Exposições colaborativas com os povos indígenas

possibilidades e desafios para a educação socioambiental no Museu de História Natural

Palavras-chave: museu; educação socioambiental; exposição colaborativa; saber ambiental indígena.

Resumo

Este texto discute as limitações e as possibilidades de exposições colaborativas e etnográficas para o desenvolvimento de um discurso de caráter educativo e socioambiental nos museus de história natural. Para tal, se analisa uma exposição com participação indígena desenvolvida no Museu Paraense Emílio Goeldi. A metodologia usada foi do tipo qualitativo, e os dados foram levantados mediante a análise de documentos e de entrevista do tipo semiestruturada. A análise revela a presença de modelos antagônicos da comunicação se pensada a exposição em relação ao público indígena ou ao público ocidental. Por outro lado, se identificaram emergências socioambientais na exposição. Por fim, é possível afirmar que exposições colaborativas realizadas com a participação indígena oferecem grandes possibilidades para o desenvolvimento de um discurso expositivo de caráter educativo e socioambiental nos museus de história natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Claudia dos Santos da Silva, Museu Paraense Emílio Goeldi
Doutora em Ciências Sócio ambiental pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônico/ Universidade Federal do Pará. Chefe do Serviço de Educação do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém(PA).
Adriele de Fátima de Lima Barbosa, Museu Paraense Emílio Goeldi
Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará. Bolsista de Progra-ma de Capacitação Institucional – Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém(PA), Brasil.

Referências

AMORIM, L. B de. Dois Museus e uma coleção: deslocamentos, disputas e identidades na trajetoria de objetos arqueológicos da cultura marajoara. Tese (Doutorado) -Universidade Federal do Estado de Rio de Janeiro, Programa de Posgraduação em Museologia e Patrimonio, 2019.Disponível em: http://www.unirio.br/ppg-pmus/copy_of_lilian_bayma_amorim.pdf. Acesso em: 03/11/2021.

AUTOR 1. [ ], 2019.
CLIFFORD, J. Introduction: partial truths. In: CLIFFORD, J.; MARCUS, G. E. (Org.). Writing culture: the poetics and politics of ethnography. Berkeley: University of California Press, 1986. p. 1-26.

CURY, M. X. Comunicação e pesquisa de recepção: uma perspectiva teórico-metodológica para os museus. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, São Paulo, v. 12 (suplemento), p. 365-380, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/qshVzrR8BSgySG9b5WwcDLD/abstract/?lang=pt. Acesso em: 08/09/2021
CURY, M. X. Comunicação museológica em museu universitário: pesquisa e aplicação no Museu de Arqueologia e Etnologia-USP. Revista CPC, São Paulo, n.3, p. 69-90, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v0i3p69-90. Acesso em: 09/09/2021.
CURY, M. X. Exposição: concepção, montagem e avaliação. São Paulo: Annablume, 2006.
CURY, M. X. Museu em Transição. In: FABBRI, A. Museus: O que são, para que servem? São Paulo: Editora Brodowski, 2011, p. 1-12.

CURY, M. X. Educação em museus: panorama, dilemas e algumas ponderações. Ensino em Re-Vista, v. 20, n.1, jan./jun., p.13-28, 2013. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/23206. Acesso em: 09/11/2021.

CURY, M. X. Lições indígenas para a descolonização dos museus: processos comunicacionais em discussão/Indigenous people's lessons for decolonizing museums: communication processes under discussion. Cadernos Cimeac, v. 7, n. 1, p. 184-211, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.18554/cimeac.v7i1.2199. Acesso em: 01/01/2022.
DE AMORIM, A. C. R; MARANDINO, M. As exposições de museus de ciências inventam culturamente outros mundos naturais? Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, n. Extra, p. 3069-3074, 2013. Disponível em: https://raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/308195. Acesso em 23/09/2021
DE ALMEIDA, M. Para comprender la complejidad. Multiversidad mundo real Edgar Morín. México, DFAC Hermosillo, 2008.
DIEGUES, A. C. S. O. O Mito Moderno da Natureza Intocada. 3. ed. São Paulo: Hucitec. 2001.

FLORIANI, D. Diálogos interdisciplinares para uma agenda socioambiental: breve inventário do debate sobre ciência, sociedade e natureza. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 1, 2000. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/view/3055/2446. Acesso em: 08/09/2021
FLORIANI D; KNECHTEL, M. do R. Educação ambiental, epistemologia e metodologias. Curitiba: Vicentina, 2003.
FLORIANI, D. Disciplinaridade e construção interdisciplinar do saber ambiental. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 10, 2004. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/dma.v10i0.3090. Acesso em: 08/09/2021.
FLORIANI, D. Educação ambiental e epistemologia: conhecimento e prática de fronteira ou uma disciplina a mais? Pesquisa em educação Ambiental, v. 4, n. 2, p. 191-202, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.18675/2177-580X.vol4.n2.p191-202. Acesso em: 21/08/2021.
FLORIANI, D. Complexidade e epistemologia ambiental em processos socioculturais globais e locais. INTERthesis: Revista Internacional Interdisciplinar, v. 7, n. 2, p. 45-64, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2010v7n2p45. Acesso em: 27/08/2021.
FOLADORI, G. Contenidos metodológicos de la educación ambiental. Tópicos en Educación Ambiental, v. 4 n. 11, 33-48, 2002. Disponível em: https://eaterciario.files.wordpress.com/2015/09/contenidos-metodologicos-de-la-educacion-ambiental-foladori.pdf. Acesso em: 20/08/2021.
FORTIN-DEBART, C. Le Musee de Sciences Naturelles, un partenaire de l'école pour une education relative a l'environnement: du message scientifique au débat de société. Vertigo-La Revue électronique en sciences de l'environnement, v. 4, n. 2, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.4000/vertigo.4494. Acesso em: 23/10/2021.

FIGURELLI, G. R. A relevância das práticas avaliativas nas rotinas dos museus. MUSAS - Revista Brasileira de Museus e Museologia, Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, Brasilia, n.6, p. 148-165, 2014. Disponível em: https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2015/01/Revista-Musas-5.pdf.
FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução: Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FRANCO, M., I., M. Planejamento e Realização de Exposições. Brasília, DF: Ibram, 2018.

GARCÉS, C., L., L. et al. Conversações desassossegadas: diálogos sobre coleções etnográficas com o povo indígena Ka’apor. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 12, p. 713-734, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981.81222017000300003. Acesso em: 23/12/2021.
GUIMARÃES, M; DE MEDEIROS, H. Q. OUTRAS EPISTEMOLOGIAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: o que aprender com os saberes tradicionais dos povos indígenas. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, p. 50-67, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.5959. Acesso em: 21/01/2022.
HOOPER-GREENHILL, E. Changing values in the art museum: Rethinking communication and learning. International Journal of Heritage Studies, v. 6, n. 1, p. 9-31, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1080/135272500363715. Acesso em 27/09/2021.

KAPLAN, F. E. Exhibitions as communicative media. In E. Hooper-Grennhill. (Orgs.), Museum, media, message. Routledge, 1995, p. 37–58.
LEFF, E. Pensar la Complejidad Ambiental. In Leff, E. (Orgs.), La Complejidad Ambiental (México: Siglo XXl/UNAM/ PNUMA), 2000, p 7-53.
LEFF, E. Aventuras de la Epistemología Ambiental: De la articulación de Ciencias al Diálogo de Saberes. Siglo XXI, 2006.
LEFF, Enrique. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de professor, v. 14, n. 2, p. 309-335, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.14i2.0007. Acesso em: 30/09/2021.
LEFF, E. (2014). La apuesta por la vida, imaginación sociológica e imaginarios sociales en los territorios ambientales del Sur. Brasil, Vozes Editora, 2014.
LEIBRUDER, A. P. O Discurso de Divulgação Científica. In BRANDÃO, H. N. Gêneros de
Discurso na Escola. São Paulo: Editora Cortez, 1999.
LINDAUER, M. A. Critical museum pedagogy and exhibition development: A conceptual first step. In S., J. Knell, S. MacLeod & S. Watson (Orgs), Museum Revolutions: How Museums Change and are Changed. Routledge, p. 303-314, 2007.
LUDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. Editora EPU, São Paulo, 1986.

MACDONALD, S. (1998). Exhibitions of power and powers of exhibition: an introduction to the politics of display. In S. Macdonald. (Orgs.), The politics of display: Museums, science, culture. Routledge, p. 1–14, 1998.
MARANDINO, M. Educação em museus: a mediação em foco. São Paulo, SP: Geenf/FEUSP, 2008. Disponível em: http://www.geenf.fe.usp.br/v2/wp-content/uploads/2012/10/MediacaoemFoco.pdf. Acesso em: 23/10/2021.
MARANDINO, M. Museus de Ciências, Coleções e Educação: relações necessárias. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – PPG-PMUS Unirio/MAST, v 2, n. 2, p. 1-12, 2009. Disponível em: http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/index.php/ppgpmus/article/view/63. Acesso em: 12/12/2021.
MARANDINO, M. Por uma didática museal: propondo bases sociológicas e epistemológicas para a análise da educação em museus. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/48/tde-22102014-084427/pt-br.php . Acesso em 23/12/2021.
MELO, M. J. Objetos em trânsito: a musealização de artefatos arqueológicos no Museu Paraense Emílio Goeldi (1866-1907) Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Pará, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, 2017. Disponível em: https://pphist.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/dissertacoes/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Objetos%20em%20Tr%C3%A2nsito%20FINAL%20Josyane.pdf. Acesso em: 12/12/2021.
MENDOÇA, F. Prefácio. In: FLORIANI D; KNECHTEL, M. do R. Educação ambiental, epistemologia e metodologias. Curitiba: Vicentina, 2003.
MERRIAM, S., B. Qualitative Research A Guide to Design and Implementation, 2 ed., United States of America, Copyright John Wiley & Sons, Inc. 2009.
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez ; Brasília, DF : UNESCO, 2000.

MORIN, E; MOIGNE, J. L. A inteligência da complexidade. 2. ed. São Paulo: Peirópolis, 2000.
PORTO, N. Para uma museologia do sul global: multiversidade, descolonização e indenização dos museus. Revista Mundaú, n. 1, p. 59-72, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.28998/rm.2016.n.1.2367. Acesso em: 14/01/2022.
PATTON, M. Q. Qualitative research and evaluation methods. United State of
America: Sage Publications, Inc, 2002.
ROCA, A. Museus indígenas na Costa Noroeste do Canadá e nos Estados Unidos. Revista de Antropologia, v. 58, n. 2, p. 117-142, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2015.108515. Acesso em: 21/12.2021.
AUTOR 1; AUTOR 2. [ ], 2021
SANJAD, N., R. A Coruja de Minerva: o Museu Paraense entre o Império e a República, 1866-1907 (Tese) Doutorado em História das Ciências da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz, 2005. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/6144. Acesso em: 17/12/2021.

SANTOS, B de S. Um discurso sobre as ciências. Afrontamento, 1995.
SANTOS, B de S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista crítica de ciências sociais, n. 63, p. 237-280, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.4000/rccs.1285. Acesso em: 19/09/2021.
SANTOS, B de S. Epistemologías del sur. Utopía y praxis latinoamericana, v. 16, n. 54, p. 17-39, 2011. Disponível em: https://produccioncientificaluz.org/index.php/utopia/article/view/3429. Acesso em: 21/15/2021.
SAUVÉ, L. Perspectivas curriculares para la formación de formadores en educación ambiental. In: FORO NACIONAL SOBRE LA INCORPORACIÓN DE LA PERSPECTIVA AMBIENTAL EN LA FORMACIÓN TÉCNICA Y PROFESIONAL, 2003. Disponível em: https://www.miteco.gob.es/en/ceneam/articulos-de-opinion/2004_11sauve_tcm38-163438.pdf. Acesso em: 03/08/2021.
SORRENTINO, M.; TRAJBER, P., M.; FERRANO, L., A., J. Educação ambiental
como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.
Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n2/a10v31n2.pdf.
VAN PRAËT, M. Cultures scientifiques et musées d'histoire naturelle en France. Hermès, La Revue, n. 2, p. 143-149, 1996.

VELTHEM, L. H. van. O objeto etnográfico é irredutível? Pistas sobre novos sentidos e análises. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 7, n. 1, p. 51-66, jan./abr. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-81222012000100005.

VELTHEM, L., H. van; BENCHIMOL, Alegria. Museus, coleções, exposições e povos indígenas. Em Questão, v. 24, n. 2, p. 468-486, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.19132/1808-5245242.468-486. Acesso em: 27/12/2021.

VELTHEM, L. H. van; CANDOTTI, E. MARCAS NA AMAZÔNIA: COLEÇÕES, EXPOSIÇÕES E MUSEUS In: Galúcio A; V, Prudente A (Orgs) Museu Goeldi: 150 anos de ciência na Amazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2019.
Publicado
2022-08-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 69
  • PDF downloads: 0
Como Citar
RODRIGUEZ, I. B.; SILVA, A. C. DOS S. DA; BARBOSA, A. DE F. DE L. Exposições colaborativas com os povos indígenas: possibilidades e desafios para a educação socioambiental no Museu de História Natural. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 31, n. 67, p. 194-213, 16 ago. 2022.