RESSIGNIFICANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DO ESTÁGIO NACIONAL DE EXTENSÃO EM COMUNIDADE (ENEC) EM TERRITÓRIOS QUILOMBOLAS DA BAHIA

Palavras-chave: Pessoal de Saúde, Formação Profissional em Saúde, Extensão Comunitária, Grupo com Ancestrais do Continente Africano, Origem Étnica e Saúde

Resumo

Este artigo tem como objetivo relatar a experiência de participantes e organizadoras(es) do Estágio Nacional de Extensão em Comunidade (ENEC), realizado em comunidades quilombolas do sudoeste baiano em dezembro de 2017, enfocando o processo de formação em saúde a partir deste. As vivências foram descritas em relatórios e para sistematização utilizamos a proposta metodológica de Holliday. Os resultados foram divididos em três categorias: história, identidade e organização comunitária; representação e necessidades de saúde da população quilombola; e educação popular como estratégia de formação em saúde. O que se apresenta é um potente processo reflexivo na formação em saúde de participantes, que se estende para seus cenários de formação e prática longitudinalmente. O estágio de vivência em comunidade se mostra uma importante prática pedagógica de articulação entre saber popular e acadêmico e busca da decolonialidade do processo formativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Etna Kaliane Pereira da Silva, Doutoranda em Saúde Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais - Brasil

Graduada em Nutrição e Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia. Integrante do Grupo de Pesquisa em Doenças Crônicas e Ocupacionais – GERMINAL.

Margarete Costa Santos, Especialista em Enfermagem Obstétrica sob a forma de residência pela Universidade Federal da Bahia - Brasil

Graduada em Enfermagem. Integrante do grupo de pesquisa Condições de Saúde de Mulheres no Município de Salvador-Bahia

Karen Garcia de Godoy, Especialista em Saúde Mental da Universidade de Campinas - Brasil

Graduada em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos. Compõe o Movimento da Luta Antimanicomial de Campinas

Raiane Silva Sousa, Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos - Brasil

Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas Psicossociais de São Carlos.

Amanda Dourado Curcio, Graduanda em Psicologia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Brasil

Integrante do Núcleo de Pesquisas e Estudos em Psicologia.

Diana Ramos de Oliveira Santos, Residente no programa multiprofissional de Saúde Mental da Universidade do Estado de São Paulo - Brasil

Graduada em Enfermagem.

Referências

BEZERRA, V. M. et al. Pré-hipertensão arterial em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. e00139516, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00005716. Disponível em <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2017000405013&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

BRASIL. Decreto nº. 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 21 nov. 2003. p. 4. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/D4887.html>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 992, de 13 de maio de 2009. Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 14 Maio 2009. Disponívem em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt0992_13_05_2009.html>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

BRASIL. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2017. Disponívem em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html>. Acesso em: Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

CARRICONDE, C. Introdução ao uso de fitoterápicos nas patologias de APS. Olinda, PE: Centro Nordestino de Medicina Popular, 2002.

CASTRO, N. J. C. et al. Reflexões acerca da assistência e ensino à saúde de populações tradicionais: inclusão e cenários. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 11, n. 6, p. e556, 9 mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e556.2019. Disponível em: <https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/556>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

COORDENAÇÃO NACIONAL DE ARTICULAÇÃO DAS COMUNIDADES NEGRAS (CONAQ); Terra de direitos (Org). Racismo e Violência contra Quilombos do Brasil. Curitiba: Terra de direitos, 2018. 100-127p. Disponível em: <https://terradedireitos.org.br/uploads/arquivos/(final)-Racismo-e-Violencia-Quilombola_CONAQ_Terra-de-Direitos_FN_WEB.pdf>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

COSTA, D. A. et al. Diretrizes curriculares nacionais das profissões da Saúde 2001-2004: análise à luz das teorias de desenvolvimento curricular. Interface Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0376. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832018005013102&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

CRUZ, P.; CARVALHO, L. E.; ARAÚJO, R. S. Amorosidade como princípio das práticas de saúde orientadas pela educação popular: um estudo bibliográfico. Revista de APS. 2018;21(4). DOI: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16443. Disponível em: <https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/16443>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

CRUZ, P. J. S. C. Extensão Popular: situando a extensão universitária orientada pela Educação Popular. In: CRUZ, P. J. S. C. et al. (Org) Extensão popular: caminhos em construção, João Pessoa-PB: Editora CCTA, 2017.

CRUZ, P.; VASCONCELOS, E. M.. Desvelando processos formativos das práticas extensionistas em Educação Popular na saúde. Interagir: pensando a extensão, 2019, 27. DOI: https://doi.org/10.12957/interag.2019.43065. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/interagir/article/view/43065>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

DEJOURS, C. Por um novo conceito de saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v.14, n.54, p.7-11, abr./ jun.1986. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5751578/mod_resource/content/0/Por%20um%20novo%20conceito%20de%20saude%20DEJOURS.pdf> Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

FALCÃO, E. F. Vivência em comunidades: outra forma de ensino. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. 208p.

FALCÃO, E. F. Extensão popular: caminhos para a emancipação. João Pessoa, Editora do CCTA, 2018. Disponível em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/7753> Acesso em 30 de janeiro de 2020.

FLEURI, R. M. Formação de profissionais da saúde reflexões a partir de vivências estudantis. VASCONCELOS, E. (org.) Perplexidade na universidade: vivências nos cursos de saúde. 2 ed. – São Paulo: Hucitec Editora, 2015.

FURTADO, M. B., PEDROZA, R. L. S., ALVES, C. B. Cultura, identidade e subjetividade quilombola: uma leitura a partir da psicologia cultural. Psicologia & Sociedade, 2014. 26(1), 106-115. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000100012. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822014000100012&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

GOMES, F. S. Mocambos e Quilombos: Uma História do campesinato negro no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2015a.

GOMES, K. O. et al. Utilização de serviços de saúde por população quilombola do Sudoeste da Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, p. 1829-1842, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00151412. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000900022>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

GOMES, L. B. (org.). O Cuidado e a Educação Popular em Saúde: Coleção Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde. 1. ed. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2015b. 262 p. DOI: dx.doi.org/1018310/9788566659405. Disponível em: <http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/colecao-micropolitica-do-trabalho-e-o-cuidado-em-saude/o-cuidado-e-a-educacao-popular-em-saude-pdf/view>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

HOLLIDAY, O. J. Para sistematizar experiências; tradução de: Maria Viviana V. Resende. 2. ed., revista. – Brasília: MMA, 2006. 128 p. (Série Monitoramento e Avaliação, 2). Disponível em: <http://www.edpopsus.epsjv.fiocruz.br/documentos/para-sistematizar-experiencias>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

MACÊDO, M. A.; BERNARDES, J. S. Formação em saúde por meio de vivências em comunidades tradicionais de matrizes africanas: ressignificando competências. Revista Exitus, 2019, 9.5: 102-129. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n5ID1102. Disponível em: <http://ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/1102>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

MELO NETO, J. F. Extensão popular. 2.ed. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. 122p.

MUSSI, R. F. F.; PETRÓSKI, E. L. Síndrome metabólica e fatores associados em quilombolas baianos, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 2481-2490, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018247.13982017. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232019000702481>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

NASCIMENTO, B. Kilombo e memória comunitária: um estudo de caso. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza; Impressa Oficial, 2006a. 117-125p. Disponível em: <https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/projetossociais/eusouatlantica.pdf>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

NASCIMENTO, B. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. In: RATTS, Alex. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza; Impressa Oficial, 2006b. 117-125p. Disponível em: <https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/projetossociais/eusouatlantica.pdf>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

OLIVEIRA, W. J. F. De gente de cor a quilombolas: desigualdades, religião e identidade. Caderno CRH, Salvador, V. 26, 67, P. 139-156, Jan./Abr. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792013000100010. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-49792013000100010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

SANTANA, R. A. R. et al. A equidade racial e a educação das relações étnico-raciais nos cursos de Saúde. Interface (Botucatu). 2019; 23:e170039. DOI: https://doi.org/10.1590/interface.170039. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-32832019000100208&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

SANTOS, R. C.; SILVA, M. S. Condições de vida e itinerários terapêuticos de quilombolas de Goiás. Saúde e Sociedade, v. 23, p. 1049-1063, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300025.170039. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902014000301049&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

SILVA, C. S.; SILVA, J. da. Capítulo 5 Construindo pontes entre a extensão universitária e o quilombo Sítio Veiga: relato de experiência do Numeq. In: LIMA, I.C. et al. (Org) Educação como forma de socialização, volume 3: educação e sociedade: debates contemporâneos para a cidadania Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2018. p. 115.

SILVA, E. K. P. et al. Insegurança alimentar em comunidades rurais no Nordeste brasileiro: faz diferença ser quilombola?. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. e00005716, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00005716. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2017000405013&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 30 de janeiro de 2020.

VIVÊNCIAS DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO POPULAR E SAÚDE NO SUS (VEPOP). Conheça o VEPOP-SUS. VEPOP-SUS, 2021. Disponível em: <http://www.ccm.ufpb.br/vepopsus/home/todos-os-projetos/vepop-sus/>. Acesso em: 28 de março de 2021.

Publicado
2021-09-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 170
  • ♪Áudio♪ downloads: 7
Como Citar
Silva, E. K. P. da, Santos, M. C., Godoy, K. G. de, Sousa, R. S., Curcio, A. D., & Santos, D. R. de O. (2021). RESSIGNIFICANDO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DO ESTÁGIO NACIONAL DE EXTENSÃO EM COMUNIDADE (ENEC) EM TERRITÓRIOS QUILOMBOLAS DA BAHIA. Cenas Educacionais, 4, e11319. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11319
Seção
Dossiê Temático