“Sangue de barata é a PQP!”: Os primeiros passos em direção à construção de si

Palavras-chave: Henfil, Escrita de si, Ditadura Civil-Militar.

Resumo

O presente artigo busca propor uma análise sobre a infância e juventude do cartunista mineiro Henrique de Souza Filho, o Henfil. Estas análises foram a base fundamental para compreender o processo de “escrita si” deste autor, identificada a partir das suas criações artística. Nesse artigo busca-se perceber o local social do autor, suas influências, os limites dos seus discursos e observar as bases que possibilitaram os elementos primordiais das suas mudanças de perspectivas sobre si e sobre o mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ciro Lins Silva, Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo (SEDU-ES)
Historiador; professor efetivo da rede estadual do Espírito Santo com graduação e mestrado pela Universidade do Estado da Bahia; desenvolve pesquisas nas áreas do Riso, Charge, Ditadura Militar, Análise de imagens;
Sandra Regina Barbosa da Silva Souza, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
Doutora em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora de História da Universidade do Estado da Bahia / UNEB / Campus XVIII.

Referências

BOBBIO, Norberto. Direita e Esquerda. São Paulo: UNESP, 2001

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. 1ed; Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

CERTEAU, Michel. A Escrita da História. Tradução: Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CASTORIADES, Cornélius. A instituição imaginária da sociedade. Tradução de Guy Reynaud; revisão técnica de Luiz Roberto Salinas Fortes, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

DICIONÁRIO/VERBETE TEMÁTICO - CPDOC-FGV. Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/acao-popular-ap Acesso: 10/01/2017.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 3: O cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque - São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992.

HENFIL. Hiroshima, meu humor. – São Paulo: Geração Editorial, 1994.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado contribuição à semântica aos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2012

KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e revolucionários: nos tempos da imprensa alternativa. Edusp, 2001.

MAYRINK, José Maria. Anjos de Barro. E-Book. 2001. p, 12.

MORAES, Denis de. O rebelde do Traço: a vida de Henfil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

OKSALA, Johanna. Como Ler Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

PEREIRA, Luísa Rauter. A História e “o Diálogo que Somos”: A Historiografia de Reinhart Koselleck e a Hermenêutica de Hans-Georg Gadamer. Dissertação de Mestrado – PUC-Rio, 2004.

PIRES, Maria da Conceição Francisca¬¬¬. Cultura e Política entre Fadins, Zeferinos, Graúnas e Orelanas. São Paulo: Annablume, 2010.

RAGO, Luzia Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenção da subjetividade. Campinas, SP: Editora da Unicamp. 2013.

DREIFUSS. René Armand. 1964: a conquista do Estado - Ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis (RJ): Vozes, 1981.

REVISTA VEJA. Editora Abril, nº 138, 28/04/1971.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2000

SILVA, Ciro Lins. “Morro, mas meu desenho fica” Henfil: a arte de viver e desenhar para o mundo. –Universidade do Estado da Bahia. Departamento de Ciências Humanas - Campus V, Santo Antônio de Jesus, 2017.

SOUZA, Maurício Maia. Henfil e a Censura: o papel dos jornalistas. Dissertação de Mestrado. ECA, USP, 1999.

SOUZA, Ney de. Ação católica, militância leiga no Brasil: Méritos e Limites. Revista de Cultura Teológica - v. 14 - n. 55 - abr/jun 2006.

SOUZA, Tárik de. Como se faz Humor político. Depoimento a Tárik de Souza. Editora Vozes – Petrópolis, 1984.

Revista Veja. Editora Abril, nº 138, 28/04/1971.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 22
  • PDF downloads: 35