EDUCAÇÃO INTERPROFISSIONAL EM SAÚDE E SEU IMPACTO NA ATENÇÃO INTEGRAL

Palavras-chave: Relações interprofissionais, Integralidade em saúde, Educação em saúde.

Resumo

A interprofissionalidade é uma ferramenta de otimização dos recursos humanos disponíveis para a consolidação da assistência à saúde integral e resolutiva. Porém, aplicá-la é um desafio, devido a formação fragmentada dos profissionais de saúde. O presente artigo visa descrever a experiência do planejamento e execução de uma atividade de educação interprofissional em saúde. Para tanto, desenvolveu-se uma oficina educativa, direcionada para prática interprofissional em saúde. Foi apresentado um caso clínico, que abordava a história de uma pessoa idosa que sofreu acidente vascular encefálico e convivia com as sequelas desse episódio, além de traumas emocionais de sua vivência. Solicitou-se que cada profissional definisse uma proposta terapêutica para o caso. Um dos participantes era convidado a apresentar sua proposta, sendo oportunizada complementação pelos demais integrantes da equipe. A oficina possibilitou a percepção de que, isoladamente, nenhuma profissão conseguiria contemplar totalmente as necessidades do usuário. Assim, fomentou o uso da ação integrada entre diferentes profissionais, ao demonstrar que ações pontuais e desarticuladas não seriam suficientes para atuar de forma efetiva nos cuidados e necessidades relacionados com a saúde do indivíduo. Portanto, o produto desta oficina resultou em uma atividade consistente, contemplada por múltiplos olhares, experiências, conhecimentos e perspectivas, que não obteria tamanho êxito se planejada isoladamente, por um único grupo profissional. Pretende-se, com este relato, propagar as potencialidades da construção coletiva e o olhar interprofissional sobre temas transversais às profissões da área da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luísa Caroline Costa Abreu, Escola Superior de Ciências da Saúde
Graduanda em Medicina pela Escola Superior de Ciências da Saúde. Bolsista em projeto de pesquisa intitulado - "Fatores de risco para o consumo de drogas lícitas e ilícitas em vítimas de suicídio no Distrito Federal".
Cauê Sousa Cruz e Silva, Escola Superior de Ciências da Saúde
Graduando em Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS, no Distrito Federal.
Karlos Henrique Messias Ribeiro dos Santos, Escola Superior de Ciências da Saúde
Graduando em Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS, no Distrito Federal.
Sarah dos Santos Conceição, Docente na Faculdade Unyleya.
Doutoranda em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (UNB/DF). Membro do Laboratório de Pesquisas sobre Saúde Baseada em Evidências e Comunicação Científica; e, colaboradora do Núcleo em Epidemiologia.

Referências

AGRELI, H. F.; PEDUZZI, M.; SILVA, M. C. Atenção centrada no paciente na prática interprofissional colaborativa. Interface (Botucatu), v. 20, n. 59, p. 905-916, 2016.

ALMEIDA, R. G. S.; TESTON, E. F.; MEDEIROS, A. A. A interface entre o PET-Saúde/Interprofissionalidade e a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Saúde em Debate, v. 43, n. spe1, p. 97-105, 2019.

BERTOLLI FILHO, C. História da saúde pública no Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

BORGES, M. C. et al. Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 47, n. 3, p. 301-307, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil: Brasília, 2011.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humaniza SUS. Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério de Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

CAMARA, A. M. C. S. Oficina de Educação Interprofissional para a residência multiprofissional. CADERNOS DE EDUCAÇÃO, SAÚDE E FISIOTERAPIA, v. 1, n. 1, p. 27-34, 2014.

CANADIAN INTERPROFESSIONAL HEALTH COLLABORATIVE. A national interprofessional competency framework. The Collaborative, 2010.

CECCIM, R. B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.16, p.161-77, 2005.

COSTA, M. J. Trabalho em pequenos grupos: dos mitos à realidade. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 47, n. 3, p. 308-313, 2014.

DA FONSÊCA, R. M. Educação interprofissional em saúde e o desenvolvimento de competências colaborativas na formação em enfermagem e medicina. 2018. 69f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino na Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

DE MORAES, A. A.; DE MORAES, A. A. Aprendizagem Interprofissional em Saúde na graduação em Universidade da República da Irlanda: Relato de experiência. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/revistas/coprecis/trabalhos/TRABALHO_EV077_MD1_SA18_ID108_07082017214837.pdf e Acesso em: 8 de abril de 2020.

DE SOUSA GUIMARÃES, D. M. Q.; ARAÚJO, C. A. V. Aprendendo a ensinar com metodologias inovadoras de ensino: um relato de experiência em trabalho interprofissional com docentes de um curso de medicina na Amazônia ocidental. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care| ISSN 2179-6750, v. 8, n. 3, p. 5-5, 2017.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Saúde. Projeto Pedagógico do curso de graduação em medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). 2018. Disponível em: http://www.escs.edu.br/arquivos/PPCMedicina2018.pdf. Acessado em 0 8 de abril de 2020.

FAQUIM, J. P. S. Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família e a produção do cuidado em saúde durante o pré-natal. 2016. Tese (Doutorado em Serviços de Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

GRIGGIO, A. P. Análise da construção e implementação de uma atividade de Educação Interprofissional na Saúde do Trabalhador. 2019. 81 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2019.

GRIGGIO, A. P. et al. Planejamento de uma atividade de Educação Interprofissional para as profissões da saúde. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care| ISSN 2179-6750, v. 8, n. 3, p. 93-93, 2017.

ILLINGWORTH, P.; CHELVANAYAGAM, S. The benefits of interprofessional education 10 years on. British Journal of Nursing, v. 26, n. 14, p. 813-818, 2017.

KRUG, R. R. et al. O “bê-á-bá” da aprendizagem baseada em equipe. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 40, n. 4, p. 602-610, 2016.

LANE, H. A. et al. Ensino em grupos pequenos em grupos padronizados: facilitando os pequenos grupos. Brazilian Journal of Health and Biomedical Sciences, v. 13, n. 88, p. 62-66, 2014.

MITRE, S. M.; ANDRADE, E. L. G.; COTTA, R. M. M. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 8, p. 2071-2085, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Marco para ação em educação interprofissional e prática colaborativa. Geneva, 2010.

PAIVA, C. H. A.; TEIXEIRA, L. A. Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.21, n.1, p.15-35, 2014. 2014.

PEDUZZI, M.; AGRELI, H. F. Trabalho em equipe e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 22, p. 1525-1534, 2018.

PRATA, P. R. A transição epidemiológica no Brasil. Cadernos de saúde pública, v. 8, p. 168-175, 1992.

REUTER, C. L. O.; SANTOS, V. C. F.; RAMOS, A. R. The exercise of interprofessionality and intersetoriality as an art of caring: innovations and challenges. Escola Anna Nery, v. 22, n. 4, 2018.

SCHMIDT, H. G.; ROTGANS, J. I.; YEW, E. H. J. The process of problem‐based learning: what works and why. Medical education, v. 45, n. 8, p. 792-806, 2011.

SHACTER, D.; WAGNER, A. Aprendizado e Memória. In:Kandel, E et al. Princípios de neurociências. 5. ed. 65, 1256-1273, 2014.

SILVA, M. A. et al. Competências emocionais como dispositivo para integralização do cuidado em saúde: contribuições para o trabalho interprofissional. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, v. 10, n. 2, p. 226-239, 2019.

SORATTO, J. et al. Insatisfação No Trabalho De Profissionais Da Saúde Na Estratégia Saúde Da Família. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 26, n. 3, e2500016, 2017.

SOUZA, R. M. P.; COSTA, P. P. A educação interprofissional e o processo de formação em saúde no Brasil: pensando possibilidades para o futuro. In: DA COSTA, M. P. Nova Formação em Saúde Pública aprendizado coletivo e lições compartilhadas na RedEscola, 2, 45-61, 2019.

TIBÉRIO, I. F. L. C.; ATTA, J. A.; LICHTENSTEIN, A. O aprendizado baseado em problemas-PBL. Revista de Medicina, v. 82, n. 1-4, p. 78-80, 2003.

Publicado
2020-06-20
Métricas
  • Visualizações do Artigo 191
  • ♪Áudio♪ downloads: 11
Como Citar
ABREU, L. C. C.; SILVA, C. S. C. E; SANTOS, K. H. M. R. DOS; CONCEIÇÃO, S. DOS S. EDUCAÇÃO INTERPROFISSIONAL EM SAÚDE E SEU IMPACTO NA ATENÇÃO INTEGRAL. Cenas Educacionais, v. 3, p. e8869, 20 jun. 2020.
Seção
Relato de Experiência