O índice de desenvolvimento da educação básica e o currículo escolar

Palavras-chave: Produção Científica, Ideb, Políticas Públicas.

Resumo

Este texto objetiva apresentar os resultados de um mapeamento da produção científica brasileira, referente ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - Ideb, expressa nas dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas desde a implantação do mesmo.  O percurso metodológico utilizado seguiu a ordem: levantamento bibliográfico da produção; seleção das produções que mais se aproximavam do tema da pesquisa, a sistematização das informações e organização dos resultados, utilizou também a análise documental, a pesquisa qualitativa e o método aplicado para a discussão das informações foi o Materialismo Histórico Dialético. Para a análise dos dados, considerou-se o ano de publicação das produções, a região do país em que se concentram e a relação dos temas com os objetivos da pesquisa. O estudo indicou que apesar de ser um tema novo entre os pesquisadores, está em crescente evolução e que a elevação do Ideb urge de implantação de políticas públicas tanto no atendimento aos alunos, infraestrutura das unidades escolares, formação de professores, material didático coerente com as metodologias implantadas em sala de aula, mas também no setor social, visto que está amplamente envolvido com o desempenho dos aluno

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivanei de Carvalho dos Santos, Secretaria de Educação de Itapetinga/BA
Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Uesb, Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Movimentos Sociais, Diversidade Cultural e Educação do Campo e da Cidade - Gepemdecc/Uesb. É professora efetiva da Rede Municipal de Ensino de Itapetinga/BA
Arlete Ramos dos Santos, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA
Pós-doutorado em Educação e Movimentos sociais, Doutorado e Mestrado em Educação pela FAE/UFMG; Profa. Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Profa. do PPGEd/UESB e do PPGE/UESC; Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Movimentos Sociais, Diversidade e Educação do Campo e Cidade.
Elisângela Andrade Moreira Cardoso, Secretaria de Educação de Vitória da Conquista/BA
Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - PPGEd/Uesb; Mestra em Docência Universitária pela Universidade Tecnológica Nacional de Buenos Aires - UTN/AR; Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa Movimentos Sociais, Diversidade Cultural e Educação do Campo e da Cidade - Gepemdecc/Uesb, do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Educação do Campo - Gepec/Uesb e do Grupo de Estudos e Pesquisa Didática, Formação e Trabalho Docente - Difort/Uesb, com registros no CNPq. Professora efetiva da Rede Municipal de Ensino de Vitória da Conquista - BA.

Referências

APPLE, Michael W. Educação e Poder. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

ARAÚJO, Luiz. Os fios condutores do PDE são antigos. 2007. Jornal de Políticas Educacionais, n° 2, setembro de 2007, p. 24–31. Disponível em: http://www.jpe.ufpr.br/n2_3.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

BARROSO, João. O Estado, a Educação e a Regulação das Políticas Públicas. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 92, p. 725-751, Especial - Out. 2005. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 13 jun. 2019.

BRASIL. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 13 nov. 2017.

BRASIL. Projeto de Educação Básica para o Nordeste: assinatura do acordo de empréstimo. Brasília, MEC, 1994.

BRASIL. Aplicação do SAEB 2017. Brasília, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo2. Acesso em: 03 jan. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 13 nov. 2017.

BRASIL. Lei 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF, 2014.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil Acesso em: 12 out. 2017.

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: www2.camara.leg.br Acesso em: 04 fev. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: basenacionalcomum.mec.br Acesso em: 15 fev. 2018.

BURGIE, Daniela Barbosa. O PDE Escola e a representação de problemas a serem superados na perspectiva de escola da rede estadual do RS. 2015, Universidade do Rio Grande do Sul. https://sucupira.capes.gov.br Acesso em: 15 set. 2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. Eliminação Adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Campinas: Educação e Sociedade, v.28, n. 100, Edição Especial, p. 965- 987. Out-2007.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os Reformadores Empresariais da Educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação, 2012. Disponível em: www.cdn.ueg.br/arquivos/desenvolvimento_curricular_134/conteudoN/2673/texto. Acesso em: 30 ago. 2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os Reformadores Empresariais da Educação e a Disputa pelo Controle do Processo Pedagógico da Escola. Campinas: Educação e Sociedade, v. 35, nº 129, p. 1085-1114, outubro – dez, 2014.

LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1986.

MENEGÃO, Rita de Cássia Silva Godoi: Impactos da avaliação externa no currículo escolar: percepções de professores e gestores. 2015, Universidade Estadual de Campinas. https://sucupira.capes.gov.br Acesso em: 15 out. 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, HUCITEC-ABRASCO, 1992.

RODRÍGUEZ, Margarita Victória. Pesquisa social: contribuições do método materialista histórico dialético. In: CUNHA, Célio da; SOUSA, José Vieira de; SILVA, Maria Abádia da. (Org.) O método dialético na pesquisa em educação. Campinas, SP: Autores Associados/Brasília DF: Faculdade de Educação, UNB, 2014. p. 131-152.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo na ação: a arquitetura da prática. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 64
  • PDF downloads: 18