ESCUTAR A EXPERIÊNCIA DA PESQUISA PARA PROMOVER A TRANSFORMAÇÃO DO PENSAR E FAZER ACADÊMICO

Palavras-chave: Crianças quilombolas, Identidade, Discriminação, Resistência.

Resumo

Este texto é produto da mesa: Partir e Retornar para fazer a diferença- em discussão professores doutores da casa, realizada no V Seminário Interdisciplinar de Ensino, Extensão e Pesquisa, entre os dias 28 e 30 de agosto de 2019 pelo Departamento de Ciências Humanas, Campus VI-Caetité da Universidade do Estado da Bahia. Trata-se de um estudo interdisciplinar sobre a construção da identidade das crianças quilombolas da comunidade de Sambaíba, desde o início, uma pesquisa com crianças e não sobre elas, cujas reflexões possibilitaram compreender como o diálogo entre antropologia e educação vem se apropriando da problematização das relações sociais, envolvendo as infâncias. Meu percurso teórico-metodológico encontrou o caminho para uma concepção de infância plural na etnografia. A pesquisa levou-me a algumas constatações, nem todas conclusivas, mas instigantes: são inúmeros os sentidos/significações oportunizados pelas narrativas das crianças; trata-se de um estudo sobre identidades plurais; que se constroem nos processos de interação escola/comunidade/crianças do/no quilombo; que o adjetivo quilombola tem um peso discriminatório; que a construção dessa(s) identidade(s) repercute nas formas de enfrentamento da discriminação em ambientes escolares multiculturais. Conclui que essa autoafirmação é dolorosa e cambiante entre “o ser e o não ser”, dependendo do lugar em que as crianças estejam e com quem se relacionam a identidade é mais, ou menos, evidente. A ausência de uma educação quilombola e de uma escola estruturada física e pedagogicamente para este fim, dificultam a educação institucionalizada dessas crianças, que não se veem representadas e respeitadas em seus saberes e fazeres, portanto excluídas do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciete de Cássia Souza lima Bastos, Professora no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia.

Doutora em Educação. Mestra em Estudos Literários. Graduada em Letras. 

Referências

BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza. In: Mágia e Técnica, Arte e Política. Tradução de Paulo Sérgio Rouanet. Obras Escolhidas; v. I. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BIENAL DO LIVRO DO RIO DE JANEIRO. Justiça veta censura homofóbica de Crivella na Bienal do Livro do Rio. El País. 06.09.2019. Disponível em <https://brasil.elpais.com/brasil/2019/09/06/politica/1567794692_253126.html> Acesso em: 20. Nov.2019.

CUNHA, Martim Vasques da. As máscaras de Eliot. Revista Dicta & Contradicta, São Paulo, 2008. Disponível em: <http://www.dicta.com.br/edicoes/edicao-1/as-mascaras-de-eliot/.> Acesso em: 22 jun. 2016.

DA MATTA, Roberto da. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

ECKERT, C.; ROCHA, A.L. ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Apresentação. Horizonte antropológico, Porto Alegre, v. 15, n. 32, jul./dez. July/Dec. 2009.

GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2001.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes. Olhar viajante: Antropologia, criança e aprendizagem. Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 2, p. 161-178, maio/ago. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa das Características Étnico-Raciais da População - PCERP. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9372-caracteristicas-etnico-raciais-da-populacao.html?&t=o-que-e >. Acesso em: 03 fev. 2018.

JUDICE, Nuno. Um canto na espessura do tempo. Lisboa: Quetzel, 1992.

KRAMER, Sonia. Pesquisando infância e educação: um encontro com Walter Benjamim. In. KRAMER, Sonia; LEITE, Isabel: Infância: fios e desafios da pesquisa. 12 ed. Papirus/ SP, 1996. (Série Práticas Pedagógicas).

PAULA, Maria de Fátima Costa de. Políticas de democratização da educação superior brasileira: limites e desafios para a próxima década. Avaliação (Campinas), Sorocaba , v. 22, n. 2, p. 301-315, ago. 2017.

PEIRANO, Mariza Gomes e Souza. O paradoxo dos documentos de identidade: relato de uma experiência nos Estados Unidos. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v.15, n.32 , p.53-80, jul./dez. 2009.

PENNAC, Daniel. Como um romance. Tradução de Leny Werneck. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

PINTO, José Marcelino de Rezende. O acesso à educação superior no Brasil. Educ. Soc. [online]. 2004, vol.25, n.88, pp.727-756.

PIRES, Maria de Fátima Novaes. Fios da vida: tráfico interprovincial e alforrias nos sertoins de sima-BA (1860-1920). São Paulo: Annablume, 2009.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

RICOEUR, Paul. História e verdade. Rio de Janeiro: Forense, 1968.

ROCHA, Gilmar; TOSTA, Sandra Pereira. Antropologia e Educação. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. (Coleção Temas e Educação; 10).

ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013. (Biblioteca do estudante).

SOARES, Magda Becker. Metamemórias - memórias: travessia de uma educadora. São Paulo: Cortez, 2001.

SOLON FREIRE, Patrocínio. Pedagogia da práxis: o conceito do humano e da educação no pensamento de Paulo Freire. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010. Disponível em: < https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3797> Acesso em: 04 maio 2017.

SOUZA, Márcia Lúcia Anacleto de. Ser quilombola: identidade, território e educação na cultura infantil. 2015. Tese (Doutorado)- Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

Publicado
2020-05-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 137
  • ♪Áudio♪ downloads: 9
Como Citar
BASTOS, L. DE C. S. LIMA. ESCUTAR A EXPERIÊNCIA DA PESQUISA PARA PROMOVER A TRANSFORMAÇÃO DO PENSAR E FAZER ACADÊMICO. Cenas Educacionais, v. 3, p. e8359, 10 maio 2020.
Seção
Dossiê Temático