A RELAÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS MACROECONÔMICAS E A CONCESSÃO DE CRÉDITO NO MERCADO IMOBILIÁRIO BRASILEIRO

Mari Eldionara Rosa Machado, Paulo Sérgio Ceretta, Kelmara Mendes Vieira

Resumo


Crises econômicas não são recentes na economia mundial, sendo que uma das primeiras ocorreu ainda no século XVII, a tulipmania na Holanda. A mais recente, uma bolha especulativa no mercado imobiliário dos Estados Unidos em 2008, despertou o interesse de alguns pesquisadores em analisar o comportamento do mercado imobiliário de diversos países. Para mitigar os efeitos da crise que se alastrou pelo mundo, o governo brasileiro tomou diversas medidas anticíclicas, e uma delas foi reduzir as regras para concessão de crédito de forma a aumentar a oferta de financiamento em diversos setores. No mercado imobiliário, essa ampliação de crédito resultou em um aumento expressivo do preço dos imóveis, e diante disso surgiu a preocupação da possibilidade de ocorrência de uma bolha especulativa neste setor. Nesse sentido, este estudo irá analisar se as variáveis macroeconômicas conseguem explicar o comportamento do montante de concessão de crédito para o setor imobiliário. Para isso, a metodologia utilizada foi o método de Mínimos Quadrados Ordinários – MQO. As variáveis foram analisadas nas primeiras diferenças dos logaritmos.  Os resultados das estimações do estudo mostraram que as variáveis mais significativas foram as diferenças das variáveis taxa básica de juros SELIC, a renda média do trabalho principal RENDA e o montante de dinheiro disponível no mercado M1, em suas respectivas defasagens. No entanto, nas estimativas realizadas o poder explicativo do modelo não foi superior a cerca de 20%, o que pode indicar que as variáveis que explicam o comportamento do volume da concessão de crédito não foram identificadas pelos estudos existentes no mercado brasileiro. Pode, ainda, ser indício de que o comportamento do mercado imobiliário não está sendo explicado pelos fundamentos econômicos e de que há um sinal de um comportamento de bolha especulativa no setor. Um dos entraves do estudo está na limitação dos dados encontrados de preços dos imóveis para realizar uma análise mais completa. Para estudos futuros podem ser utilizadas novas metodologias para análise das séries temporais.


Palavras-chave


mercado imobiliário; variáveis macroeconômicas; bolhas especulativas;

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ABECIP. Estudos sobre a existência ou não de “bolha” no mercado imobiliário brasileiro. Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança – ABECIP. MB Associados. 2010.

_________. Indicadores Financiamento Imobiliário. Disponível em < http://www.abecip.org.br/>. Acesso em 26/05/2014

AKSEKI, U.; ÇATIK, A.; GÖK, B. A regime-dependent investigation of the impact of macroeconomics variables on the housing market activity in Turkey. Economics Bulletin. Vol 34. Is 2. 2014.

BACEN. Sistema Gerenciador de Séries Temporais – SGS. Banco Central do Brasil. Disponível em. Acesso em 27/05/2014

BEZERRA, M. et al. Formação, sustentação ou implosão de uma bolha imobiliária? A dinâmica de preços no mercado de imóveis de Natal no período 2005-2010. Economia e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 1 (47), p. 167-196, abr. 2013.

BLANCHARD, O. Speculative bubbles, crashes and rational expectations. Economics Letters Review. Pg. 387-389. Cambridge, USA: 1979.

FERRAZ, F. Crise financeira global: impactos na economia brasileira, política econômica e resultados. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Rio de Janeiro, RJ: 2013.

FGV. FGV Dados. Instituto Brasileiro de Economia. Fundação Getúlio Vargas – FGV. Disponível em . Acesso em 14/05/2014

GUJARATI, D. PORTER, D. Econometria Básica. 5ª Ed. Porto Alegre: AMGH Editora Ltda, 2011.

GARBER, P. M. Famous first bubbles. The Journal of Economic Perspectives, Vol. 4, No. 2, pp. 35-54, 1990

IBGE. Séries estatísticas e Séries históricas. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em < http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/default.aspx> Acesso em 20/05/2014.

LAPEYRONE, O. The Brazilian real estate market in 2012: Robust growth or speculative bubble? Dissertação de Mestrado. Fundação Getúlio Vargas – FGV. São Paulo: SP, 2012.

MARTONE, C. Existe “bolha” no mercado imobiliário Brasileiro? Revista Sistema Financeiro Imobiliário – SFI. Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança - ABECIP. Ed. 39. São Paulo: Abecip, 2013.

MENDONÇA, M.; MEDRANO, L.; SACHSIDA, A. Efeitos da política monetária na economia brasileira: resultados de um procedimento de identificação agnóstica. Revista Pesquisa e Planejamento Econômico. V. 40, n. 3. 2010.

MENDONÇA, M.; SACHSIDA, A. Existe bolha no mercado imobiliário brasileiro? Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 2012.

MENDONÇA, M. O Crédito Imobiliário no Brasil e sua Relação com a Política Monetária Revista Brasileira de Economia - RBE. V. 67 nº. 4. Rio de Janeiro, RJ: 2013.

SHILLER, R. Speculative asset prices. (Nobel Prize Lecture). Yale University, New Haven, USA. 2014. Disponível em < http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/economic-sciences/laureates/2013/shiller-lecture-slides.pdf> Acesso em 25/05/2014.

SIDRA. Sistema IBGE de Recuperação Automática de Dados. Disponível em Acesso em 20/05/2014.

STIGLITZ, J. Symposium on bubbles. In: Journal of Economic Perspectives. Vol 4, n. 2. 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.18028/rgfc.v4i3.778

Apontamentos

  • Não há apontamentos.