REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO CONTEXTO DA CENTRALIDADE DA SUBJETIVIDADE E DO NEOLIBERALISMO

Palavras-chave: Regulação, Avaliação, Qualidade, Educação, Neoliberalismo

Resumo

O presente artigo objetiva discutir a regulação, avaliação e qualidade da educação no contexto das dimensões norteadas pela crítica à forma de fazer ciência inaugurada na modernidade capitalista; pelo contexto da centralidade da subjetividade decorrente da conformação filosófica, sustentada pela estrutura metodológica hegemônica. Contextualizada a partir da influência que o neoliberalismo impõe aos sistemas educacionais de uma forma geral e à educação brasileira especificamente, que se vê pressionada pela redução da esfera pública, do Estado, com consequente avanço do mercado e da iniciativa privada determinando os rumos da educação em todo país. Ao final reflete a respeito da qualidade da educação nesse contexto. Os aportes teórico-metodológicos centrais do texto sustentam-se em: Gentili (1999; 2013), Marx (2011; 2008), Mészáros (2002), Oliveira (1999), Smith (2003), Tonet (2013) e Tragtenberg (1982).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagnervalter Dutra Júnior, Docente no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe. Membro do Grupo de Pesquisa Estado, Capital, Trabalho e as Políticas de Reordenamento Territorial.

Referências

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Conceito de iluminismo. In: ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Textos escolhidos. 5° Ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991 (Os pensadores).

ADORNO, T. Educação e emancipação. 6° Reimp. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

APPLE, M.W. Para além da lógica do mercado: compreendendo e opondo-se ao neoliberalismo. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2005.

CARNEIRO, V. L. A nova regulação da educação no âmbito das atuais políticas educacionais: algumas ponderações. Anais: VII Jornada Internacional de Políticas Públicas. Cidade Universitária da UFMA. São Luís: Maranhão, 2013.

CHAUÍ, M. Ideologia neoliberal e universidade. In: OLIVEIRA, F.; PAOLI, M. C. (org.). Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemonia global. 2° Ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Brasília: NEDIC, 1999 (pág. 27 – 51).

COLARES, A. A; ARRUDA, E. P.; COLARES, M. L. I. S. O materialismo histórico dialético aplicado na compreensão do fenômeno educacional. Cenas Educacionais, v. 4, n.e11448, p. 1-24, 2021.

COUTINHO, C. N. O estruturalismo e a miséria da razão. 2º Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

FERRETI, C. J.; SILVA, M. R. Reforma do ensino médio no contexto da medida provisória n° 746/2016: Estado, currículo e disputa por hegemonia. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.385-404, abr.-jun., 2017.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 4º Ed. São Paulo: Cortez, 1993.

FRIGOTTO, G. Prefácio. In: AUED, B. W. (Org.). Educação para o (des)emprego. Petrópolis: Vozes, 1999.

GENTILI, P. O discurso da ‘qualidade’ como nova retórica conservadora no campo educacional. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões críticas. 7° Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. (pág. 111 – 177).

GENTILI, P. Adeus à escola pública: a desordem neoliberal, a violência do mercado e o destino da educação das maiorias. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. (org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 19° Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. (pág. 215 – 237).

KANT, I. Crítica da razão pura. São Paulo: Editora Nova Cultural, 2005. (Col. Os pensadores).

MACENO, T. E. Educação e reprodução social: a perspectiva da crítica marxista. São Paulo: Instituto Lukács, 2017.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2° Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

MONTAÑO, Carlos. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002.

MOTA JR., W. P.; MAUÉS, O. C. O Banco Mundial e as políticas educacionais brasileiras. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1137-1152, out./dez. 2014.

OLIVEIRA, F. Privatização do público, destituição da fala e anulação da política: o totalitarismo neoliberal. In: OLIVEIRA, F.; PAOLI, M. C. (org.). Os sentidos da democracia: políticas do dissenso e hegemonia global. 2° Ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Brasília: NEDIC, 1999 (pág. 55 – 81).

PACIEVITCH, T; SOHN, C. E.; POSSOLI, G. E. Políticas educacionais e qualidade da educação: avaliação e formação de professores da educação básica. Anais: X Congresso Nacional de Educação – EDUCERE & I Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação – SIRSSE. PUC-PR. Curitiba, 2011.

SILVA, J. M. O direito à educação e a participação das organizações sociais. Anais: 22º Semana de Mobilização Científica – SEMOC. Universidade Católica de Salvador, 2019.

SMITH, N. Quem manda nesta fábrica de salsicha? Geosul, v. 18, n. 35, 2003.

SPÓSITO, E. S. Geografia e filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

TONET, I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

TRAGTENBERG, M. Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1982.

Publicado
2021-10-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 156
  • ♪Áudio♪ downloads: 4
Como Citar
Dutra Júnior, W. (2021). REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO CONTEXTO DA CENTRALIDADE DA SUBJETIVIDADE E DO NEOLIBERALISMO . Cenas Educacionais, 4, e12582. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/12582
Seção
Artigos (Fluxo Contínuo)