ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM E ADAPTAÇÕES METODOLÓGICAS UTILIZADAS PELOS PROFESSORES NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA ALUNOS COM TEA

Palavras-chave: Estratégias de Aprendizagem, Educação Física, Autismo

Resumo

Este estudo trata-se de uma investigação científica a fim de perceber quais são as estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas nas aulas de Educação Física com alunos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O estudo teve como objetivo descrever e analisar as estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas pelos professores nas aulas de Educação Física para alunos com TEA que frequentam o Núcleo Especializado de Pessoa com Espectro do Autismo (NEPEA) da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Feira de Santana-BA; e identificar as adaptações realizadas nas aulas de Educação Física para favorecer o processo de ensino-aprendizagem dos alunos com TEA. Foi realizada uma pesquisa de campo, de caráter descritivo e de abordagem qualitativa, na qual os dados foram coletados através de uma entrevista semiestruturada e analisados a partir do protocolo de análise de conteúdo. A pesquisa foi realizada na APAE de Feira de Santana, mais especificamente no NEPEA. Os participantes da pesquisa foram 6 professores de Educação Física. Os resultados da pesquisa evidenciaram que os professores, apesar de não terem suporte suficiente em sua formação inicial para trabalho com alunos com TEA, buscaram alternativas e capacitações que auxiliaram no início deste processo. Atualmente, os docentes utilizam estratégias favoráveis nas aulas de Educação Física para turmas de alunos com TEA e sempre que necessário realizam adaptações. Apesar das dificuldades, eles enfatizam a significância e relevância da Educação Física para o desenvolvimento dos alunos com TEA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Santana de Souza, Mestranda em Educação na Universidade Federal da Bahia - Brasil

Licenciada em Educação Física pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Integrante do Núcleo Inter/Transdisciplinar de Ensino, Pesquisa, Extensão de Educação em Saúde.

Suzana Alves Nogueira, Professora na Universidade Estadual de Feira de Santana - Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Integrante do Núcleo de Educação Física e Esporte Adaptado.

Referências

ADURENS, Fernanda Delai Lucas; VIEIRA, Camila Mugnai. Concepção de professores sobre a inclusão do aluno com autismo: uma pesquisa bibliográfica. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, v. 18, n. 2, 2019.

AGUIAR, Renata Pereira de.; PEREIRA, Fabiane Silva; BAUMAN, Claudiana Donato. Importância da Prática de atividade física para as pessoas com autismo. Revista de Saúde e Ciências Biológicas, v.5, n.2,2017.

ALMEIDA, Marina da Siveira Rodrigues; PACHECO, José. Caminhos para a inclusão humana: valorizar a pessoa, construir o sucesso educativo: teoria: prática. 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70. 1977.

BEYER, Hugo Otto. Inclusão e avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais. 2. ed. Mediação, 2005. 128 p.

BOSA, Cleonice Alves. Autismo: intervenções psicoeducacionais. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 28, p. s47-s53, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto escola viva: garantindo o acesso e a permanência de todos os alunos na ecola – alunos com necessidades educacaionais especiais. Adaptações Curriculares de pequeno porte, 6. Brasília: MEC, SEF. 2000.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEEP, 2008. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/>. Acesso em: 23 de março de 2020.

CARVALHO, R. E. Diferença, deficiência, necessidades educacionais especiais. In: EDLER, R. Temas em Educação especial. 3a ed. Rio de Janeiro: WVA Ed., 2003.

DA SILVA, Marília Marluce; NUNES, Cícera Alves; SOBRAL, Maria do Socorro Cecílio. A Inclusão Educacaional de Alunos com Autismo: Desafios e Possibilidades. ID on Line REVISTA MULTIDISCIPLINAR DE PSICOLOGIA, v.13, n.43, p.151-163, 2019.

DINIZ, Debora. O que é deficiência. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 2007. 80 p.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KLIN, Ami. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral Autism and Asperger syndrome: an overview. Rev Bras Psiquiatr, v. 28, n. Supl I, p. S3-11, 2006.

KLIN, Ami; MERCADANTE, Marcos T. Autismo e transtornos invasivos do desenvolvimento. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 28, p. s1-s2, 2006.

LISBOA. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (Org.). Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. 2004. Disponível em: <http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2014/11/CLASSIFICACAO-INTERNACIONAL-DE-FUNCIONALIDADE-CIF-OMS.pdf>. Acesso em: 09 out. 2019.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. Ludicidade: o que é mesmo isso, p. 22-60, 2005.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & saúde coletiva, v. 17, p. 621-626, 2012.

QUEDAS-CATELLI, Carolina et al. O Transtorno do Espectro Autista e a Educação Física Escolar: A Prática do Profissional da Rede Estadual de São Paulo. CIAIQ2016, v. 1, 2016.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Mídia e deficiência. Brasília: andi/Fundação banco do brasil, p. 160-165, 2003.

SILVA, Clodoaldo Matias da; NASCIMENTO, Herica Thayse Barboza. Perturbações do espectro do autismo: uma revisão bibliográfica dos benefícios da prática de educação física em alunos com necessidades educativas especiais. 2019.

SILVA, Régis Henrique dos Reis; SOUSA, Sônia Bertoni; VIDAL, Maria Helena Candelori. Dilemas e perspectivas da educação física, diante do paradigma da inclusão. Pensar a Prática, v. 11, n. 2, p. 125-135, 2008.

SOARES, Angélica Miguel; CAVALCANTE NETO, Jorge Lopes. Avaliação do comportamento motor em crianças com transtorno do espectro do autismo: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 3, p. 445-458, 2015.

SOUZA, Amanda Santana de; NOGUEIRA, Suzana Alves. Práticas pedagógicas inclusivas nas aulas de educação física escolar. In: BRASIL. Osni Oliveira Noberto da Silva. (Org.). Coleção Movimentação: debates e propostas. Pesquisas e práticas educacionais inclusivas. 6. ed. Goiânia - Go: Kelps, 2018. Cap. 7. p. 1-213.

SOUZA, Jessica Rezende; DE ASSIS, Renata Machado. Alunos autistas nas aulas de educação física: limites e possibilidades do trabalho cotidiano. Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino (EDIPE) do Centro de Estudos e Pesquisas em Didática (CEPED), v. 6, 2015.

TOMÉ, Maycon C. Educação física como auxiliar no desenvolvimento cognitivo e corporal de autistas. Movimento e Percepção, v. 8, n. 11, 2007.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, v. 37, n. 4, p. 863-869, 2011.

Publicado
2021-06-15
Métricas
  • Visualizações do Artigo 669
  • ♪Áudio♪ downloads: 6
Como Citar
Souza, A. S. de, & Nogueira, S. A. (2021). ESTRATÉGIAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM E ADAPTAÇÕES METODOLÓGICAS UTILIZADAS PELOS PROFESSORES NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA ALUNOS COM TEA. Cenas Educacionais, 4, e11755. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11755
Seção
Dossiê Temático