ASPECTOS DA MOTIVAÇÃO INTRÍNSECA E EXTRÍNSECA: UMA ANÁLISE COM DISCENTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA BAHIA NA PERSPECTIVA DA TEORIA DA AUTODETERMINAÇÃO

Laerson Morais Silva Lopes, Francisco Marton Gleuson Pinheiro, Antônio Carlos Ribeiro da Silva, Emmanuel Sousa de Abreu

Resumo


O objetivo principal deste estudo foi verificar se existem diferenças significativas nos níveis de motivação entre alunos de Instituições de Ensino Superior públicas e privadas nos cursos de Ciências Contábeis na Bahia. Para tanto, foram aplicados questionários estruturados com base na Escala de Motivação Acadêmica (VALLERAND et al., 1992) em três regiões do estado, tendo sido formada uma amostra com 412 respostas válidas. Os dados coletados foram analisados com o SPSS® 15, por meio de análise descritiva, análise fatorial (AF) e teste de diferenças de média (teste t). Considerando as três perspectivas de motivação (extrínseca, intrínseca e desmotivação), apresentadas pela Teoria da Autodeterminação (DECI; RYAN, 1985), este estudo constatou que não há diferenças estatisticamente significativas entre a motivação dos alunos de IES públicas e privadas. No entanto, algumas diferenças são encontradas quando se analisa, isoladamente, gênero, estágio no curso e idade do aluno. As mulheres possuem, em média, mais motivação extrínseca por introjeção e motivação intrínseca para a realização do que os homens. Os alunos iniciantes do curso são mais motivados por introjeção e menos desmotivados do que aqueles que estão em fase de conclusão. Quanto à idade, só detectou-se diferenças em relação às medias da motivação extrínseca por controle externo. Assim, acredita-se que tais resultados do presente estudo contribuam para a melhoria do processo de ensino-aprendizagem dos cursos de Ciências Contábeis.


Palavras-chave


Motivação Intrínseca e Extrínseca. Teoria da Autodeterminação. Ensino em Contabilidade. Escala de Motivação Acadêmica.

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ALONSO, Juan Luis Núñez. Validación de la Escala de Motivación Educativa (EME) enParaguay. Revista Interamericana de Psicología/InteramericanJournalofPsychology - 2006, v. 40, n. 2,p. 185-192.

BERTOLINI, Eni A. Sivera; SILVA, Miguel A de Mello. Metacognição e motivação na aprendizagem: relações e implicações educacionais. Revista Técnica INEP, São Paulo, v. 5, n. 1/2, p. 51-62, jan./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 2 mar. 2009.

BRUNI, Adriano Leal. PASW Aplicado à Pesquisa Acadêmica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CALLEGARI, Marília Vasques. Motivação e ensino de espanhol na escola pública paulista: dados quantitativos e qualitativos de um estudo de caso. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n(51.1), p. 99-117, jan./jun. 2012.

CARMO, Carlos R. S.; MIRANDA, Gilberto J.; LEAL, Edvalda A. Motivação discente para a aprendizagem das disciplinas do curso de Ciências Contábeis. Registro Contábil. v. 3, n. 3, p. 123-143, 2012.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior.New York: Plenum, 1985.

FIELD, Andy. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

HAIR, J. F.; BLACK, William C.; BABIN, Barry; ANDERSON, Rolph E.; TATHAM, Ronald L. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HEGARTY, Niall. Application of the Academic Motivation Scale to Graduate School Students. The Journal of Human Resource and Adult Learning, v. 6, n. 2, dez. 2010.

LACERDA, J. R,; REIS, S. M.; SANTOS, N. A. Os fatores extrínsecos e intrínsecos que motivam os alunos na escolha e na permanência no curso de ciências contábeis: um estudo da percepção dos discentes numa Universidade Pública. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 27, n.1, p. 67-81, p. 67-81, jan./abr. 2008.

LEAL, Edvalda A.; MIRANDA, Gilberto J.; CARMO, Carlos R. S. Teoria da Autodeterminação: uma Análise da Motivação dos Estudantes do Curso de Ciências Contábeis. R. Cont. Fin. – USP, São Paulo, v. 24, n. 62, p. 162-173, maio/jun./jul./ago. 2013.

MARTINELLI, Selma de C; BARTHOLOMEU, Daniel. Escala de motivação acadêmica: uma medida de motivação extrínseca e intrínseca. Avaliação Psicológica, v. 6, n. 1, p.21-31, 2007.

MENDES, João Batista. Utilização de Jogos de Empresas no Ensino de Contabilidade – Uma experiência no curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia. Contabilidade Vista & Revista, v. 11, n. 3, p. 23-41, dez. 2000.

MIRANDA, Claudio de S., MIRANDA, Raissa A. M., ARAÚJO, Adriana M. P. Percepções dos Estudantes do Ensino Médio Sobre o Curso de Ciências Contábeis e as Atividades do Profissional Contador. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 1, p. 17-35, jan/abr., 2013.

NASCIMENTO, João C. H. B.,NOSSA, V., BERNARDES, Juliana R., DE SOUSA, Wellington D. Competências de Alfabetização dos Ingressos da Graduação em Ciências Contábeis: um estudo descritivo em uma instituição de ensino superior do Vale do São Francisco. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 80-98, mai/ago. 2013.

OLIVEIRA, Plícia Araújo de; THEÓPHILO, Carlos Renato; BATISTA, Igor Veloso Colares; SOARES, Simarly Maria. Motivação Sob A Perspectiva da Teoria da Autodeterminação: Um Estudo da Motivação de Alunos do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros. In: CONGRESSO USP DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, 7, Anais...São Paulo, 26 e 27 de julho de 2010.

PENNA, Antonio Gomes. Introdução a Motivação e a Emoção. Rio de Janeiro: Imago,2001.

PERRENOUD, Philippe. Dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre (Brasil), Artmed Editora, 2000.

RIBEIRO FILHO, José Francisco, LOPES, Jorge Expedito de Gusmão; ALMEIDA, Lauro Brito de; PEDERNEIRAS, Marcleide Maria Macedo; RIBEIRO, Marco Tulio José de Barros. Características da personalidade de estudantes de ciências contábeis: análise do conhecimento baseado no Modelo Myers-Briggs Type Indicator (MBTI). Revista Contabilidade, Gestão e Governança – Brasília, v. 13, n. 2, p. 51-64, mai/ago 2010.

ROCHA, Ana. G. P., JUNIOR, Hugo S. F., CORREA, Denise. M. M. C. Análise Comparativa de Desempenho no Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Ceará no Enade 2006. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade. v. 2, n. 3, p. 105-120, set/dez., 2012.

RYAN, R.M.; DECI, E.L. Intrinsic and extrinsic motivations: classic definitions and new directions. Contemporary Educational Psychology, New York, v.25, n.1, p.54-67, 2000.

LA GUARDIA, J. G.; RYAN, R. M. Buts personnels, besoins psychologiques fondamentaux, et bien-être: théorie de l'auto détermination et applications [personal goals, fundamental psychological needs, and well-being: self-determination theory and its applications]. Revue Québécoise de Psychologie, v. 21, 283-306. 2000.

SOBRAL, Dejano T. Motivação do aprendiz de Medicina: uso da escala de motivação acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa. v.19, n.1, p. 25-31, Jan/Abr.2003.

TOLLEFSON, Nona. Classroom applications of cognitive theories of motivation. Educational Psychology Review, v. 12, n.1, 2000.

VALLERAND, R.J.; PELLETIER, L.G.; BLAIS, M.R.; BRIÈRE, N.M., SENÉCAL, C.; VALLIÈRES, E.F. The Academic Motivation Scale: a measure of intrinsic, extrinsic, and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement 52, 1003-1017, 1992.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12 ed. São Paulo: Atlas, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18028/rgfc.v5i1.570

Apontamentos

  • Não há apontamentos.