O PERFIL METODOLÓGICO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ORÇAMENTO PÚBLICO: UMA ANÁLISE DO CENÁRIO BRASILEIRO NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

  • Maurício Vasconcellos Leão Lyrio Universidade Federal de Santa Catarina Sociedade Educacional de Santa Catarina
  • Eloíse Helena Livramento Dellagnelo Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rogério João Lunkes Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Setor Público, Orçamento, Métodos de Pesquisa

Resumo

O presente estudo se insere no campo da administração pública e objetiva discutir o perfil metodológico dos estudos sobre orçamento público realizados no Brasil na primeira década do séc. XXI. Para tanto, no que se refere à metodologia, foi realizado um levantamento na base de dados SCIELO Brasil, utilizando-se de uma abordagem quantitativa, se configurando, do ponto de vista de abordagem do problema, em um estudo de caráter descritivo. Dentre os resultados encontrados, ficou evidenciado que os estudos sobre o tema se dão, principalmente, no setor público de forma geral, não se atendo a setores específicos de atividade. Foi evidenciada nos artigos encontrados no levantamento, uma abordagem quantitativa, tendo a econometria como principal método de pesquisa.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Vasconcellos Leão Lyrio, Universidade Federal de Santa Catarina Sociedade Educacional de Santa Catarina
Administrador com MBA em Gestão Estratégica de Negócios (FURB) e mestrado em Contabilidade (UFSC). Atualmente é doutorando em administração (UFSC) na área de finanças e desenvolvimento econômico. Analista técnico em gestão pública pela Secretaria de Estado da Administração de Santa Catarina e coordenador de planejamento do núcleo Gespública no Estado, possui experiência como consultor em implantação de sistemas de gestão e avaliação de desempenho, coordenador de projetos, professor e coordenador de cursos em nível de graduação e Pós-Graduação. É professor do curso de graduação em administração da SOCIESC/FGV e do curso de Pós-Graduação em Administração certificado pela FGV. No âmbito acadêmico desenvolve pesquisas relacionadas a estratégia, controladoria, finanças e administração pública.
Eloíse Helena Livramento Dellagnelo, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação em Bacharel em Administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (1986), graduação em Letras Habilitação em Português e Inglês pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (1985), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (1990), doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000), com período de bolssa sanduíche em 1998 na Escola de Administração Pública da University of Southern California USC em Los Angeles. Fez pós doutorado na Universidade de Essex - Inglaterra (2009), abordando novas teorias e metodologias de estudos sobre formas alternativas de organização. Atualmente é professora Associada II da Universidade Federal de Santa Catarina atuando na graduação e pós graduação. Na graduação leciona a disciplina de Desenvolvimento de Recursos Humanos e na pós graduação (mestrado e doutorado) nas disciplinas de Metodologia da Pesquisa em Administração, Pesquisa Avançada e Novas Formas Organizacionais. É coordenadora local do grupo de pesquisa Observatório da Realidade Organizacional. É também membro do comitê científico da divisão de Estudos Organizacionais da Anpad. Vem desenvolvendo projetos de pesquisa sobre novas práticas organizativas, especialmente aquelas que se distanciam do modelo de gestão empresarial. Temas de interesse: novas formas organizacionais, novas práticas de organização, resistência, Ongs., Análise Crítica do Discurso, organizações culturais e pesquisa em administração.
Rogério João Lunkes, Universidade Federal de Santa Catarina
possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Catarina (1996), mestrado (1999) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003), Pós-Doutorado pela Universidad de Valëncia-Espanha (2011). Atualmente é professor adjunto IV da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Ciências Contábeis, com ênfase em Controladoria e Contabilidade Gerencial, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento, controle e sistema de informações e instrumentos como, balanced scorecard e orçamento; além de estudos ambientais.

Referências

ACHUTTI, A.; AZAMBUJA, M. I. R. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: repercussões do modelo de atenção à saúde sobre a seguridade social. Ciência e Saúde Coletiva, v. 9, n. 4, p. 833-840, dez 2004.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de pesquisa, v. 36, n. 129, p. 637-651, 2006.

BANDEIRA-DE-MELO, R.; CUNHA, C. J. C. DE A. Administrando o risco: uma teoria substantiva da adaptação estratégica de pequenas empresas a ambientes turbulentos e com forte influência governamental. Revista de Administração Contemporânea, v. Edição esp, p. 157-179, 2004.

BANDEIRA-DE-MELO, R.; CUNHA, J. C. DE A. Grounded theory. In: GODOY, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R.; SILVA, A. B. DA (Eds.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006. .

BERGUE, S. T. Modelos de gestão em organizações públicas: teorias e tecnologias para análise e transformação organizacional. Caxias do Sul: Educs, 2011.

BOISVERT, H. La comptabilité de management: price de décision et gestion. 2. ed. Québec: ERPI Éditions Du Renouveau, 1999.

BRYMAN, A. The nature of quantitative research. In: BRYMAN, A. (Ed.). Quantity and quality in social research. London: Unwin Hyman, 1988a. .

BRYMAN, A. The nature of quantitative research. In: BRYMAN, A. (Ed.). Quantity and quality in social research. London: Unwin Hyman, 1988a. .

BRYMAN, A. The debate about quantitative and qualitative research. In: BRYMAN, A. (Ed.). Quantity and quality in social research. London: Unwin Hyman, 1988b. .

CARVALHO, M. DE; PAULUS JÚNIOR, A.; CORDONI JR, L. Financiamento público da saúde pelo governo do Estado do Paraná, Brasil, 1991-2006. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 11, p. 2532-2540, nov 2008.

CASTANHEIRA, D. R. F. O uso do orçamento empresarial como ferramenta de apoio à tomada de decisão e ao controle gerencial em indústrias farmacêuticas de médio porte. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

DAVIES, N. Os procedimentos adotados pelo tribunal de contas do Piauí para a verificação das receitas e despesas vinculadas à educação. Educação e Sociedade, v. 31, n. 110, p. 93-111, mar 2010.

ESPEJO, M. M. dos S. B. Perfil dos atributos do sistema orçamentário sob a perspectiva contingencial: uma abordagem multivariada. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade: Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, 2003.

FARIA, C. F. Fóruns participativos, controle democrático e a qualidade da democracia no Rio Grande do Sul: a experiência do governo Olívio Dutra (1999-2002). Opinião Pública, v. 12, n. 2, p. 378-406, nov 2006.

FRANGIOTTI, A. T. Elaboração do orçamento empresarial com base na geração de valor. Dissertação (Mestrado em Administração de Organizações) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

GIACOMONI, J. Orçamento público. 15. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GODOY, A. S. Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista eletrônica de gestão organizacional, v. 3, n. 2, p. 81-89, 2005.

LEITE, R. M.; CHEROBIM, A. P. M. S.; SILVA, H. DE F. N.; BUFREM, L. S. Orçamento empresarial: levantamento da produção científica no período de 1995 a 2006. Revista Contabilidade e Finanças, v. 19, n. 47, p. 56-72, ago 2008.

LIBBY, T.; LINDSAY, R. M. Beyond budgeting or budgeting reconsidered? a survey of North-American budgeting practice. Management accounting review, v. 2, n. 1, p. 56-75, 2010.

LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Paradigmatic controversies, contradictions, and emerging confluences. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2000. .

LUNKES, R. J. Manual de orçamento. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MERRIAN, S. B. Qualitative research in practice: examples for discussion and analysis. San Francisco: Jossey-Bass, 2002.

MISOCZKY, M. C. A. Mudanças na administração municipal: possibilidades de uma formação político-organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 99-121, ago 2002.

NEVES, A. V. Espaços públicos, participação e clientelismo: um estudo de caso sobre o orçamento participativo em Barra Mansa, Rio de Janeiro. Revista Katálysis, v. 10, n. 2, p. 215-221, dez 2007.

OSTERGREN, K.; STENSAKER, I. Management control without budgets: a field study of “beyond budgenting” in practice. European accouting review, v. 20, n. 1, p. 149-181, 2011.

PROTÁSIO, C. G.; BUGARIN, M. S.; BUGARIN, M. S. S. À espera da reforma orçamentária: um mecanismo temporário para redução de gastos públicos. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 34, n. 1, p. 5-41, 2004.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2a. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1989.

RODRIGUES, R. I.; CERQUEIRA, D. R. DE C.; LOBÃO, W. J. DE A.; CARVALHO, A. X. Y. DE. Os custos da violência para o sistema público de saúde no Brasil: informações disponíveis e possibilidades de estimação. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 1, p. 29-36, jan 2009.

SAKURAI, S. N. Testando a hipótese de ciclos eleitorais racionais nas eleições dos municípios paulistas. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 35, n. 2, p. 297-315, jun 2005.

SAKURAI, S. N.; GREMAUD, A. P. Political business cycles: evidências empíricas para os municípios paulistas (1989 - 2001). Economia Aplicada, v. 11, n. 1, p. 27-54, mar 2007.

SANTOS, B. DE S. Um discurso sobre as Ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, v. 2, n. 2, p. 46-71, 1988.

SCATENA, J. H. G.; VIANA, A. L. D’ÁVILA; TANAKA, O. Y. Sustentabilidade financeira e econômica do gasto público em saúde no nível municipal: reflexões a partir de dados de municípios mato-grossenses. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 11, p. 2433-2445, nov 2009.

SCHWARTZMAN, H. B. Ethnography in organizations. Qualitative research methods, v. 27, p. 47-73, 1993.

SILVA, G. P. DA; CARVALHO, C. E. Referenciais teóricos para desenvolver instrumentos de avaliação do Orçamento Participativo. Nova Economia, v. 16, n. 3, p. 423-451, dez 2006.

STAKE, R. E. Case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2000. .

TEDLOCK, B. Ethnography and ethnographic representation. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2000. .

TEIXEIRA, H. V.; TEIXEIRA, M. G. Financiamento da saúde pública no Brasil: a experiência do Siops. Ciência e Saúde Coletiva, v. 8, n. 2, p. 379-391, 2003.

TINTNER, G. The definition of econometrics: Journal of the econometric society, p. 31-40, 1953.

UYAR, A. An evaluation of budgeting approaches: traditional budgenting, better budgeting and beyond budgeting. Journal of academic studies, v. 11, n. 42, p. 113-130, 2009.

WOOLDRIDGE, J. Introductory econometrics: a modern approach. Cincinnati: South-Western Pub, 2004.

ZDANOWICZ, J. E. Orçamento operacional. Porto Alegre: Sagra, 1983.

Publicado
2013-04-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1175
  • ARTIGO downloads: 402
Seção
Artigos