PERCEPÇÕES SOBRE A BIOTRANSFORMAÇÃO DE MORCEGOS: UMA ABORDAGEM ETNOZOOLÓGICA COM ESTUDANTES EM JEQUIÉ, BAHIA, BRASIL

  • Itamar Soares Oliveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Grupo de Pesquisa em Ecologia e Conservação da Fauna-ECOFAU/CNPq
  • Lilian Boccardo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Grupo de Pesquisa em Ecologia e Conservação da Fauna-ECOFAU/CNPq
Palavras-chave: biotransformação, conhecimento tradicional, metodologia da solução de problemas.

Resumo

Este trabalho constitui-se de um recorte de uma pesquisa vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Formação de Professores (PPG-ECFP) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Para este relato, selecionamos as aulas relacionadas às compreensões dos estudantes sobre a percepção de biotransformação, mediante a crença comum no lócus da pesquisa de que "ratos quando envelhecem tornam-se morcegos". A atividade foi realizada em maio de 2013 em uma escola pública na cidade de Jequié, localizada na região sudoeste da Bahia, com uma turma de estudantes do 2º ano do Ensino Médio, com base na metodologia da solução de problemas. Os dados coletados emergiram das respostas que os estudantes apresentaram após analisarem uma situação-problema. Os resultados obtidos indicaram que quatro grupos tinham uma visão mitológica dos morcegos reconhecendo a biotransformação, enquanto três grupos reconheceram os animais como diferentes espécies (Mus musculus e Tadarida brasiliensis). Esta intervenção suscitou conhecimentos prévios dos estudantes no que se refere aos conteúdos trabalhados, problematizando-os e favorecendo a assimilação conceitual, forneceu informações que subsidiaram as aulas posteriores e contribuiu para o debate acerca das diferentes maneiras de explicar fenômenos biológicos, assim como a compreensão da relevância cultural destes para a comunidade local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Itamar Soares Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Grupo de Pesquisa em Ecologia e Conservação da Fauna-ECOFAU/CNPq
Licenciado em Pedagogia pela UESB. Mestre em Educação Científica e Formação de Professores PPG-ECFP/UESB. Grupo de Pesquisa em Ecologia e Conservação da Fauna-ECOFAU/CNPq. Av. José Moreira Sobrinho, s/n, Jequié, Bahia, CEP 45206-190. Tel: (73) 3528-9656. E-mail:
Lilian Boccardo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Grupo de Pesquisa em Ecologia e Conservação da Fauna-ECOFAU/CNPq
Doutora em Zoologia. Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Ciências Biológicas, Laboratório de Zoologia de Invertebrados, Grupo de Pesquisa em Ecologia e Conservação da Fauna. Av. José Moreira Sobrinho, s/n, Jequié, Bahia, CEP 45206-190. Tel: (73) 3528-9656.

Referências

ALBUQUERQUE, U. P. et al. (Org.). Povos e paisagens: etnobiologia, etnoecologia e biodiversidade no Brasil. Recife: NUPEEA/UFRPE, 2007.

BAPTISTA. G. C. S. A contribuição da etnobiologia para o ensino e a aprendizagem de ciências: estudo de caso em uma escola pública do estado da Bahia. 2007. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Universidade Federal da Bahia, Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, Feira de Santana, 2007.

BAPTISTA. G. C. S. Importância da demarcação de saberes no ensino de Ciências para sociedades tradicionais. Ciências e Educação, Bauru, v. 16, n. 3, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132010000300012&script=sci_arttext. Acesso em: 07 out 2014.

BAPTISTA. G. C. S. Do cientificismo ao diálogo intercultural na formação do professor e ensino de ciências. Interacções, Lisboa, n. 31, p. 28-53, 2014. Disponível em: http://www.eses.pt/interaccoes. Acesso em 10/11/2014. Acesso em: 07 out 2014.

BAPTISTA, G. C. S.; EL-HANI, C. N. Investigação etnobiológica e ensino de biologia: uma experiência de inclusão do conhecimento de alunos agricultores na sala de aula de Biologia. In: TEIXEIRA, P. M. M. (Org.). Ensino de ciências: pesquisas e reflexões. Ribeirão Preto: Holos Editora, 2006. p. 84-96.

BRANDÃO, G. Mogi das Cruzes: monografia folclórica. Revista do Arquivo Municipal, v. 162, p. 1 80, 1959.

BRASIL. Morcegos em áreas urbanas e rurais: manual de manejo e controle. Brasília: Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde, 1998.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 4. ed. Ijuí: Unijuí, 2006.

COSTA. R. G. A. Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Didática Sistêmica, v. 8, 2008.

COSTA-NETO, E. M. A Etnozoologia no Brasil: um panorama bibliográfico. Bioikos, Campinas, v. 14, n. 2, p. 31-45. 2000.

COSTA-NETO, E. M. Etnoentomologia no povoado de Pedra Branca, município de Santa Terezinha, Bahia: um estudo de caso das interações seres humanos/insetos. 2003. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2003.

COSTA-NETO, E. M. Biotransformações de insetos no povoado de Pedra Branca, Estado da Bahia, Brasil. Interciência, Caracas, v. 29, n. 5, 2004.

COSTA-NETO, E. M.; PACHECO, J. M. A construção do domínio etnozoológico “inseto” pelos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Terezinha, Estado da Bahia. Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 26, n. 1, p. 81-90, 2004.

CUNHA, A. P. O emprego das plantas aromáticas desde as antigas civilizações até ao presente. Disponível em: <http://antoniopcunha.com.sapo.pt>. Acesso em: 23 jun 2013.

ECHEVERRÍA, M. D. P. P; POZO, J. I. Aprender a resolver problemas e resolver problemas para aprender. In POZO, J. I. (Org). A solução de problemas. Aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998.

FISHER, J. Scripture animals or natural history of the living creatures named in the Bible. Portland: William Hyde, 1834.

GRANT, R. M. Early Christians and animals. Londres: Routledge, 1999.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2004.

MARQUES, J. G. W. O olhar (des)multiplicado: O papel do interdisciplinar e do quantitativo na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. (Ed.) Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: UNESP/CNPq, 2002.

MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências. Porto Alegre, v. 1, n.1, 1996.

MORTIMER, E. F. Sobre chamas e cristais: a linguagem cotidiana, a linguagem científica e o ensino de ciências. In: Chassot, A. (Org.). Ciência, ética e cultura na educação. São Leopoldo: UNISINOS, 1998.

OLIVEIRA, I. S. Ensinando e aprendendo zoologia: análise de uma prática pedagógica baseada na solução de problemas. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores), Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Orientação: Prof.ª Drª Lilian Boccardo, Jequié, 2014.

OLIVEIRA, L. S; SOUZA, M. L. Articulando o ensino de zoologia com a etnozoologia: análise de uma proposta educativa com estudantes do ensino fundamental. Revista da SBEnBIO, n. 7, 2014. Disponível em: <http://www.sbenbio.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2014/11/R1005-1.pdf>. Acesso em: 10 nov 2014.

OVERAL, W. L. Introduction to ethnozoology: what it is or could be. In: POSEY, D. A.; OVERAL, W. L. (Org.). Ethnobiology: implications and applications. Belém: MPEG, 1990.

PAGLIA, A. P. et al. Lista anotada dos mamíferos do Brasil / Annotated checklist of Brazilian mammals. 2. ed. Occasional Papers in Conservation Biology, n. 6. Arlington: Conservation International, 2012.

PAIVA, A. S. Conhecimentos tradicionais e ensino de biologia: desenvolvimento colaborativo de uma sequência didática sobre reprodução vegetal. 2014. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

PINNEY, R. The animals in the Bible. Philadelphia: Chilton Books, 1964.

PIRES, M. R. S; PINTO, L. C. L; MATEUS, M. B. Etnozoologia como instrumento para a conservação da fauna da Serra do Ouro Brando Minas Gerais. In: ALVES, R. R. N.; SOUTO, W. M. S.; MOURÃO, J. S. (Org.). A etnozoologia no Brasil: importância, status atual e perspectivas. Recife: NUPEA, 2010. p. 473-493.

POSEY, D. A. Temas e inquirições em etnoentomologia: algumas sugestões quanto à geração de hipóteses. Boletim Museu Paraense Emilio Göeldi, Belém, v. 3, n. 2, p. 99-134, 1987.

POZO J. I.; GÓMEZ CRESPO, M. A. A solução de problemas nas ciências da natureza. In: POZO, J. I. (Ed.). A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998.

POZO, J. I. A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998.

REIS, N. R. et al. Morcegos do Brasil. 1. ed. Londrina: Eduel, 2007.

TOLEDO. V. M. Ethnoecology: a conceptual framework for the study of indigenous knowledge of nature. In: STEPP, J. R. et al. (Eds.) Ethnobiology and biocultural diversity. Georgia: International Society of Ethnobiology, 2002. p. 511-522.

Publicado
2015-04-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1060
  • PDF downloads: 4778
Como Citar
Oliveira, I. S., & Boccardo, L. (2015). PERCEPÇÕES SOBRE A BIOTRANSFORMAÇÃO DE MORCEGOS: UMA ABORDAGEM ETNOZOOLÓGICA COM ESTUDANTES EM JEQUIÉ, BAHIA, BRASIL. Revista Ouricuri, 5(1), 030-044. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/ouricuri/article/view/1266
Seção
Artigos de Revista