A África enquanto construção discursiva e midiática: a propaganda colonial e a “Invenção” do “Outro”

  • Jonas A. Nascimento Universidade do Estado da Bahia, Pós-Crítica.

Resumo

Resumo: Por que as imagens que temos de África e dos africanos são tão depreciativas e deformadas? Por qual razão a África ocupa um lugar tão desprivilegiado em nossas imagens e imaginações? Partindo destas questões iniciais, esse breve artigo busca entender como se deu o processo de construção discursiva e midiática da alteridade africana, ou de sua “invenção”, a partir de múltiplos discursos — científico, religioso, político, literário, cinematográfico, etc. Tais discursos basearam-se, e baseiam-se, frequentemente, num “regime de autoridade” decorrente de relações desiguais de poder e conhecimento entre o Ocidente e o mundo não-ocidental. O distanciamento “antropológico” e “biológico” dos africanos, como “outros”, parece perpetuar-se. Busca-se aqui, portanto, suscitar uma discussão concisa que possibilite, no entanto, compreender e questionar a condição de marginalidade que a África — e tudo que lhe diz respeito — ocupa em nosso pensamento e imaginário ocidental.

Palavras-Chave: África. Propaganda Colonial. Discurso. Cinema.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-04-12
Métricas
  • Visualizações do Artigo 201
  • PDF downloads: 629