O RETORNO POR EMPREGADO COMO INDICADOR DE DESEMPENHO DAS EMPRESAS

Francisca Soraia Ferreira Leite, Hugo Santana de Figueirêdo Junior, Vicente Lima Crisóstomo

Resumo


Com as transformações no ambiente de negócios, os ativos intangíveis, potencialmente gerados pelo capital intelectual, ganharam importância. Este estudo tem como objetivo analisar e testar uma métrica alternativa de avaliação de desempenho que leva em conta os recursos humanos da empresa: o Retorno por Empregado (RE). Uma pesquisa exploratória foi realizada através do estudo de caso de três empresas com ações negociadas na BM&FBOVESPA no período 2006-2009. A partir das demonstrações financeiras das empresas, foram medidos seus desempenhos pelas métricas tradicionais, Retorno sobre Ativo e Retorno sobre Patrimônio Líquido, e pelo RE. O valor das ações de cada empresa foi usado como referência para criação de valor. Um estudo empírico complementar apontou que a correlação entre o RE e o preço das ações foi mais alta e significativa do que a correlação entre os indicadores tradicionais para a empresa mais intensiva em capital intelectual. Para as empresas intensivas em capital físico e em mão de obra, os indicadores de desempenho tradicionais apresentaram correlação mais alta. Sugere-se que a métrica alternativa seja um importante índice para empresas intensivas em capital intelectual. Reforça-se que tal medida de desempenho corporativo, que incorpora o efeito da força de trabalho intelectual, é uma contribuição importante à literatura sobre intangíveis.


Palavras-chave


Ativos intangíveis; Capital humano/intelectual; Análise de desempenho

Texto completo:

ARTIGO

Referências


AMAEFULE, Ezewuchi. Human capital accounting: should employees be classified as assets? Journal of Business and Public Policy, vol. 2, n. 1, p. 56-76, jan./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2009.

ANTUNES, Maria Thereza Pompa. A controladoria e o capital intelectual: um estudo empírico sobre sua gestão. Revista Contabilidade e Finanças – USP, n. 41, p. 21-37, mai./ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2011.

ARRAZOLA, Maria; RISUEÑO, Marta; SANZ, José Félix. A proposal to estimate human capital depreciation: some evidence for Spain. Revista de Economía Publica, v. 172, n. 1/2005, p. 9-22. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2011.

ASSAF NETO, Alexandre. Depreciação: conceitos, aspectos e descapitalização. Revista de Administração IA-USP, vol. 15, n. 1, p. 18-32, jan./mar. 1980. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2009.

BECKER, Gary. Human capital: a theoretical and empirical analysis, with special reference to education. 2..ed. New York: Columbia University Press for NBER, 1975.

BELINAZO, Denadeti Parcianello. O Capital Intelectual e as Novas Estratégias. Revista Sociais e Humanas, v. 13, n. 1, p. 69-76, 2000.

BERNHUT, Stephen. Measuring the value of intellectual capital: an interview with B. Lev. Ivey Business Journal. New York, March/April, p. 16–20, 2001. Disponível em . Acesso em: 03 dez. 2009.

BRASIL. Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2009.

BRASIL ECODIESEL S/A. Demonstrações financeiras. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2009.

BOVESPA, Bolsa de Valores de São Paulo. Apresenta informações sobre os demonstrativos financeiros das empresas. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2009.

BRYAN, Lowell. The new metrics of corporate performance: profit per employee. The McKinsey Quarterly, n. 1, 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2011.

CÉSAR, Ana Maria Roux Valentini; PEREZ, Gilberto. Desempenho da área de recursos humanos e desempenho econômico-financeiro – um estudo exploratório sobre a mensuração do valor gerado pelas pessoas. 9º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 30 e 31 de julho de 2009. Disponível em < http://www.congressousp.fipecafi.org/artigos92009/401.pdf >. Acesso em: 20 fev. 2011.

COLAUTO, Romualdo Douglas; BEUREN, Ilse Maria; MEDINA, Enrique Afonso Muñoz La Tridimensionalidad del Lenguaje Contable en la Mensuración de Activos con Énfasis en la Evaluación del Capital Intelectual. Revista Produção Online, v. 5, n. 3, p 1-15, setembro de 2005.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução nº 1139/08, de 21 de novembro de 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2009.

CRISÓSTOMO, Vicente Lima. Ativos intangíveis: estudo comparativo dos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação adotados no Brasil e em outros países. Contabilidade, Gestão e Governança, vol. 12, n. 1, p. 50-68, 2009.

EDVINSSON, Leif; MALONE, Michael. Capital Intelectual: Descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books, 1998.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: São Paulo: Cortez, 1989.

GRENDENE S/A. Informações financeiras. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2009.

INSTITUTE OF MANAGEMENT ACCOUNTANTS. Counting more, counting less. Transformations in the management accounting profession. Montvale, NJ: Institute of Management Accountants Publications / The Gary Siegel Organization, Inc., p. 101, 1999.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1997. IUDÍCIBUS, Sérgio; MARION, José Carlos. Introdução à teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

ITTNER, Cristopher; LARCKER, Davi; RANDALL, Taylor. Performance implications of strategic performance measurement in financial services firms. Accounting, Organizations and Society, v. 28, p. 715-741, 2003.

KALLUNKI, Juha; KARJALAINEN, Pasi; MARTIKAINEN, Minna. Investments in human capital in different institutional environments. In: Advances in International Accounting, 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 jan. 2010.

LEV, Baruch; ZAMBON, Stefano. Intangibles and intelectual capital: an introduction to a special issue. European Accounting Review, v. 12, n. 4, p. 597-603, 2003.

LINGLE, John; SCHIEMANN, William. From balanced scorecard to strategic gauges: is measurement worth it? Management Review, v. 85, n. 3, p. 56-61, 1996.

LIMA, Claudinete Salvato; URBINA, Lígia Maria Soto. Eficiência competitiva através de investimentos em capital humano. In: XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção Curitiba–PR, 2002. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2011.

MACHADO, Luiz. Grandes economistas XVI – Alfred Marshall e a escola neoclássica. 2007. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2009.

MARSHALL, Alfred. Early economic writing, 1867-1890. London: ed. J. K. Whitaker, 1975. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2009.

MATARAZZO, Dante Carmine. Análise financeira de balanços – abordagem básica e gerencial. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOURITSEN, Jan; BUKH, Per Nikolaj; LARSEN, Heine; JOHANSEN, Mette Rosenkrands. Developing and managing knowledge through intellectual capital statements. Journal of Intellectual Capital, Denmark, v. 3, n. 1, p. 10-29, 2002. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2009.

NIYAMA, Jorge Katsumi; SILVA, Augusto Tibúrcio. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

PADOVEZE, Clóvis Luiz. Contabilidade gerencial – um enfoque em sistema de informação contábil. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

PEREIRA, Carlos Augusto Pacheco; MORAES, Eliene Aparecida de; SALLABERRY, Jonatas Dutra. Valoração de goodwill gerado internamente através do valor de mercado: um estudo a partir das demonstrações financeiras de uma empresa de tecnologia. Revista Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 1, p. 53-70, 2013.

PETERSON, Pamela; PETERSON, David. Performance de empresas e medidas de valor adicionado. São Paulo: ABAMEC, 1996.

ROOS, Johan; ROOS, Goran; DRAGONETTI, Nicola Carlo; EDVINSSON, Leif. Intellectual capital: navigating in the new business landscape. London: Macmillan, 1997.

SHULTZ, Theodore William. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

TAN, Caroline; MYRNIOS, Kosmas. Firm performance measurement in fast growth small-to-medium enterprises. Disponível em . Acesso em: 08 dez. 2009.

STOLOWY, Hervé; HALLER, Axel; KLOCKHAUS, Volker. Accounting for brands in France and Germany compared with IAS 38 (intangible assets): An illustration of the difficulty of international harmonization. The International Journal of Accounting, v. 36, n. 2, p. 147-167, 2001.

SVEIBY, Karl Erick. The new organizational wealth – management and measuring knowledgebased assets. São Francisco: Berrtt Koehler Publishers Inc, 1997.

TOTVS S/A. Demonstrações financeiras padronizadas. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2009.

VICENTE, Ernesto Fernando Rodrigues; TREVIZANI, Fernando. A mensuração do retorno para o acionista. In: IX Congresso Internacional de Custos – Florianópolis, SC, Brasil – 28 a 30 de novembro de 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2009.

WIDENER, Sally. Human capital, pay structure and the use of performance measures in bonus compensation. Management Accounting Research, vol. 17, n. 2, p. 198-221, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/rgfc.v3i3.473

Apontamentos

  • Não há apontamentos.