DISCURSOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E A CONSTRUÇÃO DE BARREIRAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE COMPARTILHADA

Palavras-chave: criatividade em matemática, criatividade compartilhada em matemática, discurso, ensino de matemática, relações de poder

Resumo

Cientes que as salas de aula estão atravessadas por relações assimétricas de poder percebidas nos discursos e construídas e reproduzidas por meio deles, discutimos, no presente trabalho, os efeitos que essas relações de poder exercem sobre o desenvolvimento de habilidades criativas em matemática e sobre a criatividade compartilhada em matemática quando os alunos trabalham em grupos. Portanto, o objetivo desse estudo foi analisar as barreiras para a criatividade compartilhada em matemática que emergem nos discursos originados nos momentos de interação de alunos do 5º ano do ensino fundamental quando solucionavam problemas matemáticos abertos, recorrendo, para tanto, à Análise do Discurso Crítica (ADC). Identificamos as seguintes barreiras presentes nas falas dos alunos: Excesso de críticas, Críticas antecipadas, Descrédito de alunos tidos como ruins em matemática, Medo de participar, Falta de avaliação crítica de ideias, Ideias ignoradas, Intolerância ao erro e autoimagem negativa. Conclui-se que a configuração da turma, com poucas interações durante a aula e com escassas oportunidades para internalização dos conceitos matemáticos trabalhados, interferiu diretamente nas relações de poder instituídas na turma estudada e emergidas nos discursos analisados, resultando em situações desfavoráveis para a aprendizagem efetiva de todos devido à produção de barreiras para a ciatividade compartilhada em matemática. Então, lança-se dois desafios ao docente atual: a) oferecer oportunidades para o desenvolvimento dos conhecimentos matemáticos de forma criativa e b) instalar espaços de aprimoramento da criatividade compartilhada por meio da  remoção de barreiras. 

Palavras-chave: criatividade em matemática, criatividade compartilhada em matemática, discurso, ensino de matemática, relações de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Tolentino de Carvalho, Docente na Secretaria de Educação do Distrito Federal
Doutor em Educação. Integrante do Pi: Grupo de Pesquisas e Investigações em Educação Matemática.
Cleyton Hércules Gontijo, Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília
Doutor em Educação. Integrante do Pi: Grupo de Pesquisas e Investigações em Educação Matemática.

Referências

ALENCAR, E. M. L. S. D.; FLEITH, D. D. S. Criatividade: Múltiplas perspectivas. 3 ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2003.

ANDERSON, L. W. et. al. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman, 2001.

ARTEAGA, L. A.; VALDÉS, E. A.; MARTÍNEZ, J. L. D. S. El Desarrollo de la Creatividad em la Enseñanza de la Matemática. El reto de la educación matemática en el siglo XXI. Revista Conrado, v. 12, 84-92, 2016.

BEGHETTO, R. A. Creativity in the Classroom. In: KAUFMAN, J. C.; STERNBERG , R. J. The Cambridge Handbook of Creativity. New York: Cambridge University Press, Cap. 23, p. 441-463, 2010.

BOALER, J. Mentalidades matemáticas: estimulando o potencial dos estudantes por meio da matemática criativa, das mensagens inspiradoras e do ensino inovador. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Penso, 2018.

BOLDEN, D. S.; HARRIES, T. V.; NEWTON, D. P. Pre-service primary teachers’ conceptions of creativity in mathematics. Educational Studies in Mathematics , v. 73, p. 143–157, 2010.

BONILLA, F. J. El cuento y la creatividad como preparación a la resolución de problemas matemáticos. Educación Matemática en la Infancia, v. 3, n. 1, p. 117-143, 2014.

BRUNET, L. Clima de trabalho e eficácia da escola. (ed), As. In: (ED.), A. N. As organizações escolares em análise. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1992. p. 121-139.

CANNON-BOWERS, J. A.; SALAS, E. Reflections on shared cognition. Journal of Organizational Behavior, v. 22, n. 2, p. 195-202, 2001.

CARVALHO, A. T. Apagar e corrigir: cadernos limpos cabeça confusa. Contribuições à teoria das situações didáticas e criatividade nas aulas de matemática. Perspectivas da Educação Matemática, v. 7, n. 13, p. 38-59, 2014.

CHAN, D. Functional relations among constructs in the same content domain at different levels of analysis: A typology of composition model. Journal of Applied Psychology, v. 83, p. 234-246, 1998.

CHRISTOU, C. CREATIVITY AND IMAGINATION IN MATHEMATICS. The 10th Mathematical Creativity and Giftedness International Conference. Nicosia, Cyprus: Publisher: Department of Education, University of Cyprus, p. 17-26. 2017.

COOKE, N. J. et al. Measuring team knowlwdge. Human Factors, v. 42, p. 151-173, march 2000.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Creativity. Nova York: HarperCollins, 1996.

DELEUZE, G.; GUATTARI , F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, v. 2, 1995.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Language and power. New York: Longman, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GLĂVEANU, V. P. Distributed Creativity: thinking outside the box of the creative individual. Londres: Springer, 2014.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GUASTELLO, S. J. Non-linear Dynamics and Leadership Emergence. The Leadership Quarterly, Milwaukee, WI, v. 18, n. 4, p. 357-369, agosto 2017.

GUO, J.; DILLEY, E.; GONZALES, R. Creativity and Leadership in Organizations: A Literature Review. Creativity. Theories – Research – Applications, Bialystok-Polônia, v. 3, n. 1, p. 127-151, 2016.

KOZLOWSKI, S. W. J.; KLEIN, K. J. A multilevel approach to theory and research in organizations: Contextual, temporal, and emergent processes. In: KLEIN, K. J.; KOZLOWSKI; S. W. J. Multilevel theory, research and methods in organizations: Foundations, extensions, and new directions. San Francisco, CA: Jossey-Bass, 2000. p. 3-90.

LEIKIN, R. Developing mathematical creativity and expertise in students and teachers: focusing on multiple solution and investigation tasks. The 10th Mathematical Creativity and Giftedness International Conference. Nicosia, Cyprus: Department of Education, University of Cyprus, p. 7-16, 2017.

LEIKIN, R. Evaluating mathematical creativity: the interplay between multiplicity and insight. Psychological Test and Assessment Modeling, v. 55, n. 4, p. 385-400, 2013.

LITHNER, J. A research framework for creative. Educational Studies in Mathematics, v. 67, p. 255–276, 2008.

MANN, E. L. Creativity: The Essence of Mathematics. Journal for the Education of the Gifted, v. 30, n. 2, p. 236-260, 2006.

MARTÍNEZ, A. M. Aprendizagem criativa: uma aprendizagem diferente. In: MITJÁNS MARTÍNEZ, A.; SCOZ, B. J. L.; CASTANHO, M. I. S. Ensino e aprendizagem: a subjetividade em foco. Brasília: Liber livros, 2012. p. 85-109.

MIHAJLOVIć, A.; DEJIć, M. USING OPEN-ENDED PROBLEMS AND PROBLEM POSING ACTIVITIES IN ELEMENTARY MATHEMATICS CLASSROOM. The 9th Mathematical Creativity and Giftedness International Conference. Sinaia, ROMANIA: [s.n.], p. 34-41, 2015.

OXFAM. A distância que nos une: um retrato das desigualdades brasileiras. São Paulo: Brief Comunicação, 2017.

PITTA-PANTAZI, D.; SOPHOCLEOUS, P. Higher order thinking in mathematics: a complex construct. The 10th International MCG Conference. Nicosia, Cyprus: University of Cyprus. p. 72-78, 2017.

SAWYER, K. Group Genious: The creative power of collaboration. New York: Basic Books, 2007.

SHEFFIELD, L. J. Dangerous myths about “gifted” mathematics students. ZDM Mathematics Education, v. 49, p. 13–23, 2017.

SWAAB, R. et al. Shared Cognition as a Product of, and Precursor to, Shared Identity in Negotiations. Personality and Social Psychology Bullettin, v. 33, p. 187-199, 2007.

RENZULLI, J. S.; GENTRY, M.; REIS, S. M. A time and palace for authentic learning Educational Leadership, v. 26, p. 73-77, 2004.

VAN DIJK, T. Discurso e Poder. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2015.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Publicado
2020-08-24
Métricas
  • Visualizações do Artigo 53
  • ♪ÁUDIO♪ downloads: 5
Como Citar
DE CARVALHO, A. T.; GONTIJO, C. H. DISCURSOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E A CONSTRUÇÃO DE BARREIRAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE COMPARTILHADA. Cenas Educacionais, v. 3, p. e7469, 24 ago. 2020.
Seção
Dossiê Temático - Ensino e Discurso