Abordagem biografemática ao drama homoerótico Greta Garbo quem diria, acabou no Irajá.

Tiago Calazans Simões, André Luis Mitidieri Pereira

Resumo


Buscamos visibilizar experiências de sujeitos dissidentes da sexualidade normativa e desejos interditados por discursos autoritários, valorizando temas e discussões que sempre ficaram às margens do cânone literário. O texto dramático analisado – Greta Garbo, quem diria, acabou no Irajá , de Fernando Mello (1974), insere-se no contexto repressivo, e policiado pela censura, da ditadura hétero-militar brasileira nos anos 1970-1980.  Para tal proposta, apostamos na noção de “escrita/literatura homoerótica” (SILVA, 2009), na crítica ao objeto literário proposto, correlacionando-a com os conceitos de “espaço biográfico” (ARFUCH, 2010); “biografema” (BARTHES, 1990) e sua releitura no universo da diversidade sexual e de gênero. Durante a análise, constatamos que a censura tentou manipular e orientar o sentido da obra, de acordo com a sua visão: a doutrina pedagógica de segurança nacional; que buscou identificar e combater um “inimigo interno”. Questionando as implicações dos cortes censórios, no texto escolhido, buscamos uma (re)leitura que ressignifique a experiência homoerótica da personagem Renato.


Palavras-chave


Censura; homossexualidade; literatura; protagonista gay.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


DOI:

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis CAPES: Linguística e Literatura - B3

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.