A presença francesa na lírica de Mário Quintana

Anna Faedrich Martins

Resumo


A presença francesa na lírica de Mario Quintana é elemento visível e essencial para a leitura hermenêutica do conjunto de sua obra poética. O recorte selecionado para este trabalho consiste em estabelecer uma relação entre os poetas Mario Quintana e Charles Baudelaire, destacando possíveis diálogos entre eles, uma vez que o poeta francês é o precursor em tornar Paris objeto de sua poesia, e Quintana, por sua vez, encontra na sua relação com a cidade matéria para sua poesia. Pretendemos, também, mostrar as mudanças urbanísticas de Porto Alegre e o desejo de alçar-se à condição de metrópole, como bem observa Sandra Pesavento, o sonho de ser “uma Paris no Sul”. Apresentaremos Quintana como o flâneur que testemunha as mudanças que vão ocorrendo na cidade e, conforme as considerações do psicólogo norte-americano James Hillman, como esse processo de modernização pode acabar com a flânerie.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35499/tl.v3i1.140

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


DOI: http://www.revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis Períodicos CAPES: A4

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.