“Te manque”! Transcriação da identidade e subversão em Paris in Burning

Paulo Petronilio Correia, Divino José Pinto

Resumo


Resumo:

Este ensaio propõe uma discussão em torno dos conceitos de “identidade”, “diferença” e “subversão no filme-documentário Paris in Burning. “Paris in Burning” ou Paris em Chamas tem uma duração de 78 minutos e trata-se de uma crônica sobre a “ball culture”, de New York e as minorias culturais que participavam e organizavam este evento. Ali se misturava desfile de moda com habilidades de dança, movimentos hieróglifos do Antigo Egito e ginástica olímpica. A enigmática cantora-performer Grace Jones utilizou desta cena para compor seu estilo. A comunidade afro americana gay surge trazendo uma série de questões de natureza étnico-raciais, política e de gênero no bojo da arte das múltiplas performances, tendo como fio condutor a arte e a liberdade de “ser o que se quiser”. Paris is Burning trata-se de identidade, diferença, liberdade, arte e transgressão. É um filme que vem abalando as certezas da heteronormatividade compulsória, colocando em xeque o “sexo rei”, o sujeito centrado e trazendo à luz o excêntrico e, junto com ele, a arte da diferença envolvendo, acima de tudo, as relações homoafetivas negras com seus dramas, temores e tremores. Desse modo, as múltiplas identidades são construídas e fabricadas nas relações de poder e ligadas a fortes sistemas de representação.


Palavras-chave


Paris in burning; Identidade; Diferença; Performance; Subversão.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35499/tl.v13i1.6036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


DOI: http://www.revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis Períodicos CAPES: B3

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.