Cinema na Bahia, memórias da cidade de Salvador

Maria do Socorro Carvalho

Resumo


A produção de cinema na Bahia pode ser associada à busca de construção de uma memória da cidade de Salvador. É notável sua forte presença como tema, cenário e problema de grande parte de sua cinematografia, sobretudo ao tratar-se do chamado Ciclo do Cinema Baiano (1958 – 1964), quando tem início a realização dos primeiros filmes de longa-metragem na Bahia. Este artigo aborda o Ciclo do Cinema Baiano como depositário de memórias da cidade de Salvador, com destaque para o filme A grande feira (Roberto Pires, 1961), que discute um problema contemporâneo daquela cidade – o dos feirantes de Água de Meninos ameaçados de serem expulsos do terreno da feira. Com A grande feira, uma bem sucedida experiência de crítica e de público, os soteropolitanos não estavam apenas na platéia, mas também nas imagens do filme projetado na tela do cinema, fazendo dele a produção mais representativa daquela sociedade que então produzia a nova onda baiana (1958 – 1962).


Palavras-chave


Cinema–Bahia; Memória–Salvador; Nova onda baiana;

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.35499/tl.v3i1.132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


DOI: http://www.revistas.uneb.br/index.php/tabuleirodeletras

ISSN: 2176-5782

Classificação Qualis Períodicos CAPES: B3

Indexadores:

        

 

 Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.