A VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE POR USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS DE COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO SUDOESTE BAIANO

Palavras-chave: Saúde Mental, Comunidades Terapêuticas, Espiritualidade.

Resumo

O uso de substâncias psicoativas (SPA) transcende a categoria de problema de saúde pública, gerando efeitos não apenas nos indivíduos, mas em toda a sociedade. As comunidades terapêuticas (CT) surgem como proposta complementar de cuidado em saúde mental que traz em sua lide uma fragilidade na cobertura assistencial do setor público de saúde. Algumas CT trazem a espiritualidade como recurso direcionador das intervenções por elas desenvolvidas. Neste sentido, o presente estudo objetivou elucidar o impacto da vivência da espiritualidade na terapêutica de usuários de substâncias psicoativas em CT do sudoeste baiano. Trata-se de um estudo qualitativo, descritivo e exploratório, com a participação de seis usuários de SPA. A coleta consistiu na aplicação entrevista semiestruturada. A análise ocorreu por meio da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Observou-se a espiritualidade no CT é desenvolvida e direcionada pela vivência religiosa, intermediada pela organização e participação em cultos comunitários, estando a espiritualidade estimulada através de práticas de orações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Maria José Novais Meira, Universidade Federal da Bahia
Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia.
Tarcísia Castro Alves, Professora na Universidade Federal da Bahia.

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica (USP). Pesquisadora do Grupo Núcleo de estudos sobre distúrbios psiquiátricos: assistência e pesquisa (NUDPAS/USP); Transversões - Saúde mental, desinstitucionalização e abordagens psicossociais (UFRJ); Grupo de Estudos em Álcool e outras drogas (USP).

Referências

ALVES, Vânia Sampaio. Modelos de atenção à saúde de usuários de álcool e outras drogas: discursos políticos, saberes e práticas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.25, n.11, p.2309-2319, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação nº 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Guia estratégico para o cuidado de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas: Guia AD / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD). Relatório brasileiro sobre drogas. Brasília: SENAD, 2009.

DALGALARRONDO, Paulo. Religião, psicopatologia e saúde mental. Artmed Editora, 2009.

DANIELI, Rafael Vinícius et al. Perfil sociodemográfico e comorbidades psiquiátricas em dependentes químicos acompanhados em comunidades terapêuticas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v.66, n.3, p.139-149, 2017.

FERNANDES, Márcia Astrês et al. Caracterização de dependentes químicos em tratamento em uma comunidade terapêutica. Revista de Enfermagem Ufpe on Line, v.12, n.66, p.1610-1617, 2018.

FOSSI, Luciana Barcellos; GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima. Aspectos punitivos do tratamento nas comunidades terapêuticas: o uso de drogas como dano social. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v.11, n.1, p.73-88, 2019.

FREITAG, Raquel Meister Ko. Amostras sociolinguísticas: probabilísticas ou por conveniência? Revista de Estudos da Linguagem, [S.l.], v. 26, n. 2, p. 667-686, mar. 2018. ISSN 2237-2083.

GABATZ, Ruth Irmgard Bartschi et al . Percepção do usuário sobre a droga em sua vida. Escola Anna Nery, v.17, n.3, p.520-525, 2013.

GUIMARAES, Mariana Oliveira et al. Religiosidade como possível fator de proteção do “binge drinking” por escolares de 12 anos de idade: um estudo de base populacional. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.4, p.1067-1076, 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Diretoria de Estudos e Políticas sobre o Estado, as Instituições e a Democracia. Perfil das comunidades terapêuticas brasileiras. [s.l.]: Ipea, 2016.

LAURINDO, Anderson Pedro; DA SILVA, Josie Ágatha Parrilha. Introdução à pesquisa: características e diferenças teórico-conceituais entre o estudo qualitativo e quantitativo. Revista Uniabeu, v.10, n.26, p.45-55, 2018.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). 2 ed. Caxias do Sul: EDUSC, 2005.

MAZETO, Bruna Ramos e CARRAPATO, Josiane Fernandes Lozigia. A importância da dinâmica de grupo no tratamento da dependência de substâncias psicoativas em uma Comunidade terapêutica. SALUSVITA, Bauru, v. 37, n. 2, p. 301-321, 2018.

MORAES FILHO, Iel Marciano de; ALMEIDA, Rogério José de; SANTOS, Osmar Pereira dos. Atividades Oferecidas por Comunidades Terapêuticas Estabelecidas na Cidade Goiânia e Caracterização de Suas Equipes. Vita et Sanitas, v.10, n.2, p.20-29, 2017.

RIBEIRO, Fernanda Mendes Lages; MINAYO, Maria Cecília de Souza. As Comunidades Terapêuticas religiosas na recuperação de dependentes de drogas: o caso de Manguinhos, RJ, Brasil. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v.19, n.54, p.515-526, 2015.

SANCHEZ, Zila van der Meer; NAPPO, Solange Aparecida. Intervenção religiosa na recuperação de dependentes de drogas. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.42, n.2, p.265-272, 2008.

SANTOS, Marcos Vinícius Ferreira dos; PEREIRA, Denis Soprani; SIQUEIRA, Marluce Miguel de. Uso de álcool e tabaco entre estudantes de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v.62, n.1, p.22-30, 2013.

SANTOS, Maria Paula G. (org.) Comunidades terapêuticas: temas para reflexão. Brasília: IPEA, 2018.

SILVA, Sarah Lima Verde da; FROTA, Francisco Horacio da Silva; SILVA, Maria Andréa Luz da. Análise do Funcionamento de Comunidades Terapêuticas na Perspectiva da Política Nacional Sobre Drogas. Conhecer: Debate entre o Público e o Privado, v.7, n.18, p.5-22, 2017.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME (UNODC). World Drug Report. Nova York, 2016.

Publicado
2020-05-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 208
  • ♪Áudio♪ downloads: 8
Como Citar
MEIRA, S. M. J. N.; ALVES, T. C. A VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE POR USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS DE COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO SUDOESTE BAIANO. Cenas Educacionais, v. 3, p. e8410, 10 maio 2020.
Seção
Artigos (Fluxo Contínuo)