Do patriarcalismo em Semente de Bruxa, de Margaret Atwood

Gil Derlan Silva Almeida, Sebastião Alves Teixeira Lopes

Resumo


Os estudos de linha feminista canadense ganharam força e notoriedade nos anos 90 com a contribuição da narrativa de Margaret Atwood. Considerada uma das maiores escritoras de língua inglesa da atualidade, suas obras retratam situações de assujeitamento de mulheres e a força com que o patriarcalismo domina e opera sobre o público feminino. Neste artigo, objetivamos analisar o patriarcalismo e suas implicações dentro da narrativa atwoodiana de Semente de Bruxa (2018). A obra é releitura de A Tempestade (2014) de William Shakespeare, onde se entrelaçam diversas questões e temas, dos quais o patriarcalismo se faz presente e reflete no enredo a situação de poderio de homens sobre personagens femininas, repreendendo-as e silenciando-as. Como aporte teórico são usadas as discussões propostas por Barbosa (2014), Barreto (2204), Felman (1993), Pateman (1993) e Perrot (2017), afirmando assim como o patriarcalismo atuava na vida e comportamento das personagens que compunham o enredo de Semente de Bruxa (2018).

Palavras-chave


Margaret Atwood; Semente de Bruxa; Patriarcalismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35499/tl.v13i2.7058

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


DOI: http://www.revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis Períodicos CAPES: B3

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.