Ser diferente é normal? O discurso sobre a normalização e conduta social em uma história infantil

Palavras-chave: Discurso, Normalização, História Infantil

Resumo

Neste trabalho, discutiremos sobre normalização e conduta social em uma obra literária infantil, tomando como materialidade discursiva o livro de Sylvia Orthof, A Velhota Cambalhota (1985), obra selecionada pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola, que visa, dentre outras metas, incentivar o hábito da leitura em escolas públicas brasileiras. Nosso objetivo é analisar os discursos sobre a personagem principal da obra, a fim de verificar como as suas diferenças são qualificadas pelos padrões que estabelecem o que é normal e anormal na sociedade em que ela vive. Para tanto, faremos uma intersecção entre a Análise de Discurso Pêcheutiana e pesquisas desenvolvidas por Michel Foucault, David Le Breton e Guacira Louro, acerca da normalização e do controle disciplinar dos corpos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Florisbete de Jesus Silva, Faculdade Nossa Senhora de Lourdes (FNSL)
Professora da Faculdade Nossa Senhora de Lourdes. Professora da Rede Pública Municipal de Porto Seguro, BA.

Referências

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev. ampl. e atual. conforme o novo acordo ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Edital de convocação para inscrição e seleção de obras de literatura para o Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE 2013. Brasília: MEC/SEB, 2013.

DEBERT, G. G. A reinvenção da velhice. 1.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2012

FAITANIN, P. A ordem dos anjos, segundo Tomás de Aquino. Ágora filosófica. Recife, PE, v. 10, n. 1, p. 23-42, 2010.

FOUCAULT, M. História da Loucura na Idade Clássica. Tradução: José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Editora Perspectiva S. A, 1978.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). Tradução de Eduardo Brandão. Martins Fontes, 2001a.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 16.ed. Rio de Janeiro: Graal. 2001b

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Pedro Elói Duarte Biblioteca Nacional de Portugal, 2013.

GUIMARÃES, E. Designação e espaço de enunciação: um encontro político no cotidiano. Letras, n. 26, p. 53-62, 2003.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. 2.ed.

Campinas, SP: Pontes, 2005.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Trad. Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. 4.ed. Tradução de Sônia MS Fuhrmann. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

LOURO, G. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Editora da UNICAMP, 2007.

ORLANDI, E. P. A Casa e a Rua: uma relação política e social. Educação & Realidade, v. 36, n. 3, p. 693-703, set./dez. 2011

ORTHOF, S. A velhota cambalhota. Ilustrações Tato. Belo Horizonte: Lê, 1985.

PÊCHEUX, M. Papel da Memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da Memória. Campinas: Pontes, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5. ed. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014a.

PÊCHEUX, M. Análise de Discurso. 4.ed. Textos escolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014b.

WILLIAMS, R. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro. 1979.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 39
  • PDF downloads: 40