Desenvolvimento profissional docente e os processos de inovação pedagógica na escola: Dilemas e tensões

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional docente, Formação continuada, Inovação pedagógica

Resumo

Este trabalho é um recorte de uma tese de doutorado em andamento denominada “Desenvolvimento Profissional Docente e os Processos de Inovação Pedagógica na Escola: Dilemas e Tensões” cujo objetivo é compreender a relação entre o desenvolvimento profissional docente e os processos de inovação pedagógica na prática de professores nos anos iniciais do Ensino Fundamental em Porto Seguro-Ba. O estudo parte da convicção de que é importante uma formação continuada situada no paradigma da inovação, cujo intento é proporcionar aos professores a reflexividade sobre suas práticas, no sentido de buscar uma aprendizagem significativa para a formação dos jovens. Nesse sentido, inicialmente, faremos um breve histórico das políticas de formação de professores no Brasil, logo após, uma pequena reflexão a respeito dos conceitos de Desenvolvimento Profissional Docente e Inovação Pedagógica, trazendo uma discussão acerca de dilemas e tensões do ser professor ao vivenciar processos de inovação pedagógica. Para discussão, neste trabalho, elegemos duas categorias teórico-analíticas: o desenvolvimento profissional docente, que está relacionado com a melhoria das condições de trabalho, da autonomia e da capacidade de ação dos professores, como um processo de desenvolvimento ao longo da vida, superando a fragmentação de momentos formais, tanto da formação inicial, quanto da continuada, de acordo com Marcelo Garcia (1999; 2009) e Formosinho (2009) e inovação pedagógica, a qual é associada à renovação pedagógica, à mudança, à melhoria e envolve diversos contextos relacionados à educação como programas de ensino, escola, currículos, conforme afirma Carbonell (2002). Assim, produzimos esse trabalho buscando contribuir qualitativamente com as discussões pedagógico-científicas desenvolvidas nas variadas instâncias que fomentam a efetivação de políticas públicas para a formação de professores, visando o desenvolvimento profissional docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Caroline Souza Ferreira, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT)

Doutoranda em Educação na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – (ULHT-Lisboa-Portugal). Mestre em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – (ULHT-Lisboa-Portugal); Especialista em A Moderna Educação: metodologias, tendências e foco no aluno pela PUC-RS. Especialista em Políticas Públicas e Contextos Educativos - FNSL; Especialista em Gestão do Trabalho Pedagógico - UNIVC; Especialista em Planejamento Educacional - UNIVERSO; Especialista em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na Modalidade Educação de Jovens e Adultos, pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA. Licenciada em Pedagogia, é Coordenadora Pedagógica da Prefeitura Municipal de Porto Seguro-Bahia-Brasil.

Investigadora integrada do CeiED – Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento, unidade constituída na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT) e desenvolve pesquisas com ênfase na Educação Básica, especialmente em Formação de Professores, Processos de Inovação Pedagógica, Educação de Jovens e Adultos, Currículo, Diversidade Afrodescendente e Indígena e Educação. Sua linha de pesquisa é Formação Continuada de Professores e Processos de Inovação Pedagógica na Escola.

Elsa Maria Bacala Estrela, Professora Auxiliar da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT)

Professora Auxiliar na ULHT, Coordenadora de Projetos do Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento (CeiED), Cocoordenadora do Centro de Competências para a Inovação em Educação e Cidadania (CCIEC), juntamente com Américo Mateus e em articulação com o CeiED e o HEI-LAB da ULHT, e perita externa no âmbito do Projeto Piloto de Inovação Pedagógica no Agrupamento de Escolas da Boa Água.

É Cocoordenadora do Projeto de Assessoria e Acompanhamento de Escolas no âmbito do Projeto de Autonomia e Flexibilização Curricular, do Projeto de Investigação Sala de Aula do Futuro, do projeto Inovação pela Educação – CIMLT e do Projeto Fostering And Assessing Creativity And Critical Thinking In Education: Higher Education Strand, desenvolvido pela OCDE. Membro do equipa de investigação do Projeto Uma história de sucesso? Portugal e o PISA (2000-2015), financiado pela FCT.

Professora dos Ensinos Básico e Secundário (1993), é mestre em Ciências da Educação (2006) e doutorada em Educação (2015).

Foi membro da Rede Ibero Americana de Investigação em Políticas Educativas (RIAIPE) e do Observatório de Políticas de Educação, Investigação e Formação.

Foi gestora do projeto RIAIPE3 (Programa Marco Interuniversitário para a Equidade e Coesão Social nas Instituições de Ensino Superior), financiado pelo programa Alfa da CE.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2011.

BAZZO, V. L. Os institutos superiores de educação ontem e hoje. Educar, n. 23. Curitiba: UFPR, 2004.

CANÁRIO, R. Os estudos sobre a escola: problemas e perspectivas. In:

BARROSO, João. (org.). O estudo da escola. Portugal: Porto Ed., 1995.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. Trad. F. Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DELGADO, D. M. Inovação em educação na berlinda: da instrumentalização à emancipação. Linhas Críticas, v. 21, n. 46, p. 764-783, 11. 2015. [Disponível em https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/4725/4312; Acesso em 11/05/2020].

FERREIRA, K. C. S. Da Formação Inicial à Formação Continuada de Professores/as: a arquitetura do Desenvolvimento Profissional Docente. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Faculdade de Ciências Sociais, Educação e Administração, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2016.

FIORENTINI, D. A pesquisa e as práticas de formação de professores de Matemática em face das políticas públicas no Brasil. Bolema. v. 21, n. 29, p. 43-70. Rio Claro, 2008.

FIORENTINI, D. e CRECCI, V. M. Desenvolvimento Profissional DOCENTE: Um Termo Guarda-Chuva ou um novo sentido à formação? Form. Doc. v. 05, n. 08, p. 11-23, jan/jun. Belo Horizonte, 2013.

FORMOSINHO, J. Ser professor na escola de massas. In: FORMOSINHO, João et al (Coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, 2009.

FREITAS, H. C. L. de. A reforma do ensino superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação e Sociedade, v. 20, n. 68, p. 17-43, Campinas, 1999.

FREITAS, H. C. L. de. Formação de Professores no Brasil: 10 Anos de Embate Entre Projetos de Formação. Educação e Sociedade, vol. 23, n. 80, p. 136-167. Campinas, 2002.

GARCIA, W. E. e FARIAS, I. M. S. de. Estado, Política Educacional e Inovação Pedagógica. O público e o privado. nº 5. Janeiro/Junho. 2005.

GATTI. B. A. Educação e Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. Campinas, 2010 [Disponível em http://www.cedes.unicamp.br; Acesso em: 09/05/2020].

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HAGEMEYER, R. C. de C. Dilemas e desafios da função docente na

sociedade atual: os sentidos da mudança. Educar, n. 24, p. 67-85, Curitiba: UFPR, 2004.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Trad. J. Padilha. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MARCELO, C. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 08, pp. 7 22. 2009.

MARCELO GARCÍA, C. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MEC-BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo da Rede Nacional de Formação Continuada de Professores de Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

MEC-BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Brasília: Ministério da Educação, 2009.

MEC-BRASIL. Ministério da Educação. LDBEN, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

MEC-BRASIL, Ministério da Educação. PARFOR, Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2015.

MEC-BRASIL. Ministério da Educação. RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 2, de 1º de julho de 2015. Brasília: Ministério da Educação, 2015.

MEC-BRASIL. Ministério da Educação. RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: Ministério da Educação, 2019.

MIZUKAMI, M. da G. N. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002.

NÓVOA, António. Os professores e sua formação. Lisboa:

Dom Quixote, 1997.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. O desenvolvimento profissional dos professores. In: FORMOSINHO, João et al (Coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e ação docente. Porto: Porto Editora, 2009.

PALMA FILHO, J. C. A política pública para a formação docente no brasil. In: Congresso Nacional de Formação de Professores. Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2014.

RODRIGUES, L. Z.; PEREIRA, B.; MOHR, A. O Documento “Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica” (BNCFP): Dez Razões para Temer e Contestar a BNCFP. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 2019.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed.

Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 61
  • PDF downloads: 45