O Processo De Construção De Um Material Educacional Na Perspectiva Da Educação Matemática Inclusiva Para Um Aluno Autista

Palavras-chave: Formação de professores., residência pedagógica., Autismo., Educação matemática Inclusiva.

Resumo

Este trabalho relata uma experiência da mestranda/preceptora/docente em uma escola regular de educação básica junto a residentes do programa de Residência Pedagógica em Matemática da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, polo Seropédica, no biênio 2018/2019, tendo um aluno autista incluído em uma turma de 8º ano do ensino fundamental II. Há uma breve fundamentação teórica sobre formação docente para inclusão. Em seguida, são apresentados alguns aspectos relevantes sobre o programa de Residência Pedagógica, destacando a articulação entre formação e prática docente e a caracterização da pesquisa em desenvolvimento. Apresentamos, resumidamente, as análises dos resultados a partir de excertos dos relatórios de residentes/estagiários que evidenciam a relevância da interlocução e do coletivo formado por preceptor e residentes na construção de práticas que incluam o aluno autista. Como resultados, entendemos que conhecer melhor os estudantes autistas e suas especificidades em um trabalho coletivo seja o melhor caminho para a sua inclusão e para a formação inicial docente matemática para a inclusão a partir da vivência e compartilhamento de decisões e situações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisela Maria da Fonseca Pinto, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, campus Seropédica.

Doutora e Mestre em Ensino de Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática da UFRJ, com Estágio Pós-Doutoral no mesmo Programa. Professora Adjunta do Departamento de Matemática da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, campus Seropédica, coordenando o Programa Residência Pedagógica no curso de Matemática do campus Seropédica na UFRRJ e colaborando com o PET Matemática também na UFRRJ. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática, atuando na formação inicial e continuada de professores que ensinam matemática. Pesquisa na área da Educação Matemática Inclusiva e tem experiência com tecnologias digitais para ensino de Matemática.

Amália Bichara Guimarães, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Possui graduação em Licenciatura pelo Centro Educacional Geraldo Dibiase (2004). Atualmente é docente regente da Prefeitura Municipal de Seropédica. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática. Especialista em Ensino de Matemática pela UFRJ e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática UFRRJ. Preceptora do Programa de Residência Pedagógica em Matemática da UFRRJ.

Referências

ARANHA, M. S. F. Projeto Escola Viva garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola: Alunos com necessidades educacionais especiais/ Adaptações Curriculares de Pequeno Porte. Brasília: MEC/SEE, 2000. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me000449.pdf. Acesso em: 08 out. 2020.

BALL, D.; M.H. THAMES; G. PHELPS. Content Knowledge for teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education, v.59, n.5, p.389-407, 2008.Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/255647628_Content_Knowledge_for_Teaching_What_Makes_It_Special Acesso em: 12 abr.2018

BARDIN, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70. Disponível em: https://www.ets.ufpb.br/pdf/2013/2%20Metodos%20quantitat%20e%20qualitat%20-%20IFES/Livros%20de%20Metodologia/10%20-%20Bardin,%20Laurence%20-%20An%C3%A1lise%20de%20Conte%C3%BAdo.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portaria n.° 206, de 21/10/2011. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Ministério da Educação, 2011. Disponível em: https://www.normasbrasil.com.br/norma/portaria-206-2011_231356.html Acesso em: 14 maio 2020.

FARIA, J.B.; PEREIRA, J.E.D. Residência Pedagógica: afinal, o que é isso? R. Educ. Públ. Cuiabá, v. 28, n. 68, p. 333-356, maio/ago. 2019. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/8393 Acesso em: 13 maio 2020.

GIL, Antonio Carlos et al. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.

GINDIS, B. Remediation Through Education: Sociocultural Theory and Children with Special Needs. In: KOZULIN, A. et al. Vygotsky’s Educational Theory in Cultural Context. New York: Cambridge University Press, 2003. p.200-221 apud STETSENKO, A.; SELAU, B. A abordagem de Vygotsky em relação à deficiência no contexto dos debates e desafios contemporâneos: Mapeando os próximos passos. Educação revista quadrimestral. Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 315-324, set. - dez. 2018. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/32668/17610Acesso em: 06 abr .2020.

MARCONDES, F.G.V.; LIMA, P.C.; A busca pela receita de inclusão na formação de professores: o olhar para o outro e a empatia matemática como um caminho possível. Boletim GEPEM. n. 76, 2020. Disponível em: http://costalima.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/513/888. Acesso em: 01 out. 2020.

MENESES, A. F. P..; FUENTES-ROJAS, M.; D´ANTONA, A.O. Triangulação de métodos: estratégia metodológica na pesquisa interdisciplinar sobre o cuidado às pessoas vivendo com hiv/aids.. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão – REDD. Vol.10, nº.1, p. 52-64, 2018. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/redd/index Acesso em: 04 ago. 2020.

MOREIRA. P..; FERREIRA., A.C. O Lugar da Matemática na Licenciatura em Matemática Boletim de Educação Matemática, vol. 27, núm. 47, dez., 2013, pp. 985-1005 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Rio Claro, Brasil. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2912/291229747014.pdf Acesso em: 05 ago. 2020.

PLETSCH, M. D (org.).; DAMASCENO, A. (org.) Educação Especial e Inclusão Escolar Reflexões sobre o Saber Pedagógico. EDUR: Editora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ. Disponível em: http://r1.ufrrj.br/im/oeeies/wp-content/uploads/2015/03/Livro-Educa%C3%A7%C3%A3o-Especial-Inclus%C3%A3o-Escolar.pdf Acesso em: 20 abr.2020.

PLETSCH, M. D. A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Educar, Curitiba, n. 33, p. 143-156, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n33/10.pdf. Acesso em: 09 maio 2020.

PLETSCH, M. D.; LIMA, M. F.C. A Inclusão Escolar de Alunos com Autismo: Um Olhar sobre a Mediação Pedagógica. I Seminário Internacional de Inclusão Escolar: práticas em diálogo. CAP - UERJ, 2014, Rio de Janeiro, RJ. Anais eletrônicos... Disponível em: http://www.cap.uerj.br/site/images/stories/noticias/4-Pletsch_e_Lima.pdf Acesso em: 01 maio 2020.

PLETSCH, M. D.; SOUZA, F. F.; ORLEANS, L.F.. A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 14, n. 35, 2017. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/3114 Acesso em: 21 abr.2020.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E.C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico, 2. ed. – Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em:http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf. Acesso em: 26 maio 2020.

RODRIGUES, D. Os Desafios da Equidade e da Inclusão na Formação de Professores. Revista Nacional e Internacional de Educación Inclusiva. v. 7, n. 2, 2014. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4773176. Acesso em: 29 jul. 2020.

SHULMAN, L.S.Knowledge an teaching: Foudations of the new reform. Harvard Educational Review, Harvard, v.57, n.1, p.1-22,1987.Disponível em: https://people.ucsc.edu/~ktellez/shulman.pdf Acesso em: 12 abr. 2018

STETSENKO, A.; SELAU, B. A abordagem de Vygotsky em relação à deficiência no contexto dos debates e desafios contemporâneos: Mapeando os próximos passos. Educação revista quadrimestral. Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 315-324, set. - dez. 2018. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/32668/17610Acesso em: 06 abr .2020.

VIGOTSKI, L. S. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 861-870, dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v37n4/a12v37n4.pdf Acesso em: 28 abr.2020.

Publicado
2020-12-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 46
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 24
Como Citar
Pinto, G. M. da F., & Guimarães, A. B. (2020). O Processo De Construção De Um Material Educacional Na Perspectiva Da Educação Matemática Inclusiva Para Um Aluno Autista. Revista Baiana De Educação Matemática, 1, e202020. https://doi.org/10.47207/rbem.v1i.10317