AUDITORIA EXTERNA EM ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DA PERCEPÇÃO DE CONTADORES E NÃO CONTADORES

Selma Austricliano de Souza, César Valentim de Oliveira Carvalho Júnior, Kátia Silene Lopes de Souza Albuquerque

Resumo


Este estudo teve por objetivo identificar a percepção de contadores e não contadores a respeito das possíveis contribuições que a Auditoria Independente imprime na confiabilidade e transparência das Demonstrações Contábeis de Organizações do Terceiro Setor, além de verificar se existe diferença significativa entre as percepções desses dois grupos. A auditoria independente é uma técnica exercida por profissionais independentes da organização que verifica se as demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as normas e princípios contábeis vigentes. Trata-se de uma ferramenta que subsidia as técnicas de gestão, a elaboração de projetos, o planejamento estratégico e a captação de recursos, um instrumento de governança corporativa. Nas organizações do Terceiro Setor, um espaço público de atuação das instituições da sociedade civil organizada que tem como escopo o bem público, percebe-se a necessidade de melhorar a confiabilidade e transparência nas demonstrações contábeis, visto que obtém recursos da iniciativa privada, do governo e de pessoas físicas para financiar suas atividades. Ao buscando resposta para o questionamento desta pesquisa, os seguintes procedimentos metodológicos foram adotados: a revisão na literatura pertinente ao tema, a aplicação de um questionário a uma amostra por acessibilidade a estudantes de pós graduação, nas áreas de contabilidade e finanças,  a contadores e a não contadores na cidade de Salvador, Bahia. Na análise de dados, a escala “Grau de confiabilidade na auditoria independente” foi validada de acordo com a sua dimensionalidade, confiabilidade e convergência. Ao analisar as estatísticas descritivas, observou-se alto grau de confiabilidade na auditoria independente por parte dos dois grupos estudados. Em seguida, a análise de co-variância univariada (ANCOVA) confirmou não existir diferença significativa quanto às percepções analisadas, corroborando assim a análise inicial das estatísticas descritivas. Conclui-se que contadores e não contadores atribuem um alto grau de credibilidade à auditoria externa para melhorar a confiabilidade e transparência nas demonstrações contábeis das organizações do terceiro setor, verificando também que não há diferença significativa entre as percepções dos contadores e não contadores. Esses achados apontam para a necessidade de novas investigações, em outras regiões do país, a partir da escala construída e validada.

 


Palavras-chave


Auditoria Externa; Confiabilidade; Terceiro Setor.

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ALBUQUERQUE, K. S. L. S.; DIAS FILHO, J. M.; SILVA, F. D. C. Auditoria e custo de capital de terceiros: estudo empírico sobre o custo dos financiamentos bancários nas empresas brasileiras de capital aberto auditadas pelas big four e demais firmas de auditoria. Disponível em:< http://www.aedb.br/seget/artigos08/356_Artigo%20Final-Auditoria%20e%20CCT.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2010.

ALBUQUERQUE, K. S. L. S. Auditoria e Sociedade: Análise das Diferenças de Expectativas dos Usuários da Contabilidade em Relação ao Papel do Auditor. 143 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Contabilidade) – Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Contabilidade, Salvador, 2009.

ARAÚJO, I. P. S. Introdução à auditoria: breves apontamentos de aula – aplicáveis à área governamental e aos programas de concursos públicos. Salvador, 1998.

ARAÚJO, L. C. V. Auditoria em Organizações do Terceiro Setor. Universidade Federal do Ceará. 2008. Disponível em:< http://www.acep.org.br/proaudi/gapa.pdf >. Acesso em: 03 jan. 2010.

ATTIE, W. Auditoria: conceitos e aplicações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5462. Confiabilidade e Mantenabilidade. Rio de Janeiro: ABNT. 1994.

BERGAMINI JÚNIOR, S. Controles Internos como um Instrumento de Governança Corporativa. Rio de Janeiro, Revista BNDES, dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2010.

BRASIL. Cartilha Terceiro Setor e Ocips. Disponível em: < http://www.cedac.org.br/OSCIP.pdf >. Acesso em: 12 jan. 2010.

CARDOZO, Júlio Sérgio S. O papel do auditor na sociedade ou o que a sociedade espera do auditor. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 18, n. 56, p. 44-52, jul. 1989.

CRASWELL, Allen T.; FRANCIS, Jure R.; TAYLOR, Stephen L. Auditor brand name reputations and industry specializations. Journal of Accounting and Economics, v. 20, p.297-322, aug. 1995.

DIAS, A. Metodologia para análise da confiabilidade. Campinas: Faculdade de Engenharia de Mecânica, UNICAMP. Tese de Doutorado, 1996.

FALCONER, P. A. A promessa do terceiro setor: um estudo sobre a construção sem fins lucrativos e do seu campo de gestão. (Dissertação) Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, administração e contabilidade. 2002. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2010.

FERNANDES, R. C. Privado, porém público: o terceiro setor na América do Sul. Rio de Janeiro: CIVICUS, 2002.

FORMIGONI, Henrique et al. A contribuição do rodízio de auditoria para a independência e qualidade dos serviços prestados: um estudo exploratório baseado na percepção de gestores de companhias abertas brasileiras. 2008. Disponível em: < http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/1970/197014588007.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2010.

FRANÇA FILHO, Genauto Carvalho de. Terceiro setor, economia social, economia solidária e economia popular: traçando fronteiras conceituais Bahia Análise & Dados. Salvador: SEI, v.12, n.1, jun. 2002.

HAIR, J. F. J.; BLACK, W. C.; BABIN, B J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Multivariate data analisis. 6. ed. New Jersey: Pearson, 2006.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Ed. Atlas S.A, 1999.

KIM, J-B.; Chung R.; FIRTH, M. Auditor conservatism, asymmetric monitoring, and earnings management. Contemporary Accounting Research, n. 20, p. 323-359, 2003.

LEMOS, Guilherme de. Manual das ONG´s: o que é uma ONG. 2005. Disponível em: < http://www.aesa.com.br/soame/manOqE.html>. Acesso em: 02 jan. 2010.

LEMOS, Guilherme de. Manual das ONG´s: o que é uma ONG. 2005. Disponível em: < http://www.aesa.com.br/soame/manOqE.html>. Acesso em: 02 jan. 2010.

OLIVEIRA, Márcio Vieira de. A evolução das normas de auditoria contábil e sua contribuição para a credibilidade das demonstrações contábeis publicadas, na visão de auditores independentes, do Distrito Federal. Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharelado em Ciências Contábeis. Universidade Católica de Brasília. 2004.

PACHECO, Marcela Soares; OLIVEIRA, Denis Renato de; LA GAMBA, Fabrício. A história da auditoria e suas novas tendências: um enfoque sobre governança corporativa. 2005. Disponível em: < http://www.ead.fea.usp.br/semead/10semead/sistema/resultado/trabalhosPDF/204.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2010.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez et al. Auditoria de demonstrações contábeis: normas e procedimentos. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007

POWER, Michael. Auditing and the production of legitimacy. Accounting, Organizations and Society, v. 28, 2003.

SOARES, C. Importância da aplicação da auditoria independente no Terceiro Setor na cidade de Blumenau. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Regional de Blumenau. 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/rgfc.v2i2.56

Apontamentos

  • Não há apontamentos.