O Estágio Curricular Supervisionado e o Ensino Remoto: percepções de futuros professores de matemática

Palavras-chave: Ensino Remoto. Estágio Supervisionado.

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender as percepções de futuros professores sobre o Estágio Curricular Supervisionado em Matemática (ECSM) vivenciado por eles em situação de Ensino Remoto Emergencial (ERE). O estudo, de natureza qualitativa, foi realizado no contexto da disciplina de ECSM no período de março a junho de 2021 e integrou duas professoras orientadoras, uma professora supervisora, 20 futuros professores, sendo 16 homens e quatro mulheres em trabalho semanal de oito horas, alternando encontros síncronos e assíncronos. Os dados foram construídos por meio de dois instrumentos: 1) questionário on-line a partir do Google forms, composto de 15 perguntas entre fechadas e abertas e, 2) relatórios finais - escrita descritiva e reflexiva produzida pelos futuros professores ao longo do percurso formativo. Posteriormente, eles foram tratados em aproximação aos pressupostos da análise de conteúdo Bardin (2016) e Franco (2018), o que permitiu reunir suas percepções quanto às condições físicas e tecnológicas da oferta da disciplina bem como às singularidades didático-pedagógicas de seu desenvolvimento. Os resultados mostram que os futuros professores vivenciaram condições tecnológicas favoráveis à realização do ECSM; apresentaram percepções divergentes quanto ao ERE e suas demandas por novos recursos tecnológicos, variados estilos de comunicação e interação entre professores e estudantes; percepções convergentes sobre a pertinência do percurso formativo vivenciado por eles e a necessidade de se promover, sempre, equidade tanto no ensino superior quanto na educação básica seja na pandemia, seja pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Dalvirene Braga, Universidade de Brasília

Possui Licenciatura em Ciências (1987) e em Matemática (1990) pela Universidade Católica de Brasília, pós-graduação em Educação Matemática pela Faculdade Jesus Maria José (2009) e mestrado em Educação pela Universidade de Brasília (2014). É pesquisadora da Universidade de Brasília e professora aposentada da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Atualmente é professora voluntária do Departamento de Matemática da Universidade de Brasília, objetivando participar na coordenação pedagógica das Especializações em Metodologias de Ensino em Matemática ? Anos Iniciais e Ensino Básico, auxiliar na criação da revista científica em ensino de matemática com professores da área e com os grupos de pesquisa GIEM e PI, dar continuidade à realização de projetos de pesquisa das linhas do grupo GIEM, aprovados pelo colegiado do MAT, participar de atividades na área de ensino, extensão e orientação de alunos da graduação, e coordenar o laboratório de ensino de matemática.. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, matemática ensino médio, matemática lúdica, matemática e a língua materna, Resolução de problemas, currículo de educação básica e formação de professores. Integra o Grupo de Investigação em Ensino de Matemática da Universidade de Brasília - GIEM/CNPq/UnB, no qual coordena a linha de pesquisa: Ensino e Aprendizagem de matemática no Ensino Médio. É Consultora Externa do Fundo das Nações Unidas para a Infância - Unicef.

Regina da Silva Pina Neves, Universidade de Brasília

Possui Licenciatura em Matemática (1995) e Especialização em Matemática (1998) pela Universidade Federal de Goiás, Mestrado em Educação (2002) e Doutorado em Psicologia (2008) pela Universidade de Brasília. Tem experiência profissional: 1) na Educação Básica como docente de matemática e coordenadora de área em instituições de ensino públicas e particulares; 2) no Ensino Superior como docente nos Cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia e Coordenadora do Curso de Licenciatura em Matemática; 3) na pós-graduação como docente dos cursos de Especialização em Educação Matemática e Psicopedagogia;coordenadora do Curso de Especialização em Educação Matemática; Docente e orientadora do Mestrado Profissional em Matemática em Rede (PROFMAT); 4) na Educação à Distância como tutora, formadora e autora de material didático para a formação continuada de professores que ensinam matemática (Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais; Ensino Médio) e alfabetizadores de Jovens e Adultos; Atuou como primeira secretária da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (gestão 2010-2013); Atuou como Diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, Regional Distrito Federal (Gestão 2014-2017); Desenvolve consultorias desde 2002 para o Ministério da Educação (MEC), Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e Secretarias Estaduais de Educação nas áreas de tecnologia educacional, formação de professores (presencial, semipresencial e à distância) e avaliação em matemática; Atualmente é professora adjunta do Departamento de Matemática da Universidade de Brasília(UnB); Docente do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Exatas, Mestrado Profissional em Matemática em Rede (PROFMat/IE/UnB); Colaboradora do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação (UnB); Membro dos seguintes Grupos de Pesquisa: Grupo de Investigação em Ensino de Matemática da UnB (GIEM); Grupo de Pesquisa Formação Matemática para o Ensino (ForMatE/UFABC) e Grupo de Pesquisas Interdisciplinares sobre Tecnologias e Educação (ÁBACO/FE/UnB)

Marlene Pereira do Nascimento Mendonça, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Possui graduação em matematica pelo Centro Universitário de Brasília(1997). Atualmente é Professor da secretaria de estado de educação do Distrito Federal. Tem experiência na área de Matemática. É especialista em Metodologias do Ensino de Matemática.

Camila Fernandes Beserra de Oliveira, Universidade de Brasília

Possui ensino médio/segundo grau pelo Centro de Ensino Médio 01 do Gama. Cursou quatro semestres de Estatística na Universidade de Brasília (UnB). Atualmente é graduanda do 3º período de Licenciatura em Matemática na UnB. Fez Iniciação Científica do CNPq enquanto cursava Estatística sobre ?Comparação dos resultados das eleições proporcionais considerando diferentes métodos de distribuição de cadeiras?, sob a orientação do professor Eduardo Yoshio Nakano. Foi monitora no evento Geometria Natalina (2016) promovido pela Sociedade Brasileira de Educação Matemática do Distrito Federal e fez estágio como monitora no Kumon Gama durante 5 meses.

Referências

BARBOSA, C.P.; LOPES, C. E. Uma análise da produção acadêmica brasileira sobre o Estágio Curricular Supervisionado nos cursos de Licenciatura em Matemática. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 18, 2021, pp. 1-23 – e021014.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 3ª reimp., 2016.

BRAGA, M. D.; MENEZES, J. E.; SEIMETZ, R..; SILVA, P. M; SILVA, S. A. Um Estudo Comparativo sobre as Impressões de Alunos das Licenciaturas no Ensino Remoto em Duas Universidades Públicas. Perspectivas da Educação Matemática, v. 14, n. 34, p. 1-19, 12 abr. 2021.

BURIASCO, R. L. C. Avaliação em Matemática: um estudo das respostas dos alunos e professores. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista, Marília, 1999.

DAUANNY, E. B; LIMA, M. S. L; PIMENTA, S. G. Produção teórico-prática sobre o estágio na formação do professor – uma revisão crítica. Revista Interdisciplinar Sulear, Ano 1, n. 3, nov. 2019.

DINIZ PEREIRA, J. E. Formação de professores, trabalho docente e suas repercussões na escola e na sala de aula. Educação & Linguagem, São Paulo: Universidade Metodista de São Paulo, ano 10, n. 15, p. 82-98, jan./jun. 2007.

FEITOSA, M.C.; MOURA, P.S.; RAMOS, M.S. F.; LAVOR, O. P. Ensino Remoto: O que Pensam os Alunos e Professores? In: Congresso sobre Tecnologias na Educação (CTRL+E), 2020, Evento Online. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020. p. 60-68.

FIORENTINI, D.; CASTRO, F. C. de. Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In: FIORENTINI, Dario (org.). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003.p. 121- 156.

FRANCO, M.L.P. B. Análise de conteúdo. 5 ed. Brasília: Liber Livro, 2018.

GATTI, B. A. Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Estudos em Avaliação Educacional. v. 25, n. 57, p. 24 – 54, 2014.

GATTI, B.A.; BARRETO, E.S.S. Professores: aspectos de sua profissionalização, formação e valorização social. Brasília, DF: UNESCO, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2019.

LOPES, A. R. L. V.; PAIVA, M. A. V.; POZEBON, S.; CEDRO, W. L. Estágio Curricular Supervisionado nas licenciaturas em Matemática: reflexões sobre as pesquisas brasileiras. Zetetiké, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 75-93, jan./abr. 2017.

MOREIRA, J. A. M.; HENRIQUES, S.; BARROS, D. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Dialogia, São Paulo, n. 34, p. 351-364, jan./abr. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5585/Dialogia.N34.17123.

MELGAREJO VARGAS, L. M. Sobre el concepto de percepción. Alteridades, vol. 4, núm. 8, 1994, pp. 47-53

PIMENTA, S. G; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2012.

PONTE, J. P., BRANCO, N., QUARESMA, M. Exploratory activity in the mathematics classroom. In Y. Li, E. Silver & S. Li (Eds.), Transforming mathematics instruction: Multiple approaches and practices, Dordrecht: Springer Science+Business. Media Dordrecht, 2014, p. 103- 125.

PRETTO, N.; BONILLA, M. H.; SENA, I. Educação em tempos de pandemia: reflexões sobre as implicações do isolamento físico imposto pela COVID-19. Salvador: Edição do Autor, 2020.

PROENÇA, M. C. Licenciando em matemática na regência de aula: análise de saberes docentes a partir da avaliação de professores tutores tutores1. Educação Matemática. v.14, n.1, pp.85-103, 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/ emp/article/view/5911/6830. Acessado em: 28 de maio 2019.

RICHARDSON, R. J.; PERES, J. A. S. et al. Pesquisa social: método e técnicas. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

TEIXEIRA, B.R.; CYRINO, M.C.C.T. Desenvolvimento da Identidade Profissional de Futuros Professores de Matemática no Âmbito da Orientação de Estágio, Bolema: Boletim de Educação Matemática (Online), v. 29, p. 658-680, 2015.

TEIXEIRA, B. R. CYRINO, M. C. C. T. O estágio supervisionado em cursos de Licenciatura em Matemática: um panorama de pesquisas brasileiras. Educação Matemática. v.15, n.1, pp.29-49, 2013.

Publicado
2021-12-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 272
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 120
Como Citar
Braga, M. D., da Silva Pina Neves, R., Pereira do Nascimento Mendonça, M., & Fernandes Beserra de Oliveira, C. (2021). O Estágio Curricular Supervisionado e o Ensino Remoto: percepções de futuros professores de matemática . Revista Baiana De Educação Matemática, 2(01), e202130. https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.12765
Seção
Dossiê Temático - O Estágio Curricular Supervisionado em Matemática