Adentrando aos arquivos: formação e aspectos da atuação docente de Pórcia Guimarães Alves (1917-1962)

Alexandra Ferreira Martins Ribeiro

Resumo


A professora Pórcia Guimarães Alves, nascida em 1917 e falecida em 2005, dedicou boa parte de seu tempo à educação. Pórcia teve acesso a uma formação educacional e docente privilegiada, possibilitada tanto por sua família quanto pelo Estado. O período de sua instrução elementar, até a conclusão do curso de Pedagogia, foi marcado pela paulatina inserção dos conhecimentos científicos da Sociologia, da Biologia e da Psicologia, intuindo o desenvolvimento de novos padrões em educação e na especialização científica dos professores. Pórcia enfatizou os estudos da Psicologia ligada às questões educacionais, no Curso de Pedagogia e em congressos e cursos complementares. Seus conhecimentos da Psicologia aplicados à Educação concretizaram-se nas ações que transitaram entre sua docência, na Universidade Federal do Paraná, com a instalação e a direção do Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais (CEPE), da Escola Mercedes Stresser e do Instituto Decroly. Logo, nesse estudo, procurou-se responder ao questionamento: como se deu a formação e a atuação docente de Pórcia Guimarães Alves, entre o período de 1917 a 1962? Elencaram-se os objetivos específicos: identificar, na composição familiar de Pórcia, elementos que colaboraram para sua formação docente; pesquisar as influências institucionais na sua formação docente; e investigar a formação complementar, a inserção profissional e alguns aspectos da atuação docente de Pórcia. Nessa perspectiva, a pesquisa seguiu o caminho da busca bibliográfica e documental, com abordagem qualitativa. Como aporte teórico-metodológico, foi basilar o estudo de Viñao Frago (1995) sobre a possibilidade de estudos na História da Educação por meio da História Cultural; Goodson (1992), no que tange à integração do professor e a pessoa do professor em um único ser, e de Loriga (2011) acerca das perspectivas da biografia na historiografia. Ao longo de sua vida, Pórcia constituiu um diversificado acervo de documentos que variaram desde dados de seus familiares, informações e certificados de seu período escolar, diários, recortes de jornais, cartas, publicações, até pesquisas que compõem um extenso arquivo pessoal. Para a análise desses documentos,a pesquisa valeu-se dos estudos de Gomes (2004) e Farge (2009) e da análise de conteúdo proposta por Bardin (2015). Quanto à utilização da memória como fonte histórica, foi importante a contribuição dos conceitos de “arquivar a própria vida”, de Artières (1998), e de “memória silenciada”, de Pollak (1989). Para a contextualização histórica, cultural, social, econômica e política da pesquisa, deram apoio os estudos realizados por Miguel (1997); Maluf e Mott (1998); Gomes (1999; 2013); Del Priore (2005); Souza (2008) e Vieira (2015; 2017). As análises dos documentos evidenciaram que a formação docente de Pórcia foi resultado de sua vontade de ser  rofessora,somada ao ambiente proporcionado por sua família e pelo Estado.


Palavras-chave


História da Educação. Formação Docente. Pórcia Guimarães Alves. Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais (CEPE).

Texto completo:

PDF

Referências


ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 9-34, jul. 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 5. ed. Portugal: Edições 70, 2015.

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005.

FARGE, Arlete. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009.

GOMES, Angela de Castro. Ideologia e trabalho no Estado Novo. In: PANDOLFI, Dulce Chaves. (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: FGV, 1999. p. 53-72.

GOMES, Angela de Castro. Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo. In: GOMES, Angela de Castro. (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 07-26.

GOMES, Angela de Castro. As marcas do período. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz; GOMES, Angela de Castro; FAUSTO, Boris; PINHEIRO, Letícia; ABREU, Marcelo de Paiva; DUTRA, Eliana de Freitas. (Org.). História do Brasil nação: 1808-2010. v. 4. Olhando para dentro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

GOODSON, Ivor F. Dar voz ao professor: as histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. Lisboa: Porto Editora, 1992. p. 63-78.

LORIGA, Sabina. O pequeno x: da biografia à história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

MALUF, Mariana; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: NOVAIS, Fernando A. (Coord.); SEVCENKO, Nicolau. (Org.). História da vida privada no Brasil: República: da Belle Époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 367-421.

MIGUEL, Maria Elisabeth Blank. A formação do professor e a organização social do trabalho. Curitiba: UFPR, 1997.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, jun. 1989. ISSN 2178-1494. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.

SOUZA, Rosa Fátima. História da organização do trabalho escolar e do currículo no século XX: ensino primário e secundário no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.

VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski. A História Cultural e as fontes de pesquisa. Revista HISTEDBR On-line, n. 61, mar. 2015, p. 367-378.

VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski. Educação em Curitiba: trinta anos de políticas públicas. Curitiba: Appris, 2017.

VIÑAO, Antonio Frago. Historia de la educación y historia cultural – posibilidades, problemas, cuestiones. Revista Brasileira de Educação, n. 0, p. 63-82, set./out./nov./dez. 1995. Disponível em: . Acesso em: 13 de junho de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2018.v3.n9.p1047-1050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC