PERIFERIA, PODER E CULTURA: PRATICANDO O CURRÍCULO CULTURAL E A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Palavras-chave: Currículo cultural, Interdisciplinaridade, Jogos e brincadeiras, Educação Física, Didática

Resumo

Trata-se de uma pesquisa-ação que objetiva problematizar como a inter-relação de práticas pedagógicas contribuiu para a promoção de uma educação democrática a partir do reconhecimento das vozes, da gestualidade e das brincadeiras de uma cultura subjugada. Relaciona os estudos culturais e a interdisciplinaridade em busca de renovações nos afazeres pedagógicos. Adota a valorização das práticas culturais dos alunos como fio condutor da proposta, mais especificamente o jogo de “bater cartinhas” ou “bafo” em uma escola estadual localizada na periferia do Espírito Santo. Evitando qualquer resposta definitiva, percebemos maior valorização do trabalho desenvolvido de forma coletiva e em diálogo com o repertório da cultura (corporal) dos alunos. Os estudantes, envolvidos na atividade pedagógica, perceberam-se como produtores de cultura e de novos significados, sujeitos que possuem e disseminam conhecimento e cultura. Ainda que algumas etapas do processo não tenham caminhado conforme esperado, esse objetivo central, fundamental no currículo cultural, foi atingido, e o trabalho dos professores, potencializado pelo agir interdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Galdino Rodrigues de Sousa, Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora - Brasil

Doutor em Educação Física pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professor na Universidade Federal de Juiz de Fora. Integrante do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar e Práticas Pedagógicas em Educação Física, do Laboratório de Estudos em Educação Física e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Linguagem e Cultura.

Wilson Alviano Júnior, Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora - Brasil

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Linguagem e Cultura.

Ricardo Ducatti Colpas, Docente na Universidade Federal de São João Del-Rei - Brasil

Doutor em Desenvolvimento Humano e Tecnologias pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Líder do grupo de Pesquisa Interdisciplinar e Práticas Pedagógicas em Educação Física.

Referências

ANÁLISE DA BNCC. [S.I: s.n], 2018. 1 vídeo (ca. 29:48 min). Publicado pelo canal Educação Física cultural – GPEF-FEUSP. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Oy3Z3gJcvM0. Acesso em: 31 jul. 2020.

BETTI, M. Por uma teoria da prática. Motus Corporis (UGF), Rio de Janeiro, v. 3, n.2, p. 73-127, 1996.

BOSCATTO, J. D.; KUNZ, E. Didática comunicativa: contribuições para a legitimização pedagógica da educação física escolar. Revista da Educação Física/UEM. Maringá, v. 20, n. 2, p. 183-195, 2009.

BRACHT, V. Educação física e ciência: cenas de um casamento (in)feliz. Ijuí: Unijuí; 1999.

BRACHT, V.; ALMEIDA, F. Q. A política de esporte escolar no Brasil: a pseudovalorização da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, São Paulo, v. 24, n. 3, p.87-101, 2003.

BRASIL, Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria MS/GM no 3124, de 28 de dezembro de 2012. Redefine os parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) Modalidades 1 e 2 às Equipes Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica para populações específicas, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras providências. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF, 28 dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes do NASF. Brasília, DF: MS, 2009. (Cadernos de Atenção Básica, n. 27).

CARDOSO, J. Vinte bairros onde mais se mata na Grande Vitória. Tribuna Online. 10 de Fevereiro de 2017. Disponível em: https://tribunaonline.com.br/vinte-bairros-onde-mais-se-mata-na-grande-vitoria. Acesso em: 26 de Maio de 2020.

COSTA, M. V. Currículo e política cultural. In: COSTA, M. V. (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

FAZENDA, I. (Org.). Práticas Interdisciplinares na Escola. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 42. ed. São Paulo: Paz e terra, 1996.

GONZÁLEZ, F. J.; FRAGA, A. B. Afazeres da Educação Física na escola: planejar, ensinar, partilhar. Erechim: Edelbra, 2012.

HABERMAS, J. Teoria de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1987.

LUDOLF, K. Nova Rosa da Penha Surge de Invasão. A Tribuna. 01 de Setembro de 2000. Disponível em: < http://www.ijsn.es.gov.br/ConteudoDigital/20160609_aj01143_bairronovarosadapenha1e2.pdf>. Acesso em: 26 de maio de 2019.

LUNA, C. F.; ROCHA, K. S. O currículo em educação física: mudanças paradigmáticas, políticas e legislativas. Cenas Educacionais, v. 3, p. e9914, 2020.

MAPA da mina: sindicato lista os bairros mais perigosos de se trabalhar na Grande Vitória. Folha Vitória. 26 de Novembro de 2014. Disponível em: <https://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/11/2014/mapa-da-mina-sindicato-lista-os-bairros-mais-perigosos-de-se-trabalhar-na-grande-vitoria>. Acesso em 26 de maio de 2020.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, mar. 2012.

MOLINA NETO, V.; MOLINA, R. K. Pesquisa qualitativa em Educação Física escolar. A experiência do F3P-EFICE. In: MOLINA N. V.; BOSSLE, F. (Org.). O ofício de ensinar e pesquisar na Educação Física escolar. Porto Alegre: Sulina, 2010. p. 09-36.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. As dimensões política, epistemológica e pedagógica do currículo cultural da Educação Física. In: BOSSLE, F.; ATHAYDE, P.; LARA, L. Ciências do esporte, educação física e produção do conhecimento em 40 anos de CBCE; 5. Natal, RN: EDUFRN, 2020, p. 25-44.

NEIRA, M. G. (Org.). Educação Física cultural: inspiração e prática pedagógica. 2. ed. Jundiaí: Paco, 2019.

NEIRA, M. G. Educação Física cultural: carta de navegação. Arquivos em Movimento, v. 12, n. 02, p. 82-103, jul.-dez. 2016.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. Educação Física, currículo e cultura. São Paulo: Phorte, 2009.

PICH, S. Cultura Corporal de Movimento. In: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. (org.). Dicionário crítico de Educação Física. 3.ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2014. p. 163.

SANTOS, B. V. de S. Renovar a Teoria Crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

VENÂNCIO, L; SANCHES NETO, L; BETTI, M. Perspectivas da Pesquisa-Ação na Educação Física Escolar: indícios a partir de programas de pós-graduação. Revista Estreiadialogos, Braga, n. 1, p. 123-140, jul. 2018.

VYGOTSKY, L. A Formação Social da mente. Editora: Martins Fontes, 1989.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set/dez. 2007.

Publicado
2021-02-06
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1250
  • ♪Áudio♪ downloads: 22
Como Citar
Sousa, G. R. de, Júnior, W. A., & Colpas, R. D. (2021). PERIFERIA, PODER E CULTURA: PRATICANDO O CURRÍCULO CULTURAL E A INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Cenas Educacionais, 4, e9355. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/9355
Seção
Dossiê Temático