Entre recalques e hibridismos: marcas pós-coloniais no conto “O efeito estufa” de João Melo

Francisco das Chagas Souza Costa

Resumo


: Na rota dos estudos pós-coloniais aplicados ao texto literário, o presente artigo objetiva apresentar uma reflexão acerca de alguns resquícios traumáticos e dos hibridismos culturais oriundos do processo de colonização portuguesa em Angola a partir da literatura de João Melo, tendo como corpus específico o conto “O efeito estufa” o qual faz parte da obra “Filhos da Pátria”. Centrado no protagonista Charles Dupret, o conto analisado mostra as nuances de um processo de hibridização e de forte recalque presente nos sujeitos que foram submetidos à empreitada dos colonizadores. O caráter psicocultural é marcante nessa narrativa o qual é representado com um tom irônico pelo autor, pois a visão nacionalista-racial do personagem principal é posta como despropositada, tornando-se, portanto, ridícula. Como suporte teórico para esse conjunto de ideias recorre-se a estudiosos como Bhabha (1998), Said (1990,2007), Fanon (2008), entre outros. Tem-se a expectativa de contribuir com as discussões da incipiente forma de abordagem do texto literário denominada de crítica pós-colonial.


Palavras-chave


Estudos Culturais, Identidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35499/tl.v13i1.5740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


DOI: http://www.revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis Períodicos CAPES: B3

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.