Mitos e Educação na Ancestralidade de Tentehar

  • Maria José Ribeiro de Sá Instituto Federal do Maranhão Campus Imperatriz http://orcid.org/0000-0001-9128-1466
  • Maria da Conceição de Almeida UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
Palavras-chave: Palavras-chave: Educação indígena; narrativas; memória; povo Tentehar.

Resumo

O artigo trata de pedagogias da educação do povo Tentehar[1]. Com método etnográfico, o estudo foi desenvolvido junto aos Tentehar que vivem no território indígena Arariboia. Na articulação entre narrativas míticas e a memória biocultural dos interlocutores rememoramos princípios e valores que orientam o pensamento e a pedagogia no mundo indígena. O enredo foi produzido por homens e mulheres da aldeia Juçaral que compartilharam conosco saberes, modos de vida e problemas do seu cotidiano. Na cultura ancestral tentehar narrativas míticas alimentam o processo formativo entre esse povo, por seu intermédio são transmitidos valores que educam na sua cosmologia. A repetição oral é um dos métodos para se aprender e ensinar nessa cultura. Suas narrativas irrigam a memória individual e coletiva, alimentam uma pedagogia da resistência e os mantêm conectados com valores primordiais. Viver de forma mais equilibrada e sustentável é um dos seus valores ancestrais.

 

 

[1] O texto decorre da convivência de uma das autoras com o povo indígena tentehar (Guajajara) da aldeia Juçaral no Maranhão nos estudos sete anos, em trabalhos de extensão, pesquisa e outras partilhas. Os estudos que resultaram em uma tese foram autorizados pela comunidade e financiados pela Fundação de Amparo a Pesquisa do Maranhão (FAPEMA) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Ribeiro de Sá, Instituto Federal do Maranhão Campus Imperatriz

Doutoranda em Educação pela UFRN, exerce a função de pedagoga no IFMA/Campu Imperatriz, lotada no departamento de Ensino Superior e Tecnologia, atua em projetos de pesquisas e extensão com estudantes dos cursos de Licenciatura em Física e Ciências da Computação. Pesquisa sobre Educação Indígena, Educação Escolar Indígena, Astronomia Indígena, Educação em Astronomia.

Maria da Conceição de Almeida, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Professora Titular do Departamento de Fundamentos e Políticas da Educação do Centro de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte desde maio de 2010. Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1992). Mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1979). Graduada em Sociologia e Politica pela Fundação Jose Augusto (1972). Coordenadora do Grupo de Estudos da Complexidade, primeiro ponto brasileiro da Cátedra itinerante Unesco "Edgar Morin" na UFRN. Colaboradora e consultora da Multiversidad Mundo Real Edgar Morin. Membro da Cátedra itinerante Unesco "Edgar Morin" - Universidad Del Salvador/Instituto Internacional para o Pensamento Complexo. Membro da Associação Internacional para o Pensamento Complexo. Membro do Comitê Científico Internacional - Universidad de Valladolid. Membro do Conselho Editorial das revistas: Famecos - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Cronos - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais- UFRN; Educação em Questão - PPGEd/UFRN. Coordenadora da Coleção Baobá e Coleção Saberes da Tradição. Tutora de Doutorado de Pós-Grade em Educação com Enfoque em Complexidade e Transdisciplinaridade na Escuela Militar de Ingenieria nas cidades de Santa Cruz de La Sierra, Cochabamba e La Paz. Tem experiência na área de antropologia e complexidade, com ênfase em Epistemologia, atuando principalmente nos seguintes temas: complexidade, educação, cultura, ciência e conhecimento.

Referências

REFERÊNCIAS
ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros. Tradução de Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária; Elefante, 2016.

AGUIRRE, Julio Leônidas. Pensamiento del sur. In: SESC. Para um pensamento do sul: diálogos com Edgar Morin. Rio de Janeiro: SESC, Departamento Nacional, 2011. p. 26-31.

AUTORA. In: WULF, CRISTOPH; BAITELLO JUNIOR, NORVAL (orgs). Sapientia: uma arqueologia de saberes esquecidos. Tradução de Claudia Dornbusch; Doris Buchmann. São Paulo: Edições Sesc, 2018. p. 9-21.

AUTORA. In: MORAES, Maria Cândida. Os setes saberes necessário a educação do presente: por uma educação transformadora. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. p. 105-127.

ARMSTRONG, J. C. En’owkin: a tomada de decisões que leva em conta a sustentabilidade. In: STONE, Michael K.; BARLOW, Zenobia (orgs.). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo: Cultrix, 2006. p. 39-45.

CAMPBELL, Joseph. As transformações do mito através do tempo. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 2015.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito: Joseph Campbell. Organizado por
Betty Sue Flowers; Tradução de Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990.

CAPRA, Fritjof. Prefácio: como a natureza sustenta a teia da vida. In: STONE, Michael K.; BARLOW, Zenobia (orgs.). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo: Cultrix, 2006. p. 13-15.

DUARTE, Fábio Bonfim et. al. Coletânea de narrativas Guajajára. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2018.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm como lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Tradução de Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 2018.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. O dom da história: uma fábula sobre o que é suficiente. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

GOMES, Mércio Pereira. O índio na história: o povo Tenetehara em busca de liberdade. Petrópolis: Vozes, 2002.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um pajé yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia da Letras, 2020.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A antropologia diante dos problemas do mundo moderno. Tradução de Rosa Freire d'Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2012a.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. 12. ed. Tradução Tânia Pellegrini. Campinas: Papirus, 2012b.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O homem nu. Tradução: Beatrice Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2011. (Mitológicas, v. 4)

LOUREIRO, Violeta. Amazônia: estado, homem, natureza. Belém: CEJUP, 1992.

MARANHÃO. Secretaria de Estado da Educação. Pintura corporal. São Luís: Gráfica Mota, 2010b. (Série Livros didáticos indígenas e indigenistas).

MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. Tradução de Juremir Machado da Silva. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MORIN, Edgar. Para um pensamento do sul. In: SESC. Para um pensamento do sul: diálogos com Edgar Morin. Rio de Janeiro: SESC, Departamento Nacional, 2011. p. 8-21.

MUNDURUKU, Daniel. Os últimos socialistas ou por que perseguir os povos indígenas? 2019. Disponível em: danielmunduruku.blogspot.com. Acesso em: 04 jan. 2019.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando 2: sobre vivências, piolhos e afetos: roda de conversa com educadores. Lorena, SP: UK’A Editorial, 2017.

MUNDURUKU, Daniel. O Caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando. São Paulo: UK’A Editorial, 2010.

MUNDURUKU, Daniel. Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da minha memória. São Paulo: Estúdio Nobel, 2005.

PATAXÓ, Tawá. Tawá explica o uso da almesca entre os Pataxó. 2012. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_64cZCSNITg&ab_channel=GenilsonTaquariPatax%C3%B3. Acesso em: 03 mar 2020.

POTIGUARA, Eliane. O pássaro encantado. Rio de Janeiro: Editora Jujuba, 2014.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

TOLEDO, Victor M.; BARRERA-BASSOLS, Narciso. A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

TURINO, Célio. Prefácio à edição brasileira. In: ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros. Tradução de Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016. p. 13-16.

UBBIALI, C. O filho de Ma’ira. Quito-Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 1998.

WALGLEY, Charles; GALVÃO, Eduardo. Os índios tenetehara (uma cultura em transição). Brasília: Ministério da Educação e Cultura; Departamento de Imprensa Nacional, 1961.

ZANNONI, Cláudio (org.). Conflito e coesão: o dinamismo tenetehara. São Paulo: CPA Editora, 1999.
Publicado
2022-08-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 64
  • PDF downloads: 0
Como Citar
DE SÁ, M. J. R.; ALMEIDA, M. DA C. DE. Mitos e Educação na Ancestralidade de Tentehar. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 31, n. 67, p. 127-142, 16 ago. 2022.