Uma análise sociolinguística sobre a concordância verbal de terceira pessoa do plural e o contato linguístico no Português L2 da variedade moçambicana

Karen Cristina da Silva Pissurno

Resumo


Seguindo os pressupostos da Teoria da Variação e Mudança (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 1968), observou-se o comportamento dos moçambicanos, falantes de português como segunda língua, em relação a alternância das marcas de plural, e, assim, constatou-se o estatuto de uma regra variável de concordância na variedade em estudo, nos limites de uma semicategórica, consoante Labov (2003). Verificou-se a atuação do contato linguístico com as línguas Bantu faladas no país em relação à outras variáveis linguísticas, como a escolaridade e o conhecimento de português propriamente dito. Para realizar o tratamento estatístico dos dados, utilizou-se o pacote de programas Goldvarb X. Por meio do controle estatísticos de condicionamentos linguísticos e extralinguísticos, as variáveis que se mostraram relevantes para amostra foram a escolaridade, a(s) língua(s) dominada(s) pelo informante,  a transitividade verbal e a animacidade do sujeito. Notou-se também que os grupos de fatores sociais podem influenciar o grau de realização das marcas e que os dados de não marcação são de naturezas distintas daqueles contextos tidos como universais para o cancelamento das marcas de número. A partir das discussões levantadas, identificou-se que o Português de Moçambique ainda seria uma variedade em formação.


Palavras-chave


Concordância Verbal; Multilinguismo; Português L2

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35499/tl.v14i1.7951

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: PROPEP – Programa Interno de Apoio a Editoração e Publicação de Periódicos Científicos da UNEB.

DOI: http://www.revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis Períodicos CAPESA4

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.