araújo, E. V. N.; Amorim, I. A.; Matos, T. E. S.; Santos, J. S.; Oliveira, A. P. A ocupação territorial da Amazônia e do sudeste Paraense: políticas e projetos de desenvolvimento, reforma agrária e impactos socioambientais. Brazilian Journal of Development, 6(4), 18424-18439, 2020.

Schleder, E. J. D.; Aguiar, E. B.; Matias, R. Material didático: introdução à taxonomia e sistemática vegetal. Londrina: Científica, 2020.

Schmitz, H. Reflexões sobre métodos participativos de inovação na agricultura. In: Simões, A.; Silva, L.M.S.; Martins, P.F.S.; Castellanet, C. (Orgs.). Agricultura Familiar: Métodos e experiências de Pesquisa-Desenvolvimento. Belém: NEAF/CAP/UFPA, GRET, 2001. p. 39-99.

Silva, F. A. M. et al. Sistema Roça sem Queimar como modelo alternativo de manejo agroflorestal. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 9., 2013, Ilhéus – BA. Anais [...]. Ilhéus: SBSAF, 2013. p. 1-4.

Silva, L. R. P. et al. Agricultura familiar amazônica: sistema de produção – Ilha Compompema – Abaetetuba – PA. Fragmentos de Cultura, 25(2), 253-262, 2015.

Souza, L. A.; Freitas, C. E. C.; Souza, R. G. C. Relação entre guildas de peixes, ambientes e petrechos de pesca baseado no conhecimento tradicional de pescadores da Amazônia central. Boletim do Instituto de Pesca, 41(3), 633-644, 2015.

Tortato, F. R.; Ribas, C.; Concone, H. V. B.; Hoogesteijn, R. Turismo de observação de mamíferos no Pantanal. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 16(3), 351-370, 2021.

Vieira, T. A.; Rosa, L. S.; Vasconcelos, P. C. S.; Santos, M. M.; Modesto, R. S. Sistemas agroflorestais em áreas de agricultores familiares em Igarapé-Açu, Pará: caracterização florística, implantação e manejo. Acta Amazônica, 37(4), 549-558, 2007.

Vilas Boas, M. H. A.; Dias, R. Biodiversidade e turismo: o significado e importância das espécies-bandeira. Turismo e Sociedade, 3(1), 91-114, 2010.

Downloads

Publicado

2023-09-13

Como Citar

DA CONCEIÇÃO SOUSA, M. A.; MORAES-ORNELLAS, V. dos S.; MOREIRA SILVA, F. A.; DE LIMA-GOMES, R. C. Ocupação da terra e uso dos recursos naturais em comunidade de agricultores familiares da transamazônica. Revista Ouricuri, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 03–27, 2023. DOI: 10.59360/ouricuri.vol13.i2.a17182. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/ouricuri/article/view/17182. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS