JOGOS DIGITAIS E FUNÇÕES EXECUTIVAS EM ESCOLARES COM TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH): ALGUMAS REFLEXÕES

Palavras-chave: Jogos digitais. Funções Executivas. TDAH.

Resumo

Neste artigo buscamos refletir sobre os jogos digitais e as possibilidades de desenvolvimento das Funções Executivas (FE) em escolares com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade/Impulsividade (TDAH). Seguimos uma abordagem qualitativa e realizamos uma revisão de literatura a partir de textos produzidos no período de 2012 a 2018. Para esse fim, selecionamos alguns pesquisadores que estudam os jogos digitais e o desenvolvimento das Funções Executivas em escolares com o TDAH, com destaque para os estudos de Alves (2016); Tourinho, Bonfim e Alves (2016); Rodrigues (2014), os quais abordam o uso de jogos como recurso de desenvolvimento das FE, a partir de uma perspectiva neuropsicológica. Os autores apontam em suas pesquisas que a integração mediada dos jogos digitais no cotidiano da sala de aula pode possibilitar outros percursos para as aprendizagens dos alunos e, por conseguinte, ampliar o desenvolvimento das Funções Executivas em escolares que têm o TDAH, frente ao contexto tecnológico atual. Os jogos digitais não são os únicos recursos que podem contribuir com o desenvolvimento das FE em escolares com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, mas os estudos apontam que esses podem sim colaborar para que as crianças avancem a partir das suas contribuições, no desempenho das habilidades executivas do seu funcionamento neuronal, uma vez mediados por professores que planejam suas ações e que tenham objetivos bem definidos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kleonara Santos Oliveira, Mestranda em Tecnologia e Educação pela Universidade Nacional de Buenos Aires. - Argentina

Licenciada em Pedagogia. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire. Coordenadora do Grupo de estudos e pesquisa em Neurodesenvolvimento e Inclusão. 

Cássio dos Santos Lima, Doutorando em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal da Bahia - Brasil

Mestre e Graduado em Psicologia. Membro do Laboratório de Pesquisa em Neuropsicologia Clínica e Cognitiva e do Laboratório de Neuropsicolfarmacologia. 

Fausta Porto Couto, Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais - Brasil

Mestra em Educação. Licenciada em Pedagogia. É líder do Grupo de Pesquisa Juventude, Políticas Públicas e Formação dos Sujeitos; membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire-NEPE; integrante do Grupo de Pesquisa em Educação Física Esporte e Lazer (AGENTE).

Referências

ALVES, L. Gamebook e a estimulação de funções executivas em crianças com indicação de diagnóstico de TDAH: processo de pré-produção, produção e avaliação do software. Revista FAEEBA. Educação e Contemporaneidade, v.25, n.46, p.141-157, 2016.

ALVES, L.; BIANCHIN, M. A. O jogo como recurso de aprendizagem. Revista Psicopedagogia, v.27, n.83, p.282-287, 2010.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Diagnóstic and statical manual of mental disorders. Washington: American Psychiatric, 2014.

BARKLEY, Russell A. et al. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: manual para diagnóstico e tratamento. 3ª Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2008.

COUTINHO, Lynn Alves. Jogos digitais e aprendizagem: Fundamentos para uma prática baseada em evidencias. Campinas: Papirus, 2016.

CUNHA, Antônio Eugênio. Práticas Pedagógicas para inclusão e diversidade. 2 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.

LOPES, Maria da L. C. Inclusão, ensino e aprendizagem do aluno com TDAH. Universidade Aberta do Brasil: Brasilia, 2011.

MATTOS, P. No mundo da lua: perguntas e respostas sobre o transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. 4ed. São Paulo: Lemos, 2003.

NEVES, I. B. C. Jogos digitais e potencialidades para o Ensino de História: Um estudo de caso sobre o history game Tríade – Liberdade, Igualdade e Fraternidade. 2011. 243 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, UFBA, Salvador.

RODRIGUES, Cacilda. O potencial educativo dos jogos digitais. 2014. disponível em: Acesso em: 02/03/2019.

OLABUENAGA, J. I. R.; ISPIZUA, M. A. A investigação da vida cotidiana: métodos de investigação qualitativa. Bilbao: Universidad de deusto, 1989.

ROTTA, N, Tellechea; BRIDI FILHO; BRIDI. Neurologia e Aprendizagem. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

ROTTA, N, Tellechea; OHLWEILER, L. RIESGO, R dos Santos. Transtornos de aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

SIQUEIRA, M. S.; GURGEL-GIANETTI, J. Mau Desempenho escolar: uma visão atual. Revista da Associação Medica Brasileira, v.57, n.1, p.78-87, 2011.

TOURINHO, A.; BONFIM, C.; ALVES, L. Games, TDAH e Funções Executivas: Uma Revisão da Literatura. Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), p.873-

, 2016.

Publicado
2019-06-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1617
  • ♪Áudio♪ downloads: 16
Como Citar
Oliveira, K. S., Lima, C. dos S., & Couto, F. P. (2019). JOGOS DIGITAIS E FUNÇÕES EXECUTIVAS EM ESCOLARES COM TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH): ALGUMAS REFLEXÕES. Cenas Educacionais, 2(1), 29-43. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/6297
Seção
Dossiê Temático