Folias de Reisados do Vale do Jequitinhonha em Itagimirim/Ba: Memórias, saberes e sociabilidades

Palavras-chave: Reisado, Memórias, Saberes

Resumo

Este artigo descreve alguns dados de uma pesquisa que teve como objetivo evidenciar os saberes oriundos de memórias e a didática que foliões e folionas que realizam as Folias de Reisado desenvolvem no planejamento e execução dos cortejos em Itagimirim, Bahia. Os diversos saberes do Reisado possuem um grande potencial e possibilita uma aproximação ao ensino formal. Para isso se faz necessário observar e aprender através da oralidade. Utilizamos como fontes para este artigo as entrevistas e relatos dos foliões em roda de conversa. Por fim, ressaltamos que os cantos, danças e manuseios dos instrumentos são importantes aprendizados que são compartilhados e também contribuem como signos de identidades na fronteira, neste foco de análise os grupos étnicos e raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jairo Viana de Castro, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)
Folião de Reisado, Licenciado em Histoória pela Universidade da Bahia (UNEB), Mestre em Relações Etnicas e Raciais pela Universidade Federal do Sul da Bahia.
Joceneide Cunha dos Santos, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Doutora em História pela Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Referências

ABREU, Marta. Cultura popular: um conceito e várias histórias. In: ABREU, Marta. Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. Martha Abreu & Rachel Sohiet (orgs). Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de. FRAGA, Walter Filho. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Avila, Eliana Lourenço de lima reis, Glaucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte. Editora UFMG. 1998.

CANCELA, Francisco Eduardo Torres. De projeto a processo colonial: Índios, colonos e autoridades régias na colonização reformista da antiga capitania de porto seguro. (1763-1808). Tese Doutorado. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-Graduação em História, Salvador, 2012.

CANCELA, Francisco. A presença de não-índios nas vilas de índios de porto seguro: Relações interétnicas, territórios multiculturais e reconfiguração de identidade – reflexões iniciais. Artigo. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 42-61, jul./dez.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. CONSELHEIROS: Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva (Relatora), Carlos Roberto Jamil Cury, Francisca Novantino Pinto de Ângelo e Marília Ancona-Lopez. Brasília-DF, 10 de março de 2004.

HALL, Stuart. A identidade cultural pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. Guacira Lopes Louro. 11º Ed.Rio de Janeiro: DP& A. 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: www.ibge.gov.br acesso dia 06-05-12 às 13h00min.

IBGE.http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?lang=&codmun=291530&search=||infogr%E1ficos:-dados-gerais-do-munic%EDpio acesso 11-11-2014, as 00:42 horas.

IBGE. Censo demográfico: dados gerais, migração, instrução, fecundidade, mortalidade / Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. – Rio de Janeiro: IBGE, 1982 – 1983. 26 V. : tab. – (Recenseamento geral do Brasil 1980, 9. V. 1, t. 4) pg. 21. 86- 87.

JUNGE, Peter. HUG, Alfons. Arte da África. Centro cultural Banco do Brasil. Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, 2003/2004.

KAHÊ, Carlos. Sangue na rua das flores. Helvécia. 2002.

MAIA, Eduardo Santos. Impressões de viagem de Belmonte à Arassuai: Sul da Bahia e Nordeste de Minas. 2°ed.São Paulo: Ed.CEDIPLUS, 1936.

MORAES FILHO, Melo. Festas e Tradições populares do Brasil. Prefácio de Sílvio Romero. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979. pp.69-75. (Revisão e notas de Luís da Câmara Cascudo).

MOURA, Glória. O Direito à Diferença. Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada. Kabengele Munanga, organizador. – [Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

NASCIMENTO, Nilson do Carmo A. Cachoeirinha: Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeirinha do Baixo Jequitinhonha– Brasília, 2010.

OLIVEIRA, Luiz F. Mendes & TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. Patrimônio, turismo e desenvolvimento: um estudo sobre a puxada do mastro de são Sebastião em Olivença, Ilhéus-Bahia. In: CULTUR, ano 11 - nº 03 – Out/2017.

PEDROZA, Reigler Siqueira. A performance da folia de São Sebastião [manuscrito]: aspectos simbólicos de um ritual na comunidade Quilombola Magalhães – GO. Universidade Federal de Goiás: dissertação de mestrado em Ciências Sociais, 2013.

POLLAK, Michel. Memória e identidade social. Conferência foi transcrita e traduzida por Monique Augras. Estudos históricos, Rio de janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

RUELA, Beatriz Tomaz. Ultrapassando os limites das instituições: a roda de samba como espaço de educação não formal. Revista do Instituto de Ciências Humanas, v.7, n.7 , p. 56 - 62, jan. - jul. 2012.

SANTANA, Gean Paulo Gonçalves. Vozes e versos quilombolas uma poética identitária e de resistência em Helvécia. Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-graduação em Letras. Universidade do Estado da Bahia, Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagens, Doutorado Interinstitucional (DINTER). Porto Alegre, 2014.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves E. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil étnico-raciais no Brasil. Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3 (63), p. 489-506, set./dez. 2007.

SILVA, Salomão Jovino da. As culturas musicais dos retornados, ou brasileiros da Costa atlântica africana. Cultura afro-brasileira: temas fundamentais em ensino, pesquisa e extensão [recurso eletrônico] / organização José Carlos Gomes da Silva, Melvina Araújo. - 1. ed. - São Paulo: Alameda, 2017.

SILVA. José Carlos Gomes da. Territorialidades negras na cidade de São Paulo: lugares de memórias, sonoridades, tempos e pessoas. Cultura afro-brasileira: temas fundamentais em ensino, pesquisa e extensão [recurso eletrônico] / organização José Carlos Gomes da Silva, Melvina Araújo. - 1. ed. - São Paulo: Alameda, 2017.

SOUZA, Marina Mello. “Catolicismo negro no Brasil: santos e minkisi, uma reflexão sobre miscigenação cultural”. In: Salvador, UFBA: Afro-Ásia, 28 (2002), 125-146.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 13
  • PDF downloads: 19