Cosmovisões no universo fictício de "Black Panther" e o ensino de Geografia da África: Possíveis convergências

Palavras-chave: epistemologia, produção do conhecimento, decolonialidade

Resumo

Este ensaio é uma tentativa de buscar relações acerca de uma cosmovisão relacionada a África e aos seus povos proporcionada por uma produção fílmica de grande escala, o filme “Black Panther”, utilizando como ponto de intersecção o Ensino de Geografia que tem potencialidades em produzir leituras de mundo diversas. É importante, neste sentido, investigar o imaginário acerca da África e de seus povos e a Geografia da África, isto é, compreender o que essa ciência tem produzido e de que forma o conhecimento, acerca deste continente-mãe, nos últimos anos. E é no caminho desta temática que o filme “Black Panther” se destaca como um universo de possibilidades em afetar o pensamento de várias pessoas do mundo acerca da África e de seus povos. A Geografia, nessa perspectiva de proporcionar leitura de mundo e de também ajudar a construir um futuro diferente tem o compromisso de produzir uma teoria acerca destes fenômenos. Tendo em vista a marginalização dos temas étnico raciais na Geografia busca-se, na decolonialidade, possibilidades de ir além da modernidade eurocêntrica, dialogando com modos éticos e estéticos diversos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ayana Kissi Meira Medeiros, E.M.E.F. Prefeito José Carlos de Figueiredo Ferraz (Prefeitura de São Paulo)

Graduação em Geografia (Licenciatura) em 2016; Professora Ens Fund II e Médio.

Referências

ADCHIE, C. N. Americanah. Tradução Julia Romeu. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

AGUIAR, A.B. O negro no cinema brasileiro: uma reflexão sobre as possibilidades metodológicas da incorporação do cinema no ensino de história e cultura afrobrasileira. EBR – Educação Básica Revista, vol.3, n.1, 2017.

ANJOS, Rafael Sanzio Araujo dos. Geografia, Cartografia e o Brasil africano: Algumas Representações. São Paulo: Revista do Departamento de Geografia – USP, Volume Especial Cartogeo (2014), p. 332-350.

ARROYO, Miguel. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

CIRQUEIRA, Diogo Marçal. Inscrições da Racialidade no Pensamento Geográfico (1880-1930). Niterói: [s.n.]. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense, 2015.

DEMO, Pedro. Pesquisa: Princípio Científico Educativo. São Paulo: Cortez, 1997a.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. 2ª ed. (trad. De Renato da Silveira). Salvador: EDUFBA, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Descolonização dos Currículos. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, Jan/Abr 2012. ISSN 1645-1384 (online) www.curriculosemfronteiras.org.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado. vol.31 no.1 Brasília Jan./Apr. 2016.

HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 2009.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogá, 2019.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

KORNIS, Mônica A. História e Cinema: um debate metodológico. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 5, n.10, p. 237-250, 1992. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1940/1079>. Acesso em: 14 nov. 2016.

LEITE, Sidney Ferreira. O cinema manipula a realidade? São Paulo: Paulus, 2003.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Editora Antígona, 2014.

MBEMBE, Achille. Poder brutal, resistência visceral. São Paulo: N1Edições, 2018.

MOBAÇA, Jota. Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala. Disponível em <https://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicas-quanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala>. Acesso em 23/05/2020

MOBAÇA, Jota. Pode um cu mestiço falar? Disponível em< https://medium.com/@jotamombaca/pode-um-cu-mestico-falar-e915ed9c61ee >Acesso em 23/05/2020

MUNANGA, Kabengele. Por que ensinar a história da África e do negro no Brasil de hoje? Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 62, p. 20–31, dez. 2015.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Superando o racismo na escola. 2ª ed. Revisada. [Brasília] Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

RIBEIRO, Djamila. É recorrente que as pessoas queiram que eu responda a falácias. Folha de SP. 27.dez.2019.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996b.

SANTOS, Milton. Espaço e Método. São Paulo: Edusp, 2014.

SANTOS, Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Trad. MyrnaT.R. Viana. São Paulo: EDUSP, 2004 [1979]. 433 p.

SANTOS, Milton. O Espaço Geográfico Como Categoria Filosófica. Revista Terra Livre, nº5. São Paulo: AGB, 1988.

SANTOS, Milton. Pensando no Espaço do homem. 4.ed. São Paulo. Huciteq, 1997

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica. 3ª edição. São Paulo: HUCITEC, 1986.

SANTOS, Renato Emerson dos. A Lei 10.639 e o Ensino de Geografia: Construindo uma agenda de pesquisa-ação. Revista Tamoios. Ano VII. Nº1, 2011.

WEDEBURN, Carlos Moore. Novas bases para o ensino de História da África no Brasil. In: WEDEBURN, Carlos Moore. Educação antirracista: caminhos abertos pela Lei nº 10.639/2003. Brasília: SECAD-MEC, 2005, pp. 133-166.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 89
  • PDF downloads: 50