O ensino das literaturas africanas no livro didático de Língua Portuguesa do Ensino Médio: A formação do leitor literário

Palavras-chave: Literaturas Africanas, Livro Didático, Ensino Médio, Formação do Leitor

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar os resultados de uma pesquisa sobre o Livro Didático de Língua Portuguesa do Ensino Médio, ressaltando o ensino das literaturas africanas, com vistas à formação do leitor literário. Tomaram-se como corpus as coleções do 1º ao 3º ano de Língua Portuguesa selecionadas pelos docentes do Centro Territorial de Educação Profissional do Piemonte da Diamantina II, em Jacobina – Bahia, em 2017, tendo como parâmetros a Lei 10.639/ 03, que torna obrigatório o estudo da História e Cultura Afro-brasileira na educação básica; o Guia de Livro Didático de Língua Portuguesa do Ensino Médio 2018, que auxiliou os docentes na escolha do livro didático; a Sociologia da Literatura, que compreende a obra literária como instrumento de concretização das ações socioculturais conduzidas pela coletividade e a Sociologia da Leitura, que discute a diferenciação dos conteúdos e usos da leitura. Optou-se pela análise documental, a fim de observar o contexto de produção das coleções, seus autores, a autenticidade e a confiabilidade, a natureza, os conceitos-chave e a lógica interna do texto. Alguns resultados demonstraram que: a) não há abordagem de conteúdos referentes às literaturas africanas nos volumes 1 e 2 e pouca aderência a esses conteúdos no volume 3; b) há carência de textos de autoria feminina; c) omite-se do processo de constituição da produção literária de todos os países africanos lusófonos, levando em consideração o contexto sócio-histórico de cada um, bem como os estilos individuais de seus escritores; d) torna-se imprescindível que as narrativas orais sejam contempladas, uma vez que é através dessas narrativas que os povos africanos reforçam os valores e costumes de suas culturas e e) as atividades didáticas incidem mais nos aspectos formais do texto e no nível de compreensão textual, explorando pouco os recursos interlocutivos e críticos, numa perspectiva intertextual e interdiscursiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Dias de Carvalho Sousa, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Doutora em Letras, área de concentração Teoria da Literatura (2014), pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Mestra em Estudo de Linguagens, linha de pesquisa Leitura, Literatura e Identidade (2008), pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Especialista em Língua Portuguesa (1998 - UNEB) , Avaliação (2002 - UNEB) e Mídias na Educação (2013) , pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), e Graduada em Letras com Inglês (1995 - UNEB). Pertence ao quadro docente da Universidade do Estado da Bahia, desde 2001, e da Secretaria de Educação do Estado da Bahia, desde 1994. Professora Permanente do Mestrado Profissional em Educação e Diversidade (MPED), Campus IV, Jacobina - Ba. Atuou em programas de capacitação e formação profissional , como PROESP, Plataforma Freire e Programa Todos pela Alfabetização - TOPA, de 2009 a 2011. Formadora do Projeto Leituração Ano III. Coordenadora Pedagógica do Polo de Jacobina do Programa Universidade para Todos (UPT), desde 2017. Possui experiência em ensino (Língua Portuguesa, Práticas Discursivas, Leitura, Teoria da Literatura, Literatura Infantil e Juvenil, Metodologia do Trabalho Científico, Práticas Pedagógicas e Estágio Supervisionado de Língua Portuguesa), extensão (Formação de Leitores, Contação de Histórias, Produção Textual e Avaliação) e pesquisa, atuando como líder do Grupo de Pesquisa: Linguagem, Estudos Culturais e Formação do Leitor (LEFOR), no DCHIV, UNEB. Além disso, é Membro Efetivo da Academia Jacobinense de Letras, escritora, organizadora e revisora de textos acadêmicos.

Referências

ABAURRE, Maria Luiza M.; ABAURRE, Maria Bernadete M.; PONTARA, Marcela. Português: contexto, interlocução e sentido, v. 3. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. [2018].

BRASIL. Ministério da Educação. PNLD 2018: língua portuguesa – guia de livros didáticos – Ensino Médio/. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretária de Educação Básica, 2017.

BRASIL. Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio. Brasília, 2008. Disponível em www.mec.gov.br. Acesso em: 14 fev. 2015.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

CEREJA, William; VIANNA, Carolina Dias Vianna; DAMIEN, Christiane. Português contemporâneo - diálogo, reflexão e uso, v. 1, 2 e 3. São Paulo: Saraiva, 2016.

COUTO, Mia. E se Obama fosse africano? São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

COUTO, Mia. Estórias abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Editora UNESP/ Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

CHARTIER, Roger; CAVALLO, Guglielmo (org.) História da leitura no mundo ocidental. São Paulo: Ática, 1998.

CUTI [Luiz Silva]. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

DARNTON, Robert. A leitura rousseauista e um leitor “comum” no século XVIII. In: CHARTIER, Roger (org.) Práticas da leitura. São Paulo: Ed. Liberdade, 2001.

DÉTREZ, Chistine. Uma encuesta longitudinal sobre las práticas de lectura de los adolescentes. In: LAHIRE, Bernard (comp.). Sociología de la lectura: del consumo cultural a las formas de la experiencia literaria. Barcelona: GEDISA: 2004.

FERREIRA, Manuel. Literaturas africanas de expressão portuguesa I. Lisboa: ICP, 1977.

GATTI JÚNIOR, Décio. A escrita escolar da história: livro didático e ensino no Brasil. Bauru, SP: Edusc; Uberlândia, MG: Edufu, 2004.

HORELLOU-LAFARGE, Chantal; SEGRÉ, Monique. Sociologia da leitura. Cotia: Ateliê Editorial, 2010.

LAHIRE, Bernard (comp.). Sociología de la lectura: del consumo cultural a las formas de la experiencia literaria. Barcelona: GEDISA: 2004.

LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2000.

OLIVEIRA, João Batista Araújo et al. A política do livro didático. Campinas: UNICAMP, 1984.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

RICHARDSON, Roberto Jarry et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. 16. reimpr. São Paulo: Atlas, 2015.

ROSA, Guimarães. Primeiras estórias. 15. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SECRETARIA de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

SOUSA, Denise Dias de Carvalho. Abordagem das literaturas africanas no livro didático de língua portuguesa do ensino médio. In: Anais do XIX Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, v. 1, n. 40, p. 2-14, Salvador: UFBA, 2018.

SOUSA, Denise Dias de Carvalho. As literaturas africanas pelo viés do livro didático. Revista Trama, V. 13, N. 30, 2017, p. 148 – 167.

SOUSA, Denise Dias de Carvalho. O ensino de literatura sob a perspectiva do livro didático de língua portuguesa do ensino médio. Pensares em Revista, São Gonçalo-RJ, n. 16, p. 70-80, 2019.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 45
  • PDF downloads: 34