A VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE POR USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS DE COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO SUDOESTE BAIANO

Palavras-chave: Saúde Mental, Comunidades Terapêuticas, Espiritualidade.

Resumo

O uso de substâncias psicoativas (SPA) transcende a categoria de problema de saúde pública, gerando efeitos não apenas nos indivíduos, mas em toda a sociedade. As comunidades terapêuticas (CT) surgem como proposta complementar de cuidado em saúde mental que traz em sua lide uma fragilidade na cobertura assistencial do setor público de saúde. Algumas CT trazem a espiritualidade como recurso direcionador das intervenções por elas desenvolvidas. Neste sentido, o presente estudo objetivou elucidar o impacto da vivência da espiritualidade na terapêutica de usuários de substâncias psicoativas em CT do sudoeste baiano. Trata-se de um estudo qualitativo, descritivo e exploratório, com a participação de seis usuários de SPA. A coleta consistiu na aplicação entrevista semiestruturada. A análise ocorreu por meio da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Observou-se a espiritualidade no CT é desenvolvida e direcionada pela vivência religiosa, intermediada pela organização e participação em cultos comunitários, estando a espiritualidade estimulada através de práticas de orações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Maria José Novais Meira, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia.

Tarcísia Castro Alves, Professora na Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica (USP). Pesquisadora do Grupo Núcleo de estudos sobre distúrbios psiquiátricos: assistência e pesquisa (NUDPAS/USP); Transversões - Saúde mental, desinstitucionalização e abordagens psicossociais (UFRJ); Grupo de Estudos em Álcool e outras drogas (USP).

Referências

ALVES, Vânia Sampaio. Modelos de atenção à saúde de usuários de álcool e outras drogas: discursos políticos, saberes e práticas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.25, n.11, p.2309-2319, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação nº 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Guia estratégico para o cuidado de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas: Guia AD / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD). Relatório brasileiro sobre drogas. Brasília: SENAD, 2009.

DALGALARRONDO, Paulo. Religião, psicopatologia e saúde mental. Artmed Editora, 2009.

DANIELI, Rafael Vinícius et al. Perfil sociodemográfico e comorbidades psiquiátricas em dependentes químicos acompanhados em comunidades terapêuticas. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v.66, n.3, p.139-149, 2017.

FERNANDES, Márcia Astrês et al. Caracterização de dependentes químicos em tratamento em uma comunidade terapêutica. Revista de Enfermagem Ufpe on Line, v.12, n.66, p.1610-1617, 2018.

FOSSI, Luciana Barcellos; GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima. Aspectos punitivos do tratamento nas comunidades terapêuticas: o uso de drogas como dano social. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v.11, n.1, p.73-88, 2019.

FREITAG, Raquel Meister Ko. Amostras sociolinguísticas: probabilísticas ou por conveniência? Revista de Estudos da Linguagem, [S.l.], v. 26, n. 2, p. 667-686, mar. 2018. ISSN 2237-2083.

GABATZ, Ruth Irmgard Bartschi et al . Percepção do usuário sobre a droga em sua vida. Escola Anna Nery, v.17, n.3, p.520-525, 2013.

GUIMARAES, Mariana Oliveira et al. Religiosidade como possível fator de proteção do “binge drinking” por escolares de 12 anos de idade: um estudo de base populacional. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.4, p.1067-1076, 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Diretoria de Estudos e Políticas sobre o Estado, as Instituições e a Democracia. Perfil das comunidades terapêuticas brasileiras. [s.l.]: Ipea, 2016.

LAURINDO, Anderson Pedro; DA SILVA, Josie Ágatha Parrilha. Introdução à pesquisa: características e diferenças teórico-conceituais entre o estudo qualitativo e quantitativo. Revista Uniabeu, v.10, n.26, p.45-55, 2018.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). 2 ed. Caxias do Sul: EDUSC, 2005.

MAZETO, Bruna Ramos e CARRAPATO, Josiane Fernandes Lozigia. A importância da dinâmica de grupo no tratamento da dependência de substâncias psicoativas em uma Comunidade terapêutica. SALUSVITA, Bauru, v. 37, n. 2, p. 301-321, 2018.

MORAES FILHO, Iel Marciano de; ALMEIDA, Rogério José de; SANTOS, Osmar Pereira dos. Atividades Oferecidas por Comunidades Terapêuticas Estabelecidas na Cidade Goiânia e Caracterização de Suas Equipes. Vita et Sanitas, v.10, n.2, p.20-29, 2017.

RIBEIRO, Fernanda Mendes Lages; MINAYO, Maria Cecília de Souza. As Comunidades Terapêuticas religiosas na recuperação de dependentes de drogas: o caso de Manguinhos, RJ, Brasil. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v.19, n.54, p.515-526, 2015.

SANCHEZ, Zila van der Meer; NAPPO, Solange Aparecida. Intervenção religiosa na recuperação de dependentes de drogas. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.42, n.2, p.265-272, 2008.

SANTOS, Marcos Vinícius Ferreira dos; PEREIRA, Denis Soprani; SIQUEIRA, Marluce Miguel de. Uso de álcool e tabaco entre estudantes de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v.62, n.1, p.22-30, 2013.

SANTOS, Maria Paula G. (org.) Comunidades terapêuticas: temas para reflexão. Brasília: IPEA, 2018.

SILVA, Sarah Lima Verde da; FROTA, Francisco Horacio da Silva; SILVA, Maria Andréa Luz da. Análise do Funcionamento de Comunidades Terapêuticas na Perspectiva da Política Nacional Sobre Drogas. Conhecer: Debate entre o Público e o Privado, v.7, n.18, p.5-22, 2017.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME (UNODC). World Drug Report. Nova York, 2016.

Publicado
2020-05-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 399
  • Live +CEDU downloads: 0
Como Citar
Meira, S. M. J. N., & Alves, T. C. (2020). A VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE POR USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS DE COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO SUDOESTE BAIANO. Cenas Educacionais, 3, e8410. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/8410
Seção
Artigos (Fluxo Contínuo)