A crise do amor na democracia burguesa

Pensando com bell hooks numa perspectiva feminista

Palavras-chave: bell hooks, Contação de Histórias, Ética Amorosa, Democracia Burguesa

Resumo

Este estudo parte de uma perspectiva crítica sobre a democracia burguesa quando entende a impossibilidade da resolução da crise do amor, que assola as relações sociais entre sujeitos e entre sociedade e Estado, no modo de produção capitalista. A estratégia metodológica se deu a partir da revisão de literatura sobre os temas aqui entrecruzados: a democracia burguesa, o amor, e as contribuições de bell hooks (1984, 2020, 2021) para pensar formas de enfrentamento a esse sistema que atenta contra a dignidade humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara Moratori Peixoto, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Doutoranda em Estudos Literários (Programa de Pós-graduação em Letras - Estudos Literários) pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Mestre em Estudos Literários pela mesma instituição. Graduada em Letras - Português, com ênfase em Literatura, pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Ingra Moratori Sobreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestranda em Teoria Social, Formação Social e Serviço Social (Programa de Pós-Graduação em Serviço Social) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Graduada em Serviço Social, com ênfase em Saúde Mental, pela mesma universidade.

Raquel Barbosa Moratori, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)

Doutora em Políticas Públicas e Formação Humana, com ênfase em Estado e Política Pública, pela UERJ. Graduação em Psicologia e Mestrado em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET/RJ. Atualmente é Professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, no Departamento de Serviço Social (UNIRIO) e Professora-Pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz).

Referências

COUTINHO, Carlos Nelson. Marxismo e política: a dualidade de poderes e outros ensaios. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. 2. ed. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

EVARISTO, Conceição. A Escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância L.; NUNES, Isabella R. (orgs.). Escrevivência: a escrita de nós. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 27-46.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

HOOKS, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Elefante, 2020.

HOOKS, bell. Feminist theory: from margin to center. Boston: South End, 1984.

HOOKS, bell. Tudo sobre o amor: novas perspectivas. Tradução Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2021.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LENIN, Vladimir I. A Revolução proletária e o renegado Kautsky. In: KAUTSKY, K. e LENIN, V. I. Kautsky: a ditadura do proletariado; Lenin: a revolução proletária e o renegado Kautsky. São Paulo: Ciências Humanas, 1979. p. 11-16. Disponível em: https://www.dorl.pcp.pt/images/classicos/t28t044.pdf.Acesso em 20 maio 2022.

LUCE, Mathias Seibel. Teoria Marxista da dependência: problemas e categorias - uma visão histórica. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

LUKÁCS, György. A responsabilidade social do filósofo e outros escritos políticos. Tradução André Brandão e Bruno Daniel Capriles Bianchi. São Paulo: Lavrapalavra, 2021.

MARX, Karl. O Capital - Livro I – crítica da economia política: O processo de produção do capital. Tradução Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. In: REIS FILHO, Daniel Aarão (Org.). O Manifesto Comunista 150 Anos Depois. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

MORGADO, Rosana. Famílias: permanências e mudanças. Os lugares sociais de mulheres e homens. A questão social no novo milênio. Rio de Janeiro, 2004.

NETTO, José Paulo. Cinco Notas a Propósito da “Questão Social”. Revista Temporalis, n. 3. Brasília: ABEPSS, 2001, p. 41-49.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez,1992.

NÚÑEZ, Geni; OLIVEIRA, João M. de; LAGO, Mara C. de S. Monogamia e (anti)colonialidades: uma artesania narrativa indígena. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, v. 16, n. 3, p. 76-88, dez. 2021.

REVOLUSHOW: Curso Livre Marx & Engels 03 - A crítica do Estado e do direito. [Locução de]: Alysson Mascaro. Mediação de: Alessandra Devulsky. [S. l.]: Half Deaf, 3 fev. 2021. Podcast. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/7vwnw4yKQALe2jip5RFXMw?si=ukkSPjJmQvGld6KSD8Z4Sg&utm_source=copy-link. Acesso em 23 maio 2022.

SAFFIOTI, Heleieth. A síndrome do pequeno poder. In: AZEVEDO, M. A., GUERRA, V. N. de A. (Orgs.). Crianças vitimizadas: a Síndrome do Pequeno Poder. São Paulo: Iglu, 1989. p. 13–21.

SILVA, Vinícius. Fragmentos do porvir. Rio de Janeiro: Ape’Ku, 2022. No prelo.

SILVA, Vinícius R. C.; NASCIMENTO, Wanderson F. Políticas do Amor e Sociedades do Amanhã. Voluntas: Revista Internacional de Filosofia. Santa Maria, v. 10, p. 168-182, set. 2019. DOI: 10.5902/2179378639954. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/voluntas/article/view/39954/21316. Acesso em: 18 maio 2022.

Publicado
2022-06-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 150
  • pdf downloads: 85
Como Citar
Peixoto, M. M., Sobreira, I. M., & Moratori, R. B. (2022). A crise do amor na democracia burguesa: Pensando com bell hooks numa perspectiva feminista. Abatirá - Revista De Ciências Humanas E Linguagens, 3(5), 284 - 299. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/abatira/article/view/14451